08 de Setembro de 2014

O que dava para comprar com R$ 100 há 13 anos atrás?

Em geral, muito mais coisas do que atualmente. Você "era rico" e não sabia. A inflação acumulada há 13 anos é de 124,48%, segundo o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e usado pelo governo federal para estabelecer suas metas para a economia nacional.

 

Mas essa é apenas uma média. Outros fatores influenciam bastante a definição de preços. Um ingresso para o Rock in Rio 2001, por exemplo, custava R$ 35,00. Na edição de 2013, saiu por R$ 260,00, mas, se seguisse fielmente o índice, seria R$ 78,57. Só que, de 2001 pra cá, a quantidade de pessoas com acesso à meia-entrada aumentou tanto que os promotores decidiram compensar os prejuízos subindo o preço. Por outro lado, discos de DVD, por exemplo, subiram bem menos, numa tentativa de diminuir o impacto da pirataria. E, como costuma acontecer com os equipamentos de tecnologia, um pendrive ou um celular comum são hoje bem mais baratos (e mais potentes) do que há 13 anos.

 

Saiba o que R$ 100 compravam 13 anos atrás - e os preços naquela época

 

*2001

- 0,43 pendrive (1GB)= R$ 230,00 (cada)

- 2 jogos = R$ 50,00 (cada)

- 0,25 aparelho (Nokia 5120) = R$ 350,00 (cada)

- 111,1 kinder Ovo = R$ 0,90 (cada) 

- 62,1 Litros de gasolina = R$ 1,61 (litro)

- 27,7 lanches fast-food = R$ 3,60 (cada)

- 10 tíckets de cinema = R$ 10,00 (cada)

- 62,5 garrafas de refrigerante = R$ 1,60 (cada)

- 400 pacotes de figurinha = R$ 0,25 (cada)

- 5 mil doces (bala) = R$ 0,02 (cada) 

 

*2014

- 3,3 pendrive (8GB)= R$ 30,00 (cada)

- 0,5 jogo = R$ 200,00 (cada)

- 0,76 aparelho (Samsung E1203) = R$ 130,00 (cada)

- 22,2 kinder Ovo = R$ 4,50 (cada) 

- 31,9 Litros de gasolina = R$ 3,13 (litro)

- 8 lanches fast-food = R$ 12,40 (cada)

- 4,1 tíckets de cinema = R$ 24,00 (cada)

- 20 garrafas de refrigerante = R$ 5,00 (cada)

- 100 pacotes de figurinha = R$ 1,00 (cada)

- 2.500 mil doces (bala) = R$ 0,04 (cada)  

Imprimir Comentar

Comentar

(1) Comentários

 

 

em 18/09/2014 às 07:29:51

Neide

Boas referências para os cálculos da inflação...rsrsrs, pode parece tolice mas se considerarmos alguns percentuais vemos que a inflação é forjada. O exemplo da gasolina é o maior.

 

Igor de Moraes

Curiosidades

Perfil

Formado em Publicidade e Propaganda pela Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação (ESAMC-AL). Atualmente, atuo como Diretor de Arte e Criação da agência PhD Brasil Comunicação (filial Maceió - Com sede em Curitiba-PR, Manaus-AM e Recife-PE).

Últimos Comentários

  • Neide

    Boas referências para os cálculos da inflação...rsrsrs, pode parece tolice mas se considerarmos alguns percentuais vemos que a inflação é forjada. O exemplo da gasolina é o maior.

  • Jorge Moraes

    Depois dos emails, uma cobrança pública: pelo menos um artigo por semana gente.

  • Eliane de Oliveira Rosa e Silva

    Interessante análise Igor, bastante reflexiva ... nos leva deduzirmos q Brasília tornou-se o Gabinete dos designios do País à distância, longe da massa populacional;decisões de luta dosTres Poderes num "tablado"assistindo a vunerabilidade do nassedouro há 42 anos "do poder paralelo"dos Tráficos.

  • Sérgio Maciel

    Concordo integralmente com as conclusões dos pesquisadores. Parábens pela matéria. Sérgio Maciel.

Qualquer Instante Rua Cônego Machado, 983-C
Farol – Maceió/Alagoas
CEP: 57051-160
Fones: (82) 3221.8116
                    9917.9858
contato@qualquerinstante.com.br

 

Desenvolvimento www.quad.com.br
Expediente
  • Jorge Souto de Moraes
    Mte 803/AL – Coordenação Geral
  • Riane Rodrigues –
    Mte 1082/AL (Editoria/Supervisão)

 

 

  • Igor de Moraes
    Publicitário
  • Erick Luisi
    Colaborador de Jornalismo / MTE-AL 1510
  • Emanuel Pedrosa (Canetinha)
    Departamento Comercial
2010 www.qualquerinstante.com.br. Todos os direitos reservados. Política de privacidade