20 de Abril de 2014

Rádio web Luz Espirita em defesa dos animais

divulgação Destaque

Foi ao ar na quarta feira passada o programa on line Consciência Animal , um programa com dicas e informações que visa transformar ” Tutores de Animais em Educadores de Almas”.

Programa “Consciência Animal” transmitido pela Web Rádio Luz Espírita irá ao ar todas as segundas-feiras às 17 horas, quartas às 21 horas e às sextas as 9 horas.

A apresentação do Programa é do médico veterinário Ricardo Capuano e da filósofa Simone Nardi.

Simone Nardi: criadora do blog Irmãos Animais – Consciência Humana, colunista do site Espírita da Feal (Fundação Espírita André Luiz) ; é fundadora do Grupo de Discussão Espírita Clara Luz que discute a alma dos animais e o respeito a eles. Graduada em Filosofia,especialista em Filosofia Contemporânea e História pela UMESP. Colaboradora da Revista Conhecimento Prático Filosofia.

Ricardo Luiz Capuano: Médico veterinário Formado pela USP no ano de 2000. Responsável pela Clinica Veterinária Santo Estevão que faz atendimento clinico e cirúrgico de cães, gatos, aves e animais exóticos. Tratamentos alopáticos, homeopáticos, fitoterápicos e com florais.

Colaborador da pesquisa do Dr. Tullio Simoncini, sobre oncologia:Cura Natural

Apresentador do programa: “Nossos Irmãos Animais” (veiculado toda sexta-feira às 16h30hs) e do quadro “Consciência Animal” (Todas as semanas dentro do Jornal Nova Manhã e RBN – Noticias).

Colaborador da MundoMaior Editora , Colunista do ANDA: Agência de Notícias de Direitos Animais, Trabalhador do Centro Espírita Raio de Paz,  Voluntario da FEAL (Fundação Espírita André Luiz) , da “Casa

Betinho” (Lar espírita para crianças excepcionais) – e do Grupo “Nossos Irmãos Animais” do centro espírita Auta de Souza //www.dedmarcelbenedeti.com

Fonte: Consciência Humana ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Abril de 2014

Operários do Itaquerão cuidam de cães abandonados no local

internet Destaque

Torcedor é um sujeito fanático e na construção do Itaquerão muitos deles consideraram o lugar “sagrado”: teve gente tentando jogar as cinzas do pai no espaço que seria o gramado, homens querendo enterrar o cordão umbilical do filho no campo e pessoas enchendo sacos plásticos de terra e pedras do local do estádio. Mas a presença deles num canteiro de obras com centenas de máquinas pesadas é perigosa e, por isso, proibida. Muitas destas tentativas foram frustradas graças aos latidos da SRD Coringa.

A cadela vive no terreno onde será o Itaquerão desde antes do estádio começar a ser erguido, lembra Carlos Nogueira, inspetor de segurança da obra. Com a chegada dos operários e a imensa transformação que o lugar passou, ela sumiu por um tempo. Mas quando o funcionário iniciou no emprego, em 11 de maio de 2011, o animal havia deixado pra trás a vida de cachorro errante e estava de volta. Por causa da magreza, alguns operários a apelidaram de Costelinha, mas o nome logo caiu no esquecimento.

A SRD ganhou o coração de Carlos porque acompanhava o inspetor de segurança nas rondas feitas pelo canteiro de obras. Passou a ser tratada como animal doméstico. “Esta cachorra é a mascote da gente”. Logo Costelinha também conquistou um dos principais funcionários da Odebrecht, empreiteira que constrói o Itaquerão. A partir daí passou a ser cercada de mordomias.

Ganhou ração premium, visitas periódicas de uma veterinária, uma coleira e uma cama, que foi colocada dentro do contêiner onde Carlos fica. Com o tratamento VIP, logo aumentou o peso e o nome parou de fazer sentido. Ela foi rebatizada de Coringa.

O inspetor de segurança diz que o diretor da Odebrecht negociou a construção de um espaço para a cadelinha permanecer no Itaquerão depois que o estádio estiver pronto. “A gente vai sair e tava combinado de eu levar ela (sic) para casa. Mas conversaram e ela vai ter o canto dela aqui”, revela.

Claro que Carlos vai sentir falta de dividir o tempo com a cachorrinha, como nos banhos que a SRD ganhava aos domingos de verão para aliviar o calor. Em seguida, ele emenda com tom de reprovação e como se não tivesse culpa alguma: “Essa cachorra é mimada pra caramba”.

Se Coringa é a rainha do pedaço, Sorriso pode ser considerado o rei. Carlos explica que ele foi batizado assim porque falta um canino. A permanência dele é bem mais recente, chegou há meio ano. Como encontrou comida e proteção, foi ficando. O cachorro já tinha seus protetores, mas deixou de ser apenas mais um quando foi atacado por um pit bull há cerca de um mês.

Os operários acharam que ele ia morrer porque o machucado próximo às pernas traseiras estava exposto e inflamado. Foi a hora de Eduardo de Paula entrar em cena.

Ele é enfermeiro contratado para a obra e tem muito apego a animais. Vendo Sorriso ferido, perguntou para o médico o que poderia fazer. Comprou anti-inflamatórios indicados e aplicou por via oral e injeção. Gastou R$ 100, mas nem liga. “Vai sarar”, fala com um sorriso no rosto.

Mas as providências do enfermeiro deixaram o cachorro com um pé atrás em relação a ele. Carlos menciona que a primeira reação de Sorriso é medo de tomar mais uma injeção. Vendo as mãos vazias se entrega as brincadeiras e cafunés de Eduardo.

Coringa e Sorriso são a dupla de escolhidos do Itaquerão, mas o que não falta no entorno do estádio são cachorros. Afastado e com pouco movimento de carros, o local serve para muita gente abandonar animais domésticos. Perto da entrada de operários há tigelas com ração e potes de água. Também é possível ver quentinhas de isopor na boca de cachorros.

Carlos declara que a maioria dos abandonados são SRDs, mas já teve poodle, dog alemão, fila, pit bull e labrador. No começo a Prefeitura recolhia os animais, agora não aparece, e a solução é tentar doações. O casal de filas, que pelo tamanho tinham mais facilidade que os demais para virar lixeiras e roubar o restante das quentinhas, foi para uma loja de autopeças da Zona Leste.

Coringa tem lugar garantido, Sorriso deve terminar bem. O que será dos outros, não se sabe.

Fonte: Uol Copa – foto: internet

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Abril de 2014

Cão é pendurado em árvore e morto a pauladas

Noticias do Dia Destaque

Talvez inspirado pela tradição da malhação de Judas, um rapaz do bairro Icaraí, em Araquari, resolveu fazer algo semelhante com um cachorro na madrugada de sábado (19). De acordo o comandante dos bombeiros da cidade, Cláudio Renato de Lima, que recebeu a denúncia de um morador, o animal foi amarrado em uma árvore e morto a pauladas pelo jovem.

O crime foi registrado em vídeo e fotos feitas pelo vizinho. Com o material, Lima  registrou um BO (Boletim de Ocorrência) ainda no sábado contra o agressor, que pode responder criminalmente por maus-tratos a animais. “Isso é de uma crueldade sem tamanho”, comentou o comandante, lembrando que o rapaz já se envolveu em ocorrência policial por ter desferido facadas contra o pai.

Com a divulgação do crime, Lima também vai aguardar pela sensibilidade da Justiça no julgamento do caso para que o agressor seja exemplarmente punido. A pena por maus-tratos a animais, prevista no artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais, prevê período de reclusão que pode variar de três meses a um ano.

Fonte & foto : Notícias do Dia

NOTA DO BLOG: esse projeto de marginal tem que ser punido e não ter a pena revertida em cestas básicas ou serviços comunitários.

Lugar de marginal é na cadeia.

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Abril de 2014

Resgate de Dentinho completa um ano

Júlio Jacobina Destaque

Este mês faz  um ano do resgate do cachorro Dentinho, um poodle que foi encontrado bastante debilitado no Recife. A história de superação do cãozinho originou a criação da Fundação Dentinho, que apoia apoio animais com necessidades especiais. Na época, ele foi resgatado bastante magro, sem pelos, cego e precisou passar por uma cirurgia para retirada dos dois olhos e de 11 dentes.

Pelos redes sociais a jornalista e defensora dos direitos animais Goretti Queiroz alertou sobre o caso e conseguiu uma grande mobilização que ajudou no tratamento do poodle e posteriormente, no dia 30 de abril, ele foi adotado pela professora Verônica Wogeley. “Soube do caso pelo Facebook e imediatamente quis adotá-lo”, contou a professora. “Eram centenas de pessoas de muitos lugares do país interessadas na adoção do Dentinho, mas por ser a única do Estado ela teve a preferência”, lembra Goretti. “Hoje, Dentinho está ótimo, é muito mimado aqui em casa”, diz Verônica.

Por nunca terem encontrado os responsáveis pela agressão a Dentinho, não se sabe a idade certa dele, mas o veterinários estimam que seja em torno de oito anos”. Comemoro o aniversário dele no dia da sua adoção, dia 30″, diz a sua nova tutora.

A próxima meta da Fundação Dentinho é a campanha de esterilização em massa, onde o tutor poderá cadastrar seu animal previamente e no dia determinado os animais serão castrados. “Nossa meta é esterilizar cerca de 50 a 60 animais, tudo de graça”, diz Goretti. O objetivo final é interiorizar a ação.

Na Fundação, a prioridade são os animais debilitados. “Atuamos como apoio a animais especiais com problemas de visão e locomoção, como o nosso Dentinho, e, eventualmente outros animais em risco quando podemos ajudar e colaborar com a situação. Também temos uma rede de veterinários parceiros nas áreas clinica, ortopedia, fisioterapia, acupuntura, oftálmica, dermatológica e castração, de forma gratuita”, disse a Presidente da Fundação.

A página e o grupo do SOS Dentinho nas redes sociais possuem membros de todo o país e possibilitam uma rede de solidariedade, onde os internautas ajudam a resolver os problemas dos animais. No facebook, a página tem mais de 5.500 membros. “Os casos expostos são vistos por mais de oito mil pessoas que tentam colaborar da melhor forma possível, com o resgate, com o transporte do animal, com lar temporário e até adoção. Quando iniciamos a campanha para algum animal, iniciamos o tratamento e depois todas as contas e notas são postadas no grupo para prestação de conta”, explica Goretti.

A Fundação Dentinho ainda não tem uma estrutura física: toda operacionalização é online e por telefone, mas, com o apoio de doações, o grupo pretende futuramente abrir sua sede. O apoio financeiro pode ser dado através de doações ou da compra de objetos que simbolizam o objetivo da causa, como camisetas comemorativas do evento de um ano, que podem ser adquiridas por R$ 40 no site http://dogmidia.com.br/ajude-doe/. As doações podem ser feitas para a conta: Banco do Brasil agencia 0721-8 CC 13.826-6 cpf – 232.729.964-00.

Fonte: Diário de Pernambuco Foto: Júlio Jacobina/DP/D.A Press/Arquivo

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Abril de 2014

Porcos são torturados antes de virarem carne

internet Destaque

Apesar de investigações em fazendas de porcos por numerosos grupos de proteção animal revelarem as mesmas crueldades indizíveis, ano após ano, o impassível fetiche por bacon continua, em grande parte porque as pessoas são capazes de convencer a si mesmas de que estes foram apenas casos isolados de maus-tratos; uma exceção, não uma regra.

Apesar de existirem fazendas onde os porcos não são maliciosamente espancados, atirados e queimados, a verdade é que praticamente todo bacon (e bisteca, e presunto…) vem de um porco submetido a mutilações excruciantes sem qualquer anestesia ou analgésico. Esses procedimentos de tortura são todos legais e rotineiros, parte das práticas padrões conhecidas como “processamento” de leitões, que se iniciam poucos dias após o seu nascimento. Estes abusos são frequentemente infligidos nas pequenas, e assim chamadas “fazendas humanitárias”.

A maioria dos porcos têm seus rabos cortados sem anestesia

Embora porcos sejam alguns dos animais mais inteligentes e inquisitivos do planeta, mais de 97% desses animais nos Estados Unidos são criados em fazendas industriais do tipo armazém. Amontoados em galpões cheios de estrume e aos milhares, e incapazes de realizar os mais básicos comportamentos essenciais para o seu bem-estar, porcos sofrem de depressão e ansiedade e exibem comportamentos de estresse estereotipados, incluindo morder as caudas dos companheiros de confinamento. A fim de prevenir esse comportamento (o qual resultaria em infecção, e subsequente prejuízo), fazendeiros cortam metade ou mais dos rabos dos filhotes sem qualquer anestesia ou analgésico.

A maioria dos animais têm seus dentes quebrados com alicates

Porcos recém-nascidos têm oito dentes afiados, que arranham as mamas das suas mães, bem como outros filhotes. Enquanto que esses dentes têm um importante propósito na natureza, feridas causadas por eles podem às vezes levar a infecções ou outros danos que resultam em prejuízos aos fazendeiros. Porcos criados em fazendas industriais, assim como em muitas fazendas pequenas, têm seus dentes quebrados ao meio, ou mesmo na altura das gengivas, com alicates, procedimento que pode ser visto em vídeo no ANDA.

Entalhe de orelha é o método mais comum de identificação de porcos. Com uma ferramenta denominada “V-notcher” (semelhante a um furador), triângulos de carne são cortados das orelhas dos filhotes como se fossem pedaços de papel, ao invés de apêndices sensíveis cheios de nervos e vasos sanguíneos. Os entalhes na orelha direita representam o número da ninhada, e os da orelha esquerda o número de cada indivíduo. Sob esse sistema, cada porquinho de uma mesma ninhada tem o mesmo número de entalhes na orelha direita, e diferentes números de entalhes na orelha esquerda. Eles chegam a ter até cinco entalhes cortados numa só orelha.

Quase todos os porcos machos dos Estados Unidos são castrados afim de evitar o “odor sexual”, um cheiro forte e indesejado presente na carne dos machos não castrados (O odor sexual é proibido pela regulamentação alimentícia de muitos países). Quase todos são castrados sem anestesia, ou sequer um analgésico, uma vez que essas medidas aumentariam os custos. Normalmente um bisturi é utilizado para fazer uma incisão acima de cada testículo, que então são espremidos e arrancados, ou cortados no cordão espermático.

Os porcos são submetidos a mutilações brutais. Particularmente cruel é a prática de anéis nasais. Porcos são animais altamente curiosos, e em ambiente natural irão passar quase metade do seu tempo ativo explorando as redondezas. Seu comportamento exploratório instintivo preferido é fuçar o solo, uma habilidade considerada básica para o bem estar de todos os porcos. Entretanto, muitos dos pequenos fazendeiros se queixam que este hábito destrói o pasto (no caso de animais criados soltos). Para impedir este comportamento, fazendeiros frequentemente inserem argolas de arame ou metal nos focinhos dos porcos, tornando o hábito de fuçar extremamente doloroso. Cientistas já confirmaram que o focinho de um porco em formato de disco têm tantos sensores receptivos como a palma de uma mão humana. Além de causar tremenda dor física, anéis nasais são fonte de grande frustração emocional para os porcos, na medida em que impedem um de seus instintos mais naturais. O angustiante vídeo acima mostra o que seria considerado um “método humanitário” de aplicação desses anéis, enquanto que este vídeo mostra um método ainda mais cruel, praticado em algumas fazendas familiares.

Porcos de fazendas pequenas, criações ao ar livre, e muitos outros rótulos humanitários também são submetidos a entalhe de orelha e castração sem anestesia. Mesmo o mais rigoroso selo de certificação de bem-estar animal dos Estados Unidos (Animal Welfare Approved) permite a castração e o entalhe de orelhas sem nenhuma anestesia. No vídeo abaixo, a fazenda Karma Glos, de Kingbird, certificada com este selo, demonstra seu método “puxar e rasgar” de castração de filhotes, sem nenhuma anestesia.

 A razão principal pela qual o abuso e tortura de animais na pecuária acontecem, não é porque fazendas industriais sejam corruptas, nem porque grandes indústrias sejam gananciosas, ou tampouco porque empregados de fazendas sejam dessensibilizados e sádicos, embora todos esses fatores existam. Mas a razão mais importante por trás do abuso e tortura desses animais é que os consumidores, incluindo aqueles que só compram produtos animais “certificados”, estão enviando a mensagem de que explorar, maltratar e matar animais por prazer – por carne e secreções as quais nós não temos necessidade biológica de consumir – é moralmente aceitável. Você não pode pagar para que pessoas inflijam violência desnecessária aos animais, e depois dizer que os mesmos animais não deveriam sofrer violência desnecessária. Trata-se de uma posição moralmente inconsistente, e, portanto, desprezível.

Veja os vídeos no site da ANDA ( WWW.anda.jor.br )

Fonte: O Holocausto Animal  (Foto – divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Abril de 2014

Cão tenta salvar égua e emociona cidade em SC

Robson Anadon Destaque

Uma cena de luta pela vida e compaixão entre os animais comoveu um morador de Lages, na Serra Catarinense. Funcionário da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) há 10 anos, ele está acostumado a ver animais de várias espécies diferentes todos os dias. Mas o que ele presenciou essa semana ficará para sempre em sua memória.

Robson Anadon, 40, é auxiliar administrativo da estatal. Da janela da sala onde trabalha, no alto do Bairro Morro do Posto, tem uma vista privilegiada da cidade, com a imponente Catedral ao fundo, e quase que diariamente se encanta com as belas imagens do dia a dia lageano. Só que a mais recente cena que chamou a atenção de Anadon pela mesma janela foi bem diferente de tudo o que ele já viu na vida.

Era manhã de terça-feira quando ele chegou ao trabalho e logo avistou uma égua caída num canto do terreno ao lado, pertencente ao Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Barbicacho Colorado, um dos mais importantes do Estado.

Anadon percebeu que a égua estava bastante debilitada e sequer conseguia se levantar. Isso já seria o suficiente para comovê-lo, até ver que, ao lado da égua, um pequeno cão fazia de tudo para ajudar o equino. Obviamente, o cachorrinho não obteve sucesso, mas Anadon se emociona ao lembrar da luta do pequeno canino para tentar salvar a vida da égua.

“Ele mexia na égua como se estivesse tentando levantá-la. E como viu que não ia conseguir, deitou-se ao lado dela e não saiu em nenhum momento”.

Aflito com a luta da égua pela vida e o desespero do cãozinho, Anadon pulou a cerca que divide os terrenos da Epagri e do CTG e tentou, sozinho, levantar a égua, mas a manobra também foi em vão.

“Por duas vezes ela tentou se erguer quando eu estava abraçado ao pescoço dela. Tentei ajudar empurrando pelas costas e apoiando nas minhas pernas, mas não deu”.

O veterinário Vilmar Francisco Zardo, chefe da Estação Experimental da Epagri, ofereceu ajuda a um funcionário do CTG, mas a égua já estava sendo atendida por outro profissional da área.

O responsável pelo setor campeiro do Barbicacho Colorado, Jedson Delfes de Moraes, explica que a égua sofria de tétano e por isso mal conseguia se mexer. Um veterinário do CTG prestou todo o atendimento necessário e possível para salvar o animal, que sequer podia ser retirado do local onde estava deitado devido à fragilidade do seu corpo com mais de 500 quilos.

E enquanto a ciência não conseguia salvar o equino, da raça quarto-de-milha, o cachorrinho herói tentava fazer a sua parte, tanto que permaneceu ao lado da égua entre a manhã de terça e a tarde de quarta-feira, quando ela já não havia resistido à doença que deu fim à sua vida.

Desconhecido e despercebido, cãozinho herói provavelmente vive na rua

Com a retirada do corpo da égua para ser incinerado, o cachorrinho foi embora e não mais apareceu. Ninguém soube dizer de onde veio e para aonde foi, pois nunca tinha sido visto – ou pelo menos notado – por ali.

O morador circulou pela região, conversou com algumas pessoas, mas também não obteve nenhuma pista. Provavelmente seja um cão abandonado, sem um lar, alimentação decente e carinho. Mas de uma coisa, Robson Anadon, principal testemunha dessa história, tem certeza.

“Eu comecei a conversar com a égua e uma lágrima escorreu pelo olho dela, como se estivesse pedindo ajuda. Foi triste. Gosto muito de animais, e pelo menos eu a confortei da maneira que pude. Mas o verdadeiro herói foi o cachorrinho, que lutou pela vida da égua e não a abandonou até o fim”.

Fonte: Diário Catarinense( foto: Robson Anadon )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Abril de 2014

Coelhos são explorados na Páscoa

internet Destaque

Durante o feriado da Páscoa coelhos são explorados como mercadorias. Pais presenteiam seus filhos com os animais, como se fossem bichos de pelúcia, e depois, quando começam a demandar atenção e responsabilidade de seus tutores, os coelhos morrem por falta de cuidados ou acabam abandonados nas ruas.

Segundo o site Veggie e Tal, uma pesquisa realizada com alunos de uma Escola Municipal de São Paulo antes da Páscoa de 2007 apontou que de cada 100 crianças, 30 haviam sido presenteadas com coelhos na Páscoa de 2006. Desses, 20% relataram que “o coelho fugiu”,  50% disseram que o coelho ficou com diarréia e morreu (devido à alimentação inadequada) e 30% contaram que o roedor cresceu muito e o pai disse que “levou para um sítio” ou “deu para um amigo”. Apenas um estudante levou o animal ao veterinário quando ele ficou doente, mas não conseguiu salvá-lo.

Um exemplo deste tipo de exploração comercial é o Kit Páscoa vendido no Pet Center Marginal, na cidade de São Paulo, conforme divulgado na página O Grito do Bicho. O “pacote” inclui um mini coelho e uma gaiola, entre outras coisas. Devido a reclamações de protetores de animais, o pet shop divulgou uma nota de esclarecimento afirmando que “o kit de Páscoa surgiu visando o bem-estar do próprio animal”, e  ”a venda de coelhos cresce consideravelmente nesta época do ano, entretanto muitas pessoas compram somente o animal desconsiderando as necessidades básicas e ideais para sua vida”. A loja acredita que passar a vida dentro de uma gaiola é ideal para um coelho.

Mas isso não acontece somente no Brasil. Uma reportagem do site The Dodo apontou que nos últimos dois anos, a quantidade de coelhos comprados como animais domésticos e abandonados em seguida, deixados para morrer nos parques e jardins da cidade de Nova York, cresceu dramaticamente. O Departamento de Controle Animal da cidade recolheu 380 coelhos no ano passado – número superior ao de 2012, que foi de 341, e de 2011, quando foram recolhidos 283. Esses números não incluem as dezenas de coelhos em situação de rua salvos por voluntários.

A exploração desses roedores reforça a ideia de que animais podem ser considerados objetos de consumo e, assim, desde crianças, as pessoas aprendem que as vidas de outras espécies podem ser reduzidas a meras mercadorias.

Fonte: anda.jor.br Por Stephanie Lourenço (da Redação) 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
17 de Abril de 2014

Marca VANS lança coleção em prol dos animais

divulgação Destaque

Após lançar coleção-cápsula com a ONG Della, a Vans realiza nova parceria com a ASPCA (Associação Americana de Prevenção à Crueldade com os Animais). A coleção traz tênis, com solado vulcanizado e cano baixo, mochilas, bonés com abas retas, e T-shirt com cães e gatos estampados. Na cartela de cores, branco e preto ganham destaque. A verba arrecadada com a venda das peças será destinada para a associação. A coleção já está disponível no e-commerce da marca.

Fonte: Portal Use Fashion ( foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
16 de Abril de 2014

Senador na mira dos ativistas dos direitos dos animais

internet Destaque

Por Laura Petraglia 

Relator do novo Código Penal, o senador mato-grossense e pré-candidato ao governo do Estado, Pedro Taques (PDT), virou alvo de ativistas da causa animal por conta da diminuição das penas para quem maltratar os animais, bem como a descriminalização de alguns atos cometidos contra os bichos. A polêmica toda é que no substitutivo do senador, as penas são mais baixas do que no projeto formulado por juristas de revisão do novo Código. Neste Sábado (12), Organizações Não Governamentais se reúnem em Cuiabá para uma manifestação contra essa baixa nas penas.

A Marcha da Defesa Animal acontece na Praça Alencastro, a partir das 16 horas. Segundo a Organização para Proteção Ao Meio Ambiente E Aos Animais (OPAA) que é quem organiza o manifesto, a Lei atual prevê para Maus Tratos a animais, por exemplo, de três meses a um ano de detenção. O projeto formulado por juristas para o Congresso Nacional do Novo Código Penal reformulava lei aumentando a pena para este crime de entre um a quatro anos de prisão. Porém, no substitutivo de Taques, as penas foram baixadas para 6 meses a 3 três anos de prisão para quem maltratar animais.

No caso das rinhas, que a legislação atual nem prevê punição, o lei enviada pelos para constar do Novo Código previa punição de dois a seis anos. No caso de haver morte dos animais a pena seria dobrada. Esta também será diminuída segundo os ativistas.

O abandono de animais, que atualmente não consta do código penal e que na reformulação estava prevista a pena de 1 a 4 anos, pelo substitutivo de Taques, seria descriminalizado.

“Nós mato-grossenses temos o dever de cobrar do nosso senador o que muitos espalhados pelo País já estão clamando. Podemos juntos chamar atenção para que o senador nos ouça. Como irmãos da mesma Terra ele precisa nos ouvir e não fazer uma barbárie dessas”, diz o post da Ong que convida a população em geral para o ato.

Em uma nota a assessoria de Taques afirma que com relação às penas para crimes cometidos contra animais, o relatório do novo Código Penal Brasileiro traz avanços se comparado à legislação atual.

“Acontece que o anteprojeto, elaborado por juristas, previa pena de maus-tratos a animais superior à pena do crime de infanticídio, por exemplo. Como relator, o senador Pedro Taques teve de adaptar o texto levando em conta os princípios de razoabilidade e de proporcionalidade das penas. Mesmo assim, em seu substitutivo, as penas para crimes como matar animal silvestre ou para maus-tratos contra animais foram aumentadas em mais que o dobro das penas atuais”, consta da nota.

De acordo com Taques, a matéria é basicamente regulamentada pela Lei 9.605/1998 que, para o senador, se demonstra insuficiente para a efetiva proteção que a questão exige. Se compararmos com a legislação em vigor, o projeto aumenta as penas para: maus tratos, experiência dolorosa ou cruel de morte, rinhas, caça a animais silvestres e destruição de ninhos, e exportação de produtos da fauna silvestre.

“Apesar das críticas pesadas por parte de membros algumas organizações, o senador manteve diálogo e, inclusive, mudou o texto de seu relatório. Em relação ao crime de maus tratos, por exemplo, a pena atual é de três meses a um ano. Em seu relatório preliminar, ele havia proposto uma pena de seis meses a três anos. Em razão dos argumentos apresentados pelos movimentos sociais e nas emendas dos senadores, a pena foi aumentada para de um a três anos de prisão”.

Em fevereiro deste ano Pedro Taques entregou o relatório-final do colegiado responsável pela redação do projeto do novo Código Penal. Agora o projeto será analisado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

“Ser relator do Novo Código Penal certamente não foi uma tarefa simples devido às divergências em torno de diversos temas. Foram registradas mais de 800 emendas e apensados mais de 140 projetos de lei ao texto projeto. Ao entregar o relatório-final, Pedro Taques admitiu que o projeto não é perfeito, mas que certamente traz avanços, já que o atual código é de 1940 e não estava mais em sintonia com a realidade atual”, finaliza a nota.

Fonte: Olhar Direto ( foto: internet )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
15 de Abril de 2014

Homem esfaqueia cadedla no focinho

Portal Campo Drê Destaque

Na tarde de domingo (13), por volta das 17h20, um homem foi preso pela Polícia Militar de Campo Erê no bairro Vila Feliz depois de esfaquear uma cadela no focinho. No local, o suspeito foi revistado e com ele os policiais encontraram substância similar a maconha, um canivete e uma faca.

Cadela foi ferida a facadas na boca e ficou sob os cuidados do tutor.

O homem foi levado até a delegacia de Polícia Civil sob a acusação de maus-tratos contra animal doméstico e na manhã de segunda-feira (14) o tutor do cão, vizinho do agressor, esteve no local para registrar Boletim de Ocorrência por ameaça.

Fonte: Notícias do Dia ( foto: Portal Campo Erê )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
14 de Abril de 2014

ONG leva 100 cães abandonados para um passeio na praia

divulgação Destaque

A associação “Canitos”, neste fim de semana, levou cerca de 100 cães regatados do abandono para um passeio na praia de Alcochete, Portugal . Os animais, que vivem no canil à espera de serem adotados, tiveram no domingo um tutor temporário, voluntários e passantes que se ofereceram para ajudar na campanha.

Assista ao vídeo (WWW. anda.jor.br )

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte & foto : Sic Notícias

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
14 de Abril de 2014

Visão espiritual no ato de adotar um animal

internet Destaque

Na evolução espiritual em que nos encontramos, vibra em todos nós, homens e mulheres, O AMOR MATERNAL.. Afinal já tivemos muitas experiências corpóreas nos dois gêneros e em reino inferior.. Isso explica o porquê ficamos todos encantados, desejosos de proteger, trazer para o peito e para perto do coração todo e qualquer filhote que encontramos pelo caminho, principalmente quando a fragilidade e o abandono os deixa tão vulneráveis.. A fragilidade, a doçura que vemos neles nos arremete, inconscientemente, a um passado distante junto de nossas proles indefesas, e aí, sentimos o desejo de pegá-los, ampará-los, trazendo-os para o nosso convívio diário.. 
     Porém, muitos, quando envolvidos por essas fortes emoções, se esquecem que os bichinhos logo ficarão adultos, pois o período de infância dos animais é muito curto e bem diferente da dos seres humanos, que tem o maior período infantil de todos animais.. 
     No mundo, não só agora nos tempos modernos, como em todos os tempos, muitas pessoas, levadas por esse sentimento maternal, adotam cachorrinhos, gatinhos e outros filhotes de forma irrefletida, sem nenhum planejamento.. Com isso, assim que os bichanos vão ficando adultos, observando que necessitam de outros cuidados; que os gastos não são poucos; que já não são mais tão graciosos como quando filhotinhos e que alguns inconvenientes são inevitáveis, algumas pessoas, impiedosamente, acabam deixando-os a própria sorte, soltando estas criaturinhas de Deus pelas ruas, fundo de bairros distantes e pobres ou pelas estradas, colocando-os em triste situação de abandono, fome, dor e, até, perigos de morte.. 
     Quando isso acontece, podemos ver neles através dos seus olhinhos, agora, sem brilho, o sentimento de tristeza, angústia, medo que se instalaram em seus corações.. A maioria deles deprime por se sentir abandonado por aqueles que aprenderam a amar e ser fiel.. São traumas que marcarão essas incríveis criaturinhas pelo resto da vida.. Mas tudo que se faz para os outros tem retorno.. A lei de ação e reação é justa, perfeita e imutável.. Aquilo que fazemos para os outros retorna a nós mesmos de alguma forma..
     Não podemos nos esquecer que a partir do momento que adotamos um animalzinho, passamos a ser um verdadeiro “deus” para ele e, a partir daí, a idéia que terão de Deus corre por nossa conta e responsabilidade.. Portanto ao adotar um filhote lembre-se:
     • A partir do momento que você adotou, passará, espiritualmente, ter responsabilidade sobre a criaturinha de Deus que você escolheu.. 
     • Que o bichinho logo ficará adulto; Se você só interessa pela forma infantil e quer que seu animalzinho seja sempre assim, compre um bichinho de pelúcia e deixe os filhinhos de Deus em paz e junto daqueles que já aprenderam a amá-los.. 
     • Que a evolução, bem estar, saúde e cuidados naturais do seu tutelado estarão sob vossa responsabilidade espiritual.. Você será como um anjo da guarda dele e para a vida toda;
     • Tenha cuidado para não humanizá-lo.. Aceite e respeite a sua evolução animal.. A evolução não dá saltos; 
     • Seja o melhor amigo dele, pois, com certeza, ele fará de tudo para ser o seu fiel e melhor amigo.. 
     Há muito ainda a saber sobre os animais, sua natureza, percepções e todo seu universo biológico e sensorial, mas é preciso estudar, ir de encontro dos renomados pesquisadores e estudiosos como Ernesto Bozzano com o livro: Animais tem Alma?? Cairbar Schutel traz no livro Gênese da Alma, extraordinário conteúdo sobre a capacidade sensorial dos animais, relatando passagens como Daniel na cova dos leões, como o comportamento dos animais se apresenta diante de determinada situação.. Assevera Cairbar Schutel ...” A sobrevivência da alma animal está provada, não só com argumentos de irrefutável lógica, como também com fatos que a História registra..” 
     Cairbar Schutel no livro Gênese da Alma faz a seguinte citação: ... Não há quem possa negar a inteligência dos animais, ainda mesmo os muito inferiores, bem como os seus sentimentos afetivos, de piedade, que poderiam servir de exemplo a muitos homens que ostentam sabedoria e grandezas, mas que, na frase evangélica, são semelhantes aos sepulcros branqueados que são belos em sua parte exterior, mas no interior só contém ossos e podridões.. 
     Para encerrar deixamos uma citação do nosso venerando benfeitor Chico Xavier ... "Nós seres humanos, estamos na natureza para auxiliar o progresso dos animais, na mesma proporção que os anjos estão para nos auxiliar.. Portanto quem chuta ou maltrata um animal é alguém que não aprendeu a amar.." 
     Adotar um animalzinho é um ato de amor que se perpetua no universo.. No entanto é preciso que seja responsável e consciente..

ISMAEL BATISTA DA SILVA 

é natural de Guaxupé, Minas Gerais, onde reside atualmente.  

Aposentado, espírita de berço, trabalha como médium e coordenador de cursos doutrinários no Centro Espírita Nova Era - instituição frequentada pela sua família materna,  a começar por sua bisavó – vovó Chiquinha.

 

Residiu por 33 anos na cidade paulista de São José do Rio Pardo, onde dirigiu, por 10 anos, a Sociedade Beneficente Espírita Paulo de Tarso e o Asilo Lar de Jesus. Nessa cidade fundou e construiu a Fundação Espírita Dr. Bezerra de Menezes, entidade que atende inúmeras pessoas nas suas múltiplas necessidades.

 

Foi Presidente e Diretor Doutrinário de USEs – intermunicipal  e regional. Fundou e atualmente preside o IDEG – Instituto de Divulgação Espírita de Guaxupé.

 

É coordenador do renomado Encontro Anual  “Chico Xavier”, também em Guaxupé, um encontro motivacional  que reúne trabalhadores espíritas de dezenas de cidades, conhecidos palestrantes e famosos cantores e cantoras do movimento espírita brasileiro.

 

Trabalha com palestras há cerca de 30 anos e visita cidades de vários estados brasileiros. Seus trabalhos são apreciados por enfocar temas do dia-a-dia com dose de humor e alegria, sem deixar de obedecer à disciplina doutrinária.

 

É autor do livro “Vencendo Dificuldades de Relacionamento”, e como médium assina 2 romances com inspiração do Espírito Otília: “Um Perfume Inesquecível” e “Coração Mineiro – Uma Reencarnação em Busca da Humildade”.

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
14 de Abril de 2014

Agentes encontram rinha de galos em Urucum Alagoas

divulgação Destaque

Agentes do Tático Integrado Grupo de Resgates Especiais (Tigre) e do Setor de Roubo a Banco, da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), estouraram, na noite de sábado (12), uma rinha de galo no povoado Urucum, situado entre os municípios de Messias e Rio Largo. Na ocasião, três pessoas foram presas e duas pistolas, apreendidas.

De acordo com informações da polícia, os agentes flagraram galos com graves ferimentos e um grande número de apostadores. Durante uma revista no local, foram encontradas duas pistolas e três pessoas não identificadas foram detidas e levadas à sede da Deic, no bairro Santa Amélia, para ser autuadas em flagrante e prestar depoimento.

Inicialmente, a polícia recebeu uma informação anônima de que assaltantes de banco investigados há algum tempo estavam no espaço onde funcionava a rinha; porém, os agentes não conseguiram localizá-los.

Crime

A Legislação Brasileira de Proteção ao Meio Ambiente define como crime a promoção da atividade popularmente conhecida como “rinha de galo”. Tal atividade consiste no estímulo de embate entre dois animais, os chamados galos de briga, e é normalmente acompanhada por cidadãos que realizam apostas altas.

Tutor dos animais, o dono do local onde a atividade é realizada, bem como os eventuais apostadores podem pegar de três meses a um ano de prisão. Nenhum cidadão pode alegar o desconhecimento da lei em sua defesa.

Fonte: Programa Cidadania

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
12 de Abril de 2014

Luisa Mell discute com cantor pra defender os animais

divulgação Destaque

Luisa Mell foi entrevistada por Danilo Gentili no ‘The Noite’ exibido na madrugada de sexta-feira (11), no SBT. Protetora dos animais e vegana – tem a filosofia de eliminar o consumo de produtos de origem animal – , a loira esquentou o debate.

Assim que se apresentou e falou sobre seu projeto de adoção de animais, a apresentadora comentou a respeito de seu figurino, assinado pela estilista e também vegana Stella McCartney. “É tudo de origem vegetal”, disse, exibindo um par de botas de couro.

Na sequência, Roger Moreira, vocalista da banda Ultraje à Rigor e integrante do programa, quis saber mais sobre a rotina de Mell. “Shampoo, por exemplo, você não usa?”, questionou. “Uso shampoo, claro, mas sem origem animal”, respondeu ela.

Em seguida, a bela alfinetou: “Eu sou um dos idiotas que você chamou”, disse, fazendo referência a um comentário feito pelo músico no Twitter, após assistir a um especial sobre o assunto. “Está passando um ‘Globo Repórter’ sobre aquele tipo de gente que não come nada que tenha origem animal, o idiota”, publicou ele na ocasião.

Em sua defesa, o cantor falou sobre o direito de se expressar. “Eu também já tive animais. É que dá a ideia de que o cara faz uma observação e, de repente, ele é alguém que mata criancinhas, entendeu? E não é isso”, respondeu.

Fonte: Boa Informação ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Abril de 2014

Câmara quer proibir animais em filmes pornográficos

internet Destaque

Câmara deve votar, nos próximos dias, uma proposta que proíbe e torna crime a exploração sexual de animais em filmes pornográficos. Caso o projeto vire lei, será proibida em todo o país a comercialização, exibição e circulação de filmes com cenas de sexo entre seres humanos e animais.

Quem infringir a norma estará sujeito ao pagamento de multa e a pena de três meses a um ano de prisão, que poderá ser aumentada em até um terço, conforme a gravidade do caso.

Há acordo entre os líderes partidários para acelerar a votação da proposta. A análise do requerimento de urgência, que puxará o texto diretamente das comissões para o plenário, estava entre as prioridades da Casa nesta semana. Mas, assim como outros itens, acabou tendo a votação adiada para a próxima semana.

“Esse projeto é um anseio da sociedade, que não tolera ver animais, que não optam por esse trabalho, serem explorados e violados sexualmente nessas práticas de zoofilia”, defende o autor da proposição (PL 6267/13), deputado Ricardo Izar (PSD-SP), presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Direito Animal e do Conselho de Ética da Casa.

Crise de risos

A inclusão do assunto na pauta da Casa gerou crise de risos entre as lideranças partidárias no momento em que discutiam quais projetos seriam examinados no chamado esforço concentrado. “Quer dizer que pessoas podem fazer pornô, mas animais, não?”, brincou um deles.

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), chegou a perder a fala de tanto rir. “Quando propus a votação do projeto na reunião de líderes, todos riram. Até brinquei: alguém aí gosta? Então, todos aceitaram incluir a proposta na pauta”, contou Izar ao Congresso em Foco.

Crimes ambientais

Pela proposta do deputado, quem utilizar animais em cenas de sexo, comercializar, exibir em local público ou fizer circular filmes pornográficos com animais poderá ter agravada, de um sexto a um terço, da pena prevista atualmente para abusos e maus-tratos a animais, que é de até um ano de prisão, estipulada pela Lei dos Crimes Ambientais (9605/98).

O agravamento é o mesmo estabelecido para os casos que resultam na morte do animal. Caberá às autoridades locais competentes definir o valor da multa a ser aplicada, de acordo com a gravidade do ato lesivo aos animais e o lucro obtido pelos infratores.

Para virar lei, após aprovação na Câmara, a proposta precisa ser referendada pelo Senado e sancionada pela presidenta Dilma Rousseff.

Em outro projeto, Ricardo Izar tenta aumentar a pena para os casos de zoofilia. Não há na lei brasileira a tipificação desse tipo de prática, que pode ser enquadrada na Lei de Crimes Ambientais como abuso ou mau-trato a animal. Pela proposta do deputado (PL 3141/12), que não está pronta para ir a plenário, a punição será aumentada de um sexto a um terço quando houver abuso de natureza sexual.

Fonte: Floripa News ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
10 de Abril de 2014

Feira de adoção na FITS em Maceió Alagoas

internet Destaque

Em uma ação conjunta entre a Faculdade Integrada Tiradentes - Fits e um grupo de protetores de animais de Maceió acontece neste sábado, dia 12/04, uma feira de adoção de cães e gatos. O intuito do evento é promover a adoção de animais resgatados nas ruas, vítimas de maus tratos e abandono. A ação faz parte de uma das bandeiras defendidas pela instituição, a do Meio Ambiente, e objetiva alertar a sociedade para a preservação e respeito à vida animal. A feira de adoção terá início às 11h, se estendendo até às 17h e será realizada nas dependências da instituição de ensino.

 “Estamos abrindo as portas da instituição para uma causa muito nobre, que é a proteção animal, esperamos colaborar oportunizando o encontro de famílias e animais de estimação”, avalia Edriene Teixeira, Coordenadora Administrativa da Fits. Para realizar a adoção os interessados devem ter em mãos documentos como RG, CPF e comprovante de residência. Será ainda realizada uma entrevista com os possíveis adotantes, logo após eles devem assinar um termo de adoção, onde constam seus dados pessoais com endereço e documentos.

“Nosso intuito é dar uma nova chance a esses animais que geralmente tem um histórico de violência e abandono. Temos o cuidado de encontrar famílias amorosas e responsáveis para que nada do que ele passou se repita”, afirma Monique Taciane, protetora de animais. Os animais serão entregues a seus novos donos saudáveis, vermifugados, castrados ou com a castração garantida.

 

Doações

Durante a feira de adoção será possível fazer a doação de ração, medicamentos, material de limpeza, lençóis e toalhas para os animais. Para colaborar com a causa dos protetores independentes de animais, é possível realizar doações em dinheiro e ainda adquirir camisas que estarão disponíveis para venda no local.

 

Proteção Animal

Os protetores de animais realizam um trabalho voluntário com recursos próprios ou através de doações Eles resgatam os animais e levam para consultas e tratamentos em clínicas veterinárias particulares. É um trabalho de formiguinha, que entristece e revolta, pois são muitos casos de violência, mas também reserva muita alegria, quando cães e gatos se recuperam e conseguem superar os traumas após a adoção, onde ganham uma família.

Em Alagoas esse trabalho de proteção animal existe, realizado por profissionais de diversas áreas, mas que tem em comum o amor pelos animais. E para que esse trabalho continue é necessária a ajuda de todos. É possível contribuir de diversas formas: com caronas, remédios, ração, dinheiro, denúncias, lar temporário, adoção, carinho... Informações pelo whatsapp 8815-9099 ou pelo facebook.com/monique.taciane.

 

 

Fonte:  Mylene Leite ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
10 de Abril de 2014

Cão aguarda tutor na porta do Hospital no RS

facebook Destaque

Uma situação inusitada, demonstrando o amor entre o homem e o seu animal, está ocorrendo no Hospital da Cidade de Passo Fundo no Rio Grande do Sul. Há cerca de 10 dias um morador de rua, seu Lauri da Costa, após ser agredido, foi atendido na instituição de Saúde, onde descobriu que teria que fazer uma cirurgia, por conta de um câncer de pele.

Desde o dia em que chegou ao hospital, seu Lauri conta com a companhia do seu fiel companheiro, o cachorro Seco, como é carinhosamente chamado por seu tutor.

Enquanto seu Lauri fica dentro do Hospital da Cidade, os funcionários o alimentam, mas sempre que pode, com autorização e apoio dos médicos, seu Lauri desce até a frente do hospital para ver seu companheiro.

Ou conforme registra em suas próprias palavras, o seu melhor amigo.

Veja vídeo no site da ANDA

Fonte: radio Uirapuru ( foto : facebook )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
09 de Abril de 2014

PM invade casa e resgata cães abandonados

internet Destaque

Oito gatos e um cachorro que estavam há pelo menos seis meses presos dentro de uma casa abandonada em Sobradinho II, no Distrito Federal, foram retirados do local no fim da tarde de terça (9). A ação foi feita em parceria entre a Polícia Ambiental e a Associação Protetora dos Animais (Proanima). Policiais precisaram pular o muro da casa para retirar os bichos.

Durante o tempo em que estiveram presos, os animais foram alimentados por vizinhos. O cão ficava em outro cômodo da casa, separado dos gatos. Moradores ofereciam comida ao animal pela janela quebrada do quarto. Pelas imagens é possível ver que o cachorro vivia em condições precárias, com comida estragada e cercado por materiais de construção acumulados.

Os bichos foram levados para uma clínica veterinária. Alguns precisaram passar a noite tomando soro. De acordo com a associação, havia cinco gatas e três gatos. Durante a retirada, outros dois gatos fugiram, mas a associação ainda espera capturá-los.

"Todos foram levados para uma clínica parceira e estão em avaliação no veterinário. Vão tomar todas as vacinas, vermífugo, tratamento contra pulga para não infestar a clínica e vamos agendar todas as cirurgias para serem castrados", disse.

De acordo com Simone, a dona da casa vai responder a processo judicial por maus-tratos. "Ela foi localizada, mas quem está em contato com ela é só a polícia. Ela aparentemente aparece lá de vez em quando, supostamente esteve lá anteontem e jogou uma pilha de imundice para o lado de fora", disse.

A protetora disse que, em todos os anos atuando como protetora de animais, nunca viu situação tão desagradável. "O chão é completamente coberto de fezes e restos de comida, o cheiro é insuportável, e os animais naquele ambiente, que é insalubre até para pessoa que está passando do lado. Fiquei sentindo o cheiro até tarde da noite", disse.

A retirada dos animais só ocorreu depois que a Polícia Civil expediu o mandado autorizando a entrada da Polícia Ambiental. "Se há risco de morte iminente, existe a possibilidade jurídica de entrar em domicílio", afirmou.

A associação disse que vai fazer uma triagem entre os candidatos à adoção, para se certificar que um futuro adotante não abandone os bichos ou seja também um "colecionador de animais", como a dona da casa abandonada. De acordo com a diretora, os novos donos deverão se responsabilizar pelos bichos perante à Justiça, já que a dona da casa será processada.

"Tem que fazer o lado de maus-tratos. Não é só arrombar, levar os animais e sumir", disse. "Cada vez que tem audiência, é preciso apresentar como está o animal, porque muitas vezes ele é objeto de disputa, então o adotante tem que saber isso. Sempre aparecem centenas de pessoas querendo ficar, mas muita gente dá para trás."

Fonte: globo.com ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
09 de Abril de 2014

Vereadora Ana Rita socorre animais queimados na Bahia

divulgação Destaque

Um incêndio, ocorrido na madrugada de domingo (6), matou seis cães, entre eles uma cadela com filhotes, além de queimar gravemente outros três e um galo, em uma empresa de reciclagem no bairro de Campinas de Pirajá, em Salvador. Os animais eram mantidos presos em uma área alugada pelo badameiro José Antonio da Silva, que trabalha com reciclagem de lixo.

Moradores de um conjunto próximo à empresa ouviram os gritos dos animais e foram ao local para tentar apagar o fogo, que só foi debelado com a chegada do Corpo de Bombeiros. Eles também acionaram a ativista e vereadora Ana Rita Tavares (Pros) para socorrer os animais que sobreviveram à tragédia.

Os animais foram levados pela vereadora Ana Rita a uma clínica em Lauro de Freitas para tratamento. Ela destaca que o dono da empresa, Carlos Ferreira, e o reciclador serão processados criminalmente pelo crime de maus-tratos a animais. “Isso é só uma amostra do que acontece dentro de estabelecimentos privados, que usam os animais como seguranças, sem dar o mínimo de dignidade a eles”, afirma.

O cenário era de horror: corpos de animais carbonizados e outros apresentando queimaduras de terceiro grau. “Fiquei indignada com a forma que os animais eram mantidos. Isso só aconteceu com eles por conta do descaso do dono do imóvel, que os usava para tomar conta do seu negócio”, denuncia Lourdes Santos, moradora do local.

De acordo com outro morador que não quis se identificar, o incêndio foi criminoso. O badameiro não pagou o aluguel e estava sendo pressionado a sairdo local. “O maior interessado na saída do catador é o dono da empresa, que já tinha lhe dado voz de despejo”, acusa.

Fonte: Câmara Municipal de Salvador ( foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
08 de Abril de 2014

AOBAL realiza a XVII exposição de orquídeas em Alagoas

internet Destaque

Nesta sexta-feira (11) mais uma Exposição de Orquídeas e Bromélias (Expoaobal) na sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) em Alagoas. Essa já é a 17ª edição da organizada pela Associação dos Orquidófilos e Bromeliófilos de Alagoas (AOBAL) em parceria com o órgão ambiental.

A Expoaobal acontece duas vezes ao ano, entre os meses de abril e outubro, e conta com a exposição das plantas ornamentais criadas pelos associados da AOBAL e vendagens de algumas espécies por outros orquidários.

Nesta edição, a Expoaobal conta com aproximadamente 500 orquídeas de 50 diferentes espécies e outras plantas de cruzamento nacional e internacional.

“A exposição vai ficar aqui até o domingo e funcionada das 9 às 19 horas. Todo mundo que quiser conhecer o nosso trabalho, é só vir aqui. O Ibama e a AOBAL está de portas abertas”, disse a associada Quitéria Tavares.

Segundo Quitéria, durante os três dias de exposições, 11, 12 e 13, a AOBAL vai promover palestras aberta ao público, sempre às 15 horas. E para quem deseja comprar uma planta, a Exposição conta com uma área destina a comercialização das plantas.

“As [orquídeas] dos associados são apenas para a exposição. Mas ali, a dos orquidários, pequenos empresários, estão sendo comercializadas”, disse Quitéria.
Ainda de acordo com a associada, o IBAMA/AL é um grande parceiro dos orquidófilos e bromeliófilos de Alagoas, sempre abrindo espaço e empenha sua marca ao evento.

 “O Ibama é um grande parceiro nosso. Nós reunimos sempre aqui na sede nos primeiros sábados dos meses”, disse Quitéria.

Para se associar a AOBAL, Quitéria deixou claro que basta a pessoa freqüentar, sem compromisso a três reuniões da Associação e se quiser permanecer, tem que arcar com uma mensalidade de apenas R$ 10.

Fonte: Quitéria Tavares ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
08 de Abril de 2014

Lei municipal proibe vaquejadas e rodeios em Fortaleza

internet Destaque

Alguns são fofos, outros dão medo. A relação do homem com os animais é antiga, tanto no afeto, quanto nos maus-tratos. É tentando evitar o sofrimento dos bichos que a Câmara Municipal de Fortaleza aprovou uma lei que proíbe a realização e divulgação de eventos que exponham os animais a maus-tratos, crueldade ou sacrifícios.

A lei compreende somente a capital cearense. A decisão ainda dá ênfase em vaquejadas e rodeios, entendendo que eles são exemplos claros que devem ser evitados. O problema é que a norma do município vai contra a determinação estadual, publicada no Diário Oficial do Estado em janeiro de 2013, que regulamenta a vaquejada como prática desportiva e cultural do Ceará.

“Eu acho ótimo a proibição principalmente da divulgação. Agora é assim, se sancionarem a lei pode ter um conflito com a lei estadual, já que a do estado é que prevalece. Apesar de ser uma iniciativa muito boa, é preciso que a norma em geral chegue até o STF [Supremo Tribunal Federal] para ter resultado”, analisou Geuza Leitão, advogada e ambientalista.

Além disso, outro fator que põe a lei em dúvida é o de não haver vaquejadas e rodeios em Fortaleza, o que não exclui o acontecimento de maus-tratos a animais na capital. “Aqui realmente não tem parque de vaquejada, é mais no interior”.

Lei estadual

A Assembleia Legislativa do Estado do Ceará regulamentou a vaquejada no início de 2013. O responsável pela determinação foi o deputado Wellington Landim (Pros). A norma prevê que as competições devem ser realizadas em espaços físicos com dimensões e formatos que propiciem segurança a todos os envolvidos no evento. A lei cearense é a primeira a tratar da regulamentação das vaquejadas.

Fonte: Tribuna do Ceará


 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
07 de Abril de 2014

Fotógrafa alagoana faz álbuns de cães e gatos

Liu Wanderley Destaque

Um trabalho que requer muita técnica, amor aos animais certa dose de paciência. Estes são fatores primordiais para poder produzir fotos de animais domésticos. Em Alagoas há dezenas de fotógrafos especializados em diversas temáticas, mas somente uma se destaca em captar imagens de cães e gatos com sensibilidade e desenvoltura.

A estudante de medicina veterinária Liu Wanderley, 32 anos, que largou o curso de direito por ser apaixonada pelos animais decidiu fotografar profissionalmente há quase um ano, mas sempre gostou de registrar imagens de suas cadelas.

Segundo Liu Wanderley, a fotografia sempre foi sua paixão, daí resolveu investir na profissão. “Tudo começou a partir de uma foto que tirei com a minha cadelinha. Ela foi tirada há mais ou menos uma quatro ou cinco anos, por mim, depois disso não consegui mais parar de fotografar animais”, disse Wanderley.

Liu Wanderley revelou que a captação das imagens não é nada fácil, pois requer muita paciência, amor aos animais e muita técnica. “Não são pessoas para nos fazerem o que queremos. Tenho que esperar o tempo do animal e criar uma relação com ele. Eu nunca chego lá e apenas bato a foto, sempre interajo primeiro com o animal”.

Ela relatou ainda que a segurança do animal está em primeiro lugar e ele não pode correr risco nenhum. “O animal é como uma criança que age por impulso podendo assim se machucar, correr para rua, fugir. Então, peço aos tutores que estejam sempre atentos aos seus animais”, explicou.

A fotógrafa alagoana revelou que familiares e amigos são grandes incentivadores, e isso colabora bastante para que possa se aperfeiçoar no que escolheu como profissão. “Meu esposo, minha mãe e uma amiga-irmã chamada Daniella Cortez são meus maiores e melhores incentivadores, e estão sempre do meu lado”, finalizou.

Fonte: Correio de Alagoas ( foto: Liu Wanderley )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
07 de Abril de 2014

Feira de adoção de cães e gatos no Neafa

internet Destaque

O Núcleo de Educação Ambiental Francisco de Assis (NEAFA) vai promover no próximo sábado (12), das 9h às 16h, uma Feira de Adoção de Cães e Gatos, em sua sede que fica na Rua dos Bandeirantes, 504, Farol. 

Diversos cães e gatos filhotes, adolescentes e adultos serão colocados para adoção na ONG. Vários destes animais esperam por uma nova família há anos, mas infelizmente ainda não tiveram uma nova oportunidade. 

Os animais adotados através do NEAFA sairão vermifugados, vacinados e castrados. No caso dos filhotes, a cirurgia ficará agendada para quando estiver na idade ideal e o novo tutor não terá ônus com o procedimento. 

Na oportunidade, será disponibilizado um stand onde os cães e gatos que já têm seus tutores serão microchipados. A microchipagem permite que o dono do animal saiba exatamente a sua localização, além de armazenar dados como nome e contato do tutor do animal, vacinação e dados comportamentais. O valor promocional para inserção do chip é de R$20. 

A diretoria da ONG ressalta que a adoção deve ser feita de forma responsável. Camisas e adesivos serão vendidos e o dinheiro será revertido para a aquisição de ração e medicamentos. 

Aos interessados em adotar, se faz necessário que sejam maiores de idade, traga RG e comprovante de residência.

 Deisy Nascimento

Ascom – NEAFA ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
07 de Abril de 2014

Jovem mata a mãe e o cachorro da casa

internet Destaque

Uma jovem de 22 anos foi presa em flagrante depois de matar a própria mãe na noite de domingo (6), no Jardim Vitória, em Bauru (SP). Segundo o boletim de ocorrência, a suspeita foi até uma base da Polícia Militar (PM) dizendo que havia matado a mãe e o cachorro doméstico esfaqueados.

Ela ainda teria dito, segundo os policiais, que estava “possuída” e que tinham mandado cometer o crime. A jovem mostrou a faca que guardava na cintura, suja de sangue. Os policiais foram até a casa dela, onde a jovem mostrou onde estava o corpo da mãe, de 54 anos, e o cachorro da casa. Havia sangue espalhado pela residência.

Na casa ainda moravam mais três irmãos mais velhos da jovem, que não estavam no local. Foi dada voz de prisão a suspeita, que foi presa em flagrante e será indiciada por homicídio doloso qualificado.

Fonte: G1 ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
06 de Abril de 2014

Cão provoca acidente e é adotado pelo motorista

divulgação Destaque

Um carro caiu na manhã deste domingo (6) no canal da Rua Hamilton Silva, no bairro Beirol, Zona Sul de Macapá. Segundo o proprietário do veículo, que não quis se identificar, o acidente aconteceu após tentar desviar de um filhote de cachorro que passava pela via. Mesmo sendo a causa do ocorrido, o cão foi adotado na hora pelo motorista do carro. O nome ainda vai ser definido.

“Eu dobrei na curva, quando vi o cachorro. Desviei dele para não atropelar e perdi a direção do carro. Ele é um SRD fofinho e parece não ter tutor, então decidi adotá-lo mesmo tendo causado o acidente”, relatou o motorista.

Metade do carro ficou submersa no canal. Três pessoas estavam no veículo, mas nenhuma ficou ferida. Apesar de o cachorro ter levado a culpa pelo acidente, o proprietário do veículo alertou que a falta de placas de sinalização também é um dos motivos para a ocorrência de acidentes nos canais da capital.

Fonte: G1( foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
06 de Abril de 2014

Após morte do cão cantora ganha um filhotinho

divulgação Destaque

Depois de perder seu cachorro preferido, Floyd, no começo da semana, Miley Cyrus ganhou um novo cachorrinho: Moonie é o nome do filhotinho que a cantora recebeu de presente de sua mãe na sexta-feira.

Miley pareceu mais animada com a chegada de Moonie, mas, mesmo assim, não deixou de lamentar a perda de Floyd no Twitter. Ela tem postado mensagens como: “quero dormir, mas só consigo chorar”, “não quero ir para uma casa em que Floyd não está correndo e brincado”.

Fonte: Capricho ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
06 de Abril de 2014

Onça atropelada em Marechal Rondon continua em estado grave

Valéria Cuter/Jornal Aconteceu Botucatu ) Destaque

É grave o estado da onça atropelada, no quilômetro 328 da rodovia Marechal Rondon (SP 300), em Agudos (13 quilômetros de Bauru), na quinta-feira (3), como divulgado pelo JCNet.

O animal, um macho, sofreu várias fraturas e terá que se submeter a uma cirurgia para recuperar os membros. O procedimento foi adiado de sexta-feira (4) para a próxima segunda ou terça-feira devido à gravidade da situação. Os veterinários querem esperar o quadro do animal se estabilizar.

Após ser resgatada, a onça foi levada para o Zoológico de Bauru e de lá encaminhada ao Hospital Veterinário da Unesp de Botucatu, onde passou por exames clínicos e se encontra em estado grave. De acordo com informações do hospital, são graves as fraturas nos ossos longos, como o fêmur e o úmero, no mesmo lado. A onça também sofreu traumatismo craniano e uma hemorragia pulmonar.

A cirurgia é conhecida como postiosíntese, onde coloca-se pino e placa nas fraturas, e demora de seis a sete horas. O pós-operatório também exige cuidados, pois é preciso evitar movimentos do animal.

Fonte: JCNetFoto: Valéria Cuter/Jornal Acontece Botucatu

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
04 de Abril de 2014

Miley Cyrus chora a morte do seu cachorrinho

divulgação Destaque

Parece que a cantora de “Adore You” não está passando por um momento fácil. Miley Cyrus perdeu seu amado cachorro, Floyd, esta semana. Ela possuía um laço muito forte com ele, tanto que ele já apareceu em photoshoots com a cantora e em cenas do clipe de “We Can’t Stop”.

No show realizado na noite do falecimento do mesmo, a cantora não segurou o choro enquanto cantava “Can’t Be Tamed”. Isso porque uma réplica gigante do animal é colocada no palco durante a performance.

Fonte: Poplandia ( foto: divulgação

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
03 de Abril de 2014

Empresário mata cachorro dentro de hotel no RS

facebook Destaque

Um cachorro foi morto a tiros na manhã do último domingo dentro do terreno do Hotel Bangalôs da Serra, especializado em turismo sustentável, em Gramado. Conforme informações publicadas no Facebook do Comando Regional de Policiamento Ostensivo (CRPO/Serra), Lineu Kern, 68, teria atirado no cão que vinha atacando animais do hotel.

Marilu Ana Kern, 32, sócia-proprietária e esposa do empresário disse que o marido atirou para afastar o cachorro, mas não tinha a intenção de matar. Segundo ela, o ataque de cães aos animais do hotel eram constantes e sugeria perigo à integridade física dos hóspedes.

Na manhã de domingo, o cachorro teria entrado no terreno e se aproximado de uma família que estava com três filhos.

“Nada justifica, mas foi uma questão extrema. Não gostaríamos que tivesse acontecido, afinal preservamos muito os animais. Temos uma área de 30 mil metros quadrados onde criamos coelhos, galinhas, marrecas, faisões… “, justificou.

O empresário se apresentou à Polícia Civil e entregou a arma, que segundo a esposa, era registrada.

“Ele está à disposição para responder todos os questionamentos e para arcar com todas as consequências”,  enfatizou Marilu.

A Polícia Civil abriu inquérito para apurar o caso.

Fonte: Zero Hora ( foto: facebook)

NOTA DO BLOG: Quem está com uma arma nas mãos, tem sim intenção de matar. Não venha agora a esposa justificar e passar a imagem de bonzinho do cidadão assassino e covarde que não pensou duas vezes e tirou a vida de um cão inocente. É assassino, frio e sanguinário.

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
02 de Abril de 2014

Cão enterrado vivo é resgatado

arquivo pessoal Destaque

Um cachorro foi salvo após ser enterrado vivo pelo próprio tutor em Registro, no Vale do Ribeira, interior de São Paulo. O animal foi resgatado por integrantes do Grupo de Proteção aos Animais (GPA). O responsável pelo crime ainda não foi identificado

O fato ocorreu no bairro Jardim Paulistano, em um terreno abandonado. Segundo Márcia Colla, presidente do GPA, o rapaz que trabalhava no local atendeu ao pedido de um desconhecido para abrir uma cova e enterrar um animal. No entanto, ele se surpreendeu ao ver que o tutor trouxe o cão andando. Chocado, ele acionou o grupo. “Nós o encontramos já dentro da cova, com bicheiras, um forte mau cheiro e extremamente magro. Após banho, remédios, água e dois pratos de comida, o cachorro começou a andar, para emoção de todos que acompanharam seu resgate”, descreve.

O rapaz que se negou a enterrar o animal não conhece a identidade do mandante. De acordo com Márcia, as buscas por ele já começaram. “A fragilidade dos animais aliada à maldade extrema de algumas pessoas cria situações difíceis de suportar. Esse cão de porte grande seria enterrado vivo, não fosse a sensibilidade da pessoa que iria fazer o serviço, a mando de terceiros. É um lindo cachorro, em meses mudará o olhar de tristeza e entrará para adoção”, conclui.

Fonte: G1( foto:arquivo pessoal)

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
01 de Abril de 2014

Idosos e deficientes, animais buscam amor

Destaque

Alguns são cegos, outros deficientes, vários doentes e tem até um traumatizado por sofrer abusos sexuais do antigo tutor. Esta é a realidade dos cachorrinhos da ONG Fiel Amigo, de Campo Grande, que apesar das “diferenças” dos moradores, todos surpreendem pela capacidade de amar e retribuir gestos de carinho para quem os visita.

A felicidade está estampada na carinha de cada um deles dentro de seus “quartos” na ONG, porém, a adoção de animais idosos e deficientes ainda é um desafio, para não dizer problema, na vida da voluntária Laura Cristina Garcia Brito, que chegou a mudar para uma casa ao lado do canil com a intenção se dedicar em tempo integral aos cães que necessitam de cuidados extras.

Aliás, se hoje eles possuem uma vida digna, uma das grandes responsáveis é Laura, que se dedica desde os 13 anos ao “trabalho” de proteção de animais abandonados. Hoje, dia 1 de abril, ela completa 43 anos de idade e 30 anos de amor aos animais. A motivação, de acordo com ela mesma, é a vontade de vê-los bem e saudáveis.

São aproximadamente 50 cachorros na ONG, e cada um ganha um nome a partir do primeiro momento que chega lá. Bia, Linda, Dolly, Valente, Lupi, Spaike, Bob e Madona são exemplos que contam com o afeto e cuidados da “Fiel Amigo” enquanto não encontram um novo lar.

O grupo, que existe há mais de 15 anos, tenta driblar o preconceito e garantir mais finais felizes. “Vai fazer um ano que eu estou aqui e nós conseguimos adoção para pouquíssimos cachorros. Se eles tem algum comprometimento com a saúde, ninguém quer. As pessoas não querem ter trabalho”, explica Laura.

Para a voluntária, um dos casos que necessitam de mais cuidados é de Bia, uma cadela boxer, de aproximadamente três anos, que possui problemas neurológicos e uma possível cinomose mal curada na infância. “Um animal filhote é igual uma criança, se você não vacinar no futuro pode ficar paralítica, é o caso da Bia, que não tomou as vacinas necessárias e agora não anda mais.”

Porém, Laura ressalta que sua necessidade principal é de doações de alimentos e remédios, por conta do tratamento especial que a cadela deve receber para não morrer. “Nós precisamos de cadeira de rodas e de material adequado para que eu faça fisioterapia nela. Mas colocar para ser adotada eu acho complicado”, revela.

“Eu levo ela uma vez por semana na Universidade Federal para fazer acupuntura, mas eu não posso colocar ela para adoção porque tem gente que vem aqui, assina um termo de responsabilidade, e passa um tempo a gente encontra o animal na rua. E ela precisa de muitos cuidados”, diz.

COMO AJUDAR

Quem deseja adotar outros animais, virar voluntário ou fazer doações poderá participar do “1º Bazar Beneficente”, que será realizado no dia 12 de abril, às 16h, no Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro, que fica na avenida Tiradentes, número 763, no bairro Taveirópolis. O evento vai contar com música ao vivo, bebias geladas, pastel, doces e um espaço infantil.

o contato da ONG pode ser feito pelo site www.fielamigo.com.br, pela fan page www.facebook.com/fielamigoBR ou pelos telefones (67) 9239-5176 ou (67) 9944-8747.

Foto: Top Mídia News ( foto: Renan Gonzaga  )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
01 de Abril de 2014

Animais sofrem maus-tratos no SBT

internet Destaque

Uma vaca cor-de-rosa com bolinhas roxas e um cavalo azul com estrelas rosas foram vistos nas ruas da Vila Madalena, Zona Sul de São Paulo. Os animais pintados fizeram parte da gravação de uma pegadinha televisiva de um programa bem conhecido pelo público, seja telespectador ou não da emissora SBT. As informações são do portal Catraca Livre.

Os responsáveis pela construção do cenário e pelos animais informaram que os mesmos fariam parte de um programa de entretenimento e que a tinta utilizada demoraria aproximadamente uma semana para sair.

Não é a primeira vez que a emissora é denunciada por maus-tratos e abuso de animais em quadros televisivos. Em abril 2012 o SBT explorou e maltratou animais vivos e usou corpos de animais mortos no programa “Cante se Puder”. Em setembro do mesmo ano, a emissora revoltou o país após veicular a gravação de um cachorro amarrado a um conjunto de balões de hélio que era solto no ar, para desespero de quem caía na pegadinha. (O vídeo pode ser visto : anda.jor.br ).

Após intensas denúncias, a emissora foi obrigada a se explicar ao Ministério Público.

O portal Catraca Livre faz o seguinte questionamento: “Até que ponto os animais podem ser usados para entreter as pessoas?”. Os animais não são objetos, e sim vidas que merecem respeito e em hipótese alguma devem ser subjugados pelo homem e serem submetidos ao estresse e humilhação em nome do entretenimento.

Manifeste sua indignação à emissora:

Facebook

Fonte: Catraca Livre 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
31 de Março de 2014

Polícia investiga morte de cadela em pet shop

Destaque

A  morte controversa de uma cadela após um tratamento estético em um pet shop de Ijuí, no Noroeste do Rio Grande do Sul, levou a Polícia Civil a instaurar inquérito para apurar suspeitas de maus-tratos. Segundo o proprietário do animal e veterinários de uma clínica do município, foram constatadas lesões no pescoço e traumatismos no animal, logo depois de ele receber um banho no estabelecimento, na última sexta-feira (28).

Horas antes da morte, o dono da cadela, o servidor público Moacir Lucas Damian, de 32 anos, foi comunicado, via telefone, pela pet shop que sua cadela de estimação, chamada de Cyndi, estava desmaiada, sob circunstâncias desconhecidas. Na ligação, Damian relatou que o cão teria problemas cardíacos, o que levou o estabelecimento a concluir a existência de relação do histórico com o desmaio. Depois da morte, no entanto, uma nova versão foi apresentada: o cão teria sofrido uma queda após tentar morder o funcionário que aplicava o banho no animal.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na polícia, a cadela ficou desacordada durante o tratamento estético e foi conduzida pela dona do pet shop até uma clínica para animais. No local, ela foi atendida pela veterinária Taís Júlia Sala. Ela detalhou ao G1 que o quadro do animal indicava, aparentemente, que apenas uma queda brusca, um atropelamento ou uma agressão poderia ter originado as lesões no animal.

“Quando o cão chegou, ele apresentava uma lesão neurólogica, não sentia as patinhas, e estava com o pescoço torto por lesão neurólogica. A gente estabilizou ele com medicações. Fizemos raio x pra saber se houve lesões mais graves. Haverá um laudo, que ainda não foi concluído. Mas não havia sinais de cardiopatia. Houve traumatismo”, explicou.

Segundo a delegada interina da Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento de Ijuí, Jocelaine Francisca de Aguiar, as suspeitas de maus-tratos se baseiam nos testemunhos e nos exames feitos na clínica veterinária para onde o animal foi levado pela própria pet shop. “Instauramos um procedimento policial para apurar as circunstâncias do fato. Pretendemos ouvir a proprietária ainda nesta semana”, disse ela.

Procurada pelo G1, a pet shop informou que a proprietária do local "lamentava o ocorrido" e estava abalada pela morte do animal, provocada, segundo o estabelecimento, pela queda brusca animal de uma maca. A altura, segundo um advogado da loja, que pediu para não ser identificado, era de menos de um 1,5 metros.

Representantes da pet shop relataram que o cão teria tentado atacar um funcionário antes de cair. Ressaltaram ainda que o animal teria problemas cardíacos, mas o fato não foi informado pelo proprietário. De acordo com a pet shop, o funcionário que aplicou o banho não voltou mais ao trabalho desde então.

Dono da cadela, Damien contou que a morte traumatizou a família. “É terrível. Minha mulher não sabe o que fazer. A semana foi terrível. Não temos chão. Nunca imaginamos que um animalzinho fosse fazer tanta falta”, afirmou. Ele pretende ingressar na Justiça em busca de indenização.

Fonte: globo.com( foto: arquivo pessoal)

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
31 de Março de 2014

Deputado cobra medidas contra abandono de animais

internet Destaque

Uma indicação recentemente encaminhada pelo primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, deputado estadual Mauro Savi (PR), às secretarias de Estado de Meio Ambiente e de Saúde, sugere que placas informativas e educativas contra o abandono de animais em áreas públicas sejam afixadas nas cidades, com o objetivo de reduzir o número de animais abandonados em parques, praças, universidade e vias públicas e outros locais.

Savi alega que, grande parte da população não detém o conhecimento de que o abandono e os maus-tratos aos animais é crime, conforme a Lei (dos crimes ambientais) Nº 9605/98 e que essa divulgação seria de fundamental importância. “O abandono de animais, em especial os animais domésticos como cães e gatos, é um problema que afeta cada vez mais os centros urbanos. É uma prática cruel, desumana, criminosa e que ainda gera problemas socioambientais graves, como desiquilíbrio ecológico e transmissão de doenças”, alertou o deputado.

Na justificativa da indicação, Savi defende que a proposta é conscientizar as pessoas de que abandonar não é a melhor solução e ainda incentivá-las a denunciar, caso presenciem algum tipo de maus-tratos aos animais. “Não podemos nos esquecer de que o animal abandonado fica condenado a uma vida indigna, compete por espaço e alimento com a fauna silvestre, ficam expostos a doenças que, inclusive, podem ser transmitidas aos humanos, se reproduzem descontroladamente e podem se tornar agressivos, sendo um perigo para os frequentadores destes lugares”, ressaltou o parlamentar, autor da indicação.

Convém lembrar, que a pena para esse tipo de crime é de 15 dias a seis meses de reclusão e multa. Lembrando, que qualquer cidadão que testemunhar o abandono pode fazer a denúncia na Delegacia de Polícia mais próxima, cabendo a esta registrar o fato através do Termo Circunstanciado. Para que a denúncia possa ser feita é preciso fornecer os dados do infrator e o seu endereço residencial ou comercial. Em caso de atropelamento ou flagrante de abandono, é importante anotar a placa do veículo, horário e local.

Em casos em que a pessoa, com medo de represálias, por talvez conhecer o infrator, não queira se identificar a Promotoria de Justiça, aceita denúncias anônimas, mas para isso o comunicante deve protocolar uma representação, apresentando o relato formal dos fatos ao Promotor Público de Justiça que, ao tomar conhecimento dos fatos, poderá requisitar diretamente à investigação policial.

Fonte: Correio Press ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
31 de Março de 2014

Protesto durante show de Robero Carlos

internet Destaque

No sábado 29 de março de 2014, quando fez aniversário, a cidade de Curitiba recebeu um espetáculo musical do cantor e compositor Roberto Carlos, patrocinado pelo frigorífico JBS/Friboi, o maior matadouro de animais do mundo. Na ocasião, o grupo Onca realizou, em frente ao local do evento, um manifesto público contra o consumo de carne. Apelidado de “Protesto Carlos” –usando um trocadilho com o nome do cantor, garoto-propaganda da marca frigorífica–, o protesto denunciava a matança desnecessária de milhões e milhões de animais todos os anos somente nos matadouros do país.

Além disso, denunciava o impacto negativo ambiental da produção animal –provocando desmatamentos, poluição, etc– o impacto social –desperdício de alimentos, uso de trabalho escravo, numerosos casos de acidentes de trabalho e violações de direitos trabalhistas, etc– e os males à saúde humana. Uma ativista fantasiada de vaca segurava um cartaz com o símbolo “Proibido Friboi”. Outro ativista representando um funcionário de frigorífico segurava em uma mão um facão e em outra um pedaço falso de carne, enquanto tinha seu avental branco sujo de sangue, lembrando a matança diária sofrida pelos animais não-humanos.

Além deles, outros ativistas exibiam banners e faixas. Um grande banner mostrava a imagem de uma cabeça de um bovino pendurada num matadouro, com os dizeres: “Não é bife. É uma vida!”. Outros banners exibiam imagens de animais sofrendo de todas as formas para a produção de produtos animais. Uma faixa dizia: “Animal não é produto!”. Para completar, panfletos foram distribuídos, que abordavam o impacto do consumo de produtos animais, de todos os pontos de vista: animal, ambiental e social e saúde humana. A reação do público foi bastante positiva e superou as expectativas do grupo.

Mesmo entre um público de maior idade, aconteceram diversos momentos onde crianças e adolescentes pararam para ler os banners e olhar com mais atenção as imagens estampadas. Uma mãe apontava e explicava para o filho sobre cada uma das imagens, por exemplo. Além disso, aconteceram ocasiões de pessoas dentre o público que entrava que afirmaram que também eram vegetarianas ou que tinham vegetarianos na família. Uma jovem pediu para ser fotografada junto com a “vaca” e o “açougueiro” –os ativistas fantasiados–, para mostrar ao seu irmão, vegano.

Não somente ela, aliás, mas além de jornais e outros meios de comunicação presentes, que realizaram matérias sobre o protesto ou mesmo registraram em áudio ou vídeo, diversas pessoas do público que simpatizaram ou se surpreenderam, registraram em foto a ação do grupo. A atividade, que teve início as 15h encerrou-se as 22h –quando todo o público já adentrara ao espaço do espetáculo–, tendo conversada com muitos interessados e distribuído 2 mil panfletos.

Falsa publicidade

Em comercial televisivo, a marca Friboi lançou uma propaganda enganosa, onde o seu garoto-propaganda, o cantor Roberto Carlos dizia-se um ex-vegetariano, após 30 anos de vegetarianismo. Essa informação foi desmentida em meio de comunicação logo após o lançamento do comercial. O cantor que, de fato, há muitos anos não come carne “vermelha” –ou seja, de gado–, comia carne de aves e peixes.Além disso, investe em gado e produção de carne desde 2005.

Sobre a JBS/Friboi

A empresa JBS/Friboi é o maior frigorífico de carne bovina do mundo. Mas seu grupo também é responsável pela morte de milhares de aves e suínos. Além disso, é responsável pela morte e exploração de animais usados na produção de laticínios. – O grupo JBS/Friboi tem patrimônio de R$ 8 bilhões, mas uma dívida de R$ 30 bilhões. Apesar disso, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) é sócio em mais de um terço de participação com a JBS e já liberou empréstimos em R$ 8,1 bilhões a JBS –ou seja, mais do que a empresa vale! – A JBS/Friboi paga apenas 6% de imposto sobre vendas. Aliás, as empresas de carne bovina estão entre as que menos pagam impostos sobre vendas no Brasil. – Sobre as relações econômicas entre a JBS/Friboi e o atual governo brasileiro, o ex-secretário nacional de Justiça e ex-delegado da Polícia Civil, Romeu Tuma Jr. em declaração pública, a chamou de a “maior lavanderia [de dinheiro] da América Latina”.

Fonte: ONCA – Defesa Animal ( foto: internet )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
30 de Março de 2014

Cachorro vê a praia pela primeira vez

internet Destaque

O boxer Duncan Lou Who nasceu com uma deformação nas pernas traseiras, que precisaram ser completamente amputadas. Desde então, o cachorro tem sido uma inspiração para seus donos. Sem conseguir se acostumar à cadeira de rodas especial, o animal prefere viver a vida sobre apenas duas patas. Em sua primeira visita à praia, em Vancouver, no Canadá, na última semana, ele fica extasiado de emoção e não consegue parar de correr e brincar.

“Usamos a câmera lenta nesse vídeo, mas NENHUMA imagem foi acelerada. Isso dá uma ideia do quão rápido Duncan realmente é”, diz a descrição do vídeo. É lindo ver o bichinho se equilibrando para correr e brincando no mar!

O cachorro foi à praia acompanhado dos boxers Rou, Ducky and Miso. A organização sem fins lucrativos, Panda Paws Rescue, cuida desses e outros animais.


Fonte: globo.com ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
30 de Março de 2014

Nike usa peles de canguru e cabras na fabricação de chuteiras

Destaque

A cara e onipresente campanha publicitária da Nike diz ao público que ela realmente se preocupa com conforto e desempenho atléticos. Mas a empresa pode ter que fazer sacrifícios nas áreas de “tração” e “toque suave” se uma nova campanha de ativistas for bem-sucedida: A companhia está sofrendo críticas pesadas por usar couro de canguru em algumas de suas chuteiras. As informações são do Take Part.

A descrição do produto no site elogia o “couro flexível de canguru e de cabra” com que ele é feito. A tração de alto desempenho resultante, de acordo com a Nike, “ajuda você a acelerar e a correr rapidamente em múltiplas superfícies.”

Ativistas dos direitos animais criticaram o uso do couro de cangurus e de cabras e uma família em Portland, Oregon, quer que a produção pare. “Toda nossa família ama futebol”, escreveu a família Fish na página da petição. “Nós também amamos animais e é por isto que achamos doloroso e triste imaginar matar até mesmo um único canguru para fazer um tênis.” Quase 300 mil apoiadores já assinaram a petição até agora.

A pele de canguru é conhecida como um dos couros mais leves e mais fortes disponíveis e a Austrália fatura $33 milhões com sua exportação, todos os anos. Os métodos de matança dos caçadores é extremamente cruel: O código da prática no país diz que se uma fêmea assassinada tiver um filhote em sua bolsa, o filhote também deve ser “morto imediatamente, por decapitação ou por um golpe pesado no crânio para destruir o cérebro, ou por tiro.”

O uso de qualquer produto de origem animal levanta questões éticas. Comer carne não é mais necessário para o sustento humano do que é o uso de calçados adequados durante atividades atléticas. Além disso, os amantes de cangurus deveriam aumentar sua compaixão para todos os seres vivos, como as vacas (e as cabras), por exemplo, também exploradas nessa indústria.

O jogador de futebol David Beckham parou de usar chuteiras de couro de canguru em 2006 depois que um grupo de lobistas enviou a ele um vídeo com os filhotes de canguru sendo violentamente puxados de dentro de suas mães durante a caça anual de cangurus na Austrália. A Adidas concordou em parar de usar o couro em 2012.

Assine a petição contra o uso do couro de canguru pela Nike.

Fonte: anda.jor.br(Foto: Camillo Bachelmeier/Getty Images)

Por Ana Rita Negrini Hermes (da Redação)

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
28 de Março de 2014

Cadela dá à luz quinze filhotes

internet Destaque

Uma cadela da raça Golden Retriever deu à luz uma ninhada de 15 filhotes em Atibaia, no interior de São Paulo, e surpreendeu a família do jornalista Romero Côas, de 37 anos, que esperava no máximo cinco filhotes para presentear amigos e parentes.

Batizada de Estrela, a cadela demorou quase oito horas para dar à luz 15 filhotes, sendo 13 machos e duas fêmeas. Os filhotes completaram um mês na última terça-feira (25). “O parto foi na casa da minha mãe. Às 23h do dia 23 de fevereiro nasceu o primeiro, e às 7h do dia 24 chegou o último”, disse Côas.

Ele disse que cuidou deles como se fossem crianças. “Fizemos um rodízio para acordar de madrugada para dar leite e vitamina para os filhotes que não conseguiam pegar a teta da mãe, já que tinha mais filhote que teta”, disse. Segundo ele, nesse período, apenas um filhote morreu esmagado pela mãe.

Além de cuidar da limpeza e alimentação dos filhotes, trabalho maior ele teve para registrar o pedigree, já que cada um deles precisou receber um nome – Guria e Meg, as duas fêmeas, e Pingo, Ruffus, Chuvisco, Guri, Otto, Bubaloo, Dick, Dingo, Killer, Zórk, Magoo, Greco e Bimbo, que morreu.

Avaliação

Janaína Russo, de 29 anos, veterinária da Estrela, disse que ficou surpresa não só com o tamanho da ninhada, mas também porque a maioria dos filhotes sobreviveu. “Como a mãe tem menos de dez tetas, normalmente, os filhotes mais fortes conseguem mamar e os mais fracos acabam morrendo. Neste caso, a maioria sobreviveu por um esforço da família que se empenhou para garantir que todos sobrevivessem”, disse.

Fonte: G1 (Foto: internet)

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
28 de Março de 2014

Familia destroi banheiro para salvar filhote

internet Destaque

Uma família de Limeira (SP) está sem poder utilizar o banheiro de casa de terça-feira (25), quando autorizou a destruição do encanamento para salvar um cãozinho recém-nascido que ficou preso na tubulação da residência, no bairro Parque Nossa Senhora das Dores. O animal, que ganhou o nome de Guerreiro, foi salvo por uma equipe do Corpo de Bombeiros após uma hora e meia de resgate. Ele seria colocado para doação, mas virou o novo membro da família.

Pandora, a cadela da família, deu cria na madrugada de sábado (22). Nasceram 10 filhotes, mas um morreu. Ela teve os cachorrinhos embaixo de uma mesa, local onde havia uma pedra de mármore que cobria um cano. “Conforme ela amamentava, acabou empurrando a tampa e o Guerreiro caiu no encanamento na terça-feira e ficou preso”, relatou estudante Verônica Cristina de Souza, de 17 anos.

A jovem contou que chegou em casa e escutou o choro de um dos cães, mas não sabia onde ele estava. Ela afirmou ainda que ouviu o gemido do cão no chão até perceber que o animal havia caído no encanamento. A estudante tentou tirá-lo com uma mangueira, mas não conseguiu e acionou o Corpo de Bombeiros de Limeira.

Depois de ligar para a corporação, a jovem disse que comunicou a mãe sobre o que estava acontecendo. “A princípio ela não acreditou, mas depois autorizou os bombeiros a quebrarem o que fosse preciso para retirar o cachorro com vida. E foi o que aconteceu. Minha mãe até chorou”, disse. Foi preciso remover o vaso sanitário e quebrar todo o encanamento do banheiro para retirar Guerreiro da tubulação

Desde o dia que o banheiro foi quebrado, mãe e três filhas “emprestam” o sanitário de parentes para tomar banho e fazer as necessidades. “A gente sabe que o conserto não vai ficar barato, mas valeu a pena. Ainda não sabemos quanto vamos gastar. O pedreiro virá no sábado (29) fazer o orçamento”, contou a dona de casa Matilde Carmem das Neves, de 53 anos.

Adoção

Apesar do prejuízo, as moradoras da casa estão felizes com o novo companheiro. Verônica disse que todos os nove filhotes seriam doados, mas agora Guerreiro ficará com a família, que além de Pandora tem Spyke, de 7 anos.

Fonte: G1(Foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
27 de Março de 2014

Cão é morto a facadas em Joinville

internet Destaque

Um morador do bairro Paranaguamirim, que prefere não ser identificado, teve o cachorro assassinado na noite de quarta-feira (26), em Joinville. O animal foi morto a golpes de facão. Segundo o tutor, o cão foi alvo da fúria de um vizinho, durante uma discussão por causa da metragem da rua.

“Urso”, como era chamado o cão, era um cachorro abandonado que havia sido adotado pela família há quatro meses. O animal teve as pernas quebradas por golpes de facão e morreu preso à coleira. E o agressor teria ainda arremessado um objeto contra o telhado da casa.

Na hora do crime, apenas a filha do tutor do cão, que é deficiente auditiva, e um bebê de sete meses estavam na casa. O tutor do cão diz que estava no Centro da cidade quando recebeu a notícia de que o cachorro havia morrido, e acusa o vizinho. O vendedor autônomo diz que o motivo seria a disputa por três metros de estrada de uma servidão, que era motivo de discussão entre ele e o vizinho.

A Polícia Militar realiza buscas pelo suspeito. Lembrando que maus-tratos a animais e é crime. De acordo com informações da Policia Civil, a pena, nestes casos, varia de três meses a um ano de prisão e o autor ainda em que pagar uma multa.

Fonte: ND Oline( foto: RIC/TVRECORD )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
26 de Março de 2014

Mais um caso de fidelidade canina

internet Destaque

Um caso inusitado de fidelidade e amor foi registrado na manhã de terça-feira, 25, na rua 17 de novembro, na Gameleira, em frente ao Forró do Bené, no 2º Distrito de Rio Branco.

Policiais Militares do 2º Batalhão foram acionados para verificar a existência de um cidadão portando uma faca, nas proximidades da Gameleira. Ao chegar no local, a PM abordou Antônio Mariano e encontraram com ele uma faca.

Ao encaminharem o homem a Delegacia para esclarecimentos, um cãozinho de raça poodle, tutelado por Mariano, entrou dentro do carro sem ser convidado e foi levado também para a delegacia.

Já na Defla, os policiais civis ficaram impressionados com a fidelidade e o amor do cãozinho que não saia do pé do seu tutor para nada e fazia tudo o que ele mandava. Nem mesmo na hora de levar o acusado à cela da delegacia o animal o abandonou, deitando sobre o colo do seu tutor. Os dois ficaram na cela até o tutor ser ouvido pelo delegado.

Instantes depois, após os esclarecimentos, o tutor e o cachorro foram liberados pelo delegado, pois não existia contra Mariano nenhum mandado de prisão.

Fonte: Ac 24 Horas ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
26 de Março de 2014

Zoológico dinamarquês mata família de leões

internet Destaque

Pouco mais de um mês após matar a girafa Marius, o Zoológico de Copenhagen, na Dinamarca, tirou a vida de mais quatro animais: dois filhotes e dois leões adultos. Todos, assim como Marius, em saúde perfeita.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, a medida foi tomada para poupar sofrimento dos animais. Segundo o zoológico, os quatro eram os leões mais fracos, e não conseguiriam se defender de um novo leão, feroz e de comportamento agressivo, que chegou na segunda-feira (24) no local. “Eles seriam atacados pelo leão na primeira oportunidade e não resistiriam aos ferimentos”, justifica o Zoológico de Copenhagen. “Esse é um tipo de comportamento que faz parte da natureza dos leões.”

Os veterinários pretendem fazer com que o leão, de aproximadamente 130 quilos, cruze com as duas leoas do zoo, que chegaram, recentemente, à fase ideal para procriação. “Estamos orgulhosos de ser um dos poucos zoológicos do mundo a criar sua própria ninhada de leões”, afirma Steffen Straede, um dos diretores do local.

O zoo afirmou que, apesar das tentativas, não conseguiu encontrar um novo lar para a família de leões. A morte induzida dos quatro animais foi realizada na segunda-feira (24), horas antes do novo leão ser colocado junto com as leoas. Os quatro animais pertenciam à mesma família.

Há mais de um mês, a girafa Marius teve o mesmo destino dos leões. Sua morte foi internacionalmente repercutida. O animal fora morto e dissecado na frente dos visitantes – inclusive, muitas crianças. Na época, parte da imprensa e ativistas dos direitos dos animais criticaram a conduta do zoológico e disseram que não havia justificativas plausíveis para assassinar o animal. No caso de Marius, os veterinários argumentaram que ele deveria morrer porque corria o risco de cruzar com parentes próximos. Assim como no caso dos quatro leões, o zoológico afirmou que não havia espaço físico para alocar o animal. Nos dois casos, matar os animais foi uma solução mais fácil e rápida do que encontrar um novo lar para eles.

Fonte :Época (Foto: AP Photo/POLFOTO, Peter Hove Olesen)

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
25 de Março de 2014

Mutirão de castração no NEAFA em Maceió

internet Destaque

O Núcleo de Educação Ambiental Francisco de Assis (NEAFA), programou para esta quarta-feira (26) das 8h às 12h, mais um mutirão para castração de gatos em sua sede, que fica situada na Rua dos Bandeirantes, 504, Farol, Maceió Alagoas . 

Na oportunidade, a previsão é de que 50 animais sejam castrados, entre gatos e gatas. Desde outubro de 2013, já passaram pela cirurgia, somente durante os mutirões, quase 600 gatos. As pessoas, em sua maioria, que levam os seus animais de estimação para fazerem a histerectomia ou castração, não têm condições de custear o valor em uma clínica particular, por isso procuram a ONG. 

Com o procedimento cirúrgico, o NEAFA busca o controle populacional de felinos no município de Maceió e cidades circunvizinhas, bem como redução do risco de tumores de mama e infecções no útero, como a piometra, no caso das fêmeas. No caso do macho, afasta problemas na próstata e nos testículos. A idade ideal para castrar gatas é aos seis meses, e para os gatos aos oito meses.

Deisy Nascimento

Ascom – NEAFA ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
25 de Março de 2014

Centro Espirita se dedica à cães e gatos

internet Destaque

Uma casa de esquina pintada de verde, no Parque Vitória, na Zona Norte, apresenta um movimento parecido com o de um consultório veterinário às quintas, sextas e aos domingos. Dezenas de gatos e, principalmente, cachorros entram e saem presos em coleiras, dentro de caixinhas e aconchegados no colo de seus donos. Não se trata de uma clínica médica, mas da Associação Espírita Amigos dos Animais (Asseama), o único centro dessa doutrina religiosa da capital especializado em receber bichos de todas as espécies. “Queremos mudar a consciência das pessoas em relação a esses seres vivos, que têm alma e dependem de nós”, afirma Sandra Denise Calado, presidente da entidade. Ela diz que se descobriu médium no fim da década de 90. Com dois amigos veterinários, Marcel Benedeti e Cristiane Villarista, criou, em 2006, a Asseama. Três anos depois, a associação ganhou sede própria, onde hoje são atendidos 200 fiéis por semana.

Num domingo típico, o dia de maior movimento, os carros começam a chegar por volta das 8h30. Os frequentadores se reúnem em um quintalzinho, onde há uma lanchonete vegana (sem carne, laticínios e ovos). Só são vendidos produtos como croquete de alho-poró com tofu defumado e coxinha de proteína de soja. Em seguida, as pessoas com seus bichos se dirigem a uma sala repleta de quadros religiosos — com imagens de Jesus e São Francisco de Assis, padroeiro dos animais — para orar e assistir a uma palestra. Durante quinze minutos, os animais de estimação permanecem surpreendentemente em silêncio, sentados junto de seus donos. Vez ou outra uma sinfonia de miados ou latidos toma o ambiente, porém o barulho dura pouco tempo.

No fim da apresentação, um a um eles se dirigem para um cômodo separado a fim de “tomar passe”. De acordo com a doutrina, esse processo se dá quando um espírito transmite energias através das mãos de um médium, colocadas na cabeça do animal. A dona de casa Eloisa Lorenzetti, criada em família católica, aparece ali toda semana com seu pequeno poodle Kiko, de 11 anos. Ele foi diagnosticado com linfoma em maio e perdeu a maioria dos pelos por causa das sessões de quimioterapia. “Antes eu só chorava”, diz ela. “A Asseama me trouxe muito consolo.”

Sempre gratuito, o tratamento também pode ser realizado a distância. Cerca de 3.500 animais de outros locais do Brasil e até do exterior, entre cavalos, ovelhas, porcos e galinhas, foram cadastrados por seus donos no site da entidade para receber as boas vibrações. Logo após as sessões ao vivo, o grupo de quinze voluntários se reúne para pedir auxílio divino para a bicharada distante. Nessa hora, o proprietário precisa estar junto do companheiro de estimação, em silêncio e concentrado. Mantida por doações, a Asseama promove ainda festas temáticas e aulas de culinária vegetariana. No começo do mês, a equipe lançou o livro “O Evangelho dos Animais”, psicografado pela própria Sandra.

Quase todos os pets que aparecem por lá sofrem com algum problema de saúde. É o caso da gatinha Lola, que perdeu a visão por causa de um herpes-vírus. “Quando vim para cá, achei que aconteceria um milagre e ela se recuperaria totalmente”, conta a aposentada Yara Alves. “Isso não aconteceu, mas o atendimento ajudou muito em pequenos problemas, como a baixa imunidade dela.” O alegre cão dachshund Bola, de 7 anos, se locomove com um carrinho acoplado a suas patas traseiras por causa de uma paraplegia. Já o cocker Boby enfrenta um câncer no fígado. “Ele sempre sai daqui muito tranquilo”, garante sua dona, a psicóloga Márcia Souza.

Apesar das reações positivas, a presidente da Asseama não aconselha ninguém a abandonar o tratamento veterinário. “Aqui é só mais uma etapa para auxiliar na cura”, diz. Outra pergunta recorrente relacionada ao serviço é a seguinte: quem perdeu um animal querido pode encontrar sua “alma” circulando pelo local? Acredite se quiser: de acordo com Sandra, seria possível, sim, ter notícias de bichos já falecidos. Mas somente médiuns como ela conseguiriam ver esses espíritos.

Associação Espírita Amigos dos Animais (Asseama) ( Carolina Giovanelli )

Rua Manuel de Moura, 63, Parque Vitória

Fotos: Internet 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
25 de Março de 2014

Homem pisoteia cão e posta na internet

reprodução Destaque

As imagens são fortes, a Sociedade Protetora dos Animais em Curitiba recebeu nas últimas horas, uma denúncia anônima com vídeo do torturador de animais publicado no perfil no YouTube.

No vídeo ele aparece com o cabelo raspado. As imagens mostram um  cachorro da raça poodle aparentemente fraturado pois não se movimenta (conforme denúncia relatada onde as pernas dos animais são quebradas para que não consigam se locomover) e o individuo repetidamente tortura o animal pressionando os pés com botinas sobre seu corpinho. No vídeo só se ouve o choro do animal.

As imagens já foram entregues à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) e Núcleo de Combate aos Cibercrimes (NUCIBER). O Youtube retirou o vídeo de quase 9 minutos do ar logo após receber várias denúncias.

Fonte: Bem Paraná ( foto: reprodução )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
24 de Março de 2014

Ativistas pedem fechamento de zoológico de Londres

Foto: Joe Gower / West End Extra

 

Ativistas de direitos animais estão clamando por um boicote ao Zoológico Regent’s Park de Londres, chamado por eles de “prisão com exposições vivas”, depois do anúncio de que filhotes de tigre de espécie rara nasceram no local. As informações são do West End Extra.

A ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) apela para que o público pare de visitar o zoológico e sugere que, ao invés disso, faça doações para grupos que protegem animais na natureza. Ben Williamson, porta-voz do PETA, disse: “É difícil ficarmos empolgados com o nascimento de três tigres-de-Sumatra menos de seis meses depois que o Zoológico de Londres deixou um filhote recém-nascido morrer afogado em uma de suas piscinas”.

Conforme publicado pela ANDA em outubro do ano passado, um filhote de tigre-de-Sumatra de três semanas de idade – o primeiro nascido no zoológico em 17 anos – foi encontrado morto em uma piscina do recinto dos tigres. Um laudo confirmou que o filhote morrera afogado.

Williamson disse: “Aquela notícia foi um alerta para todos os que ainda mantêm ilusões de que os zoológicos servem a algum propósito além de encarcerar animais inteligentes”.

Mas a Sociedade de Zoológicos de Londres, que gerencia o Regent’s Park, afirma que os programas de reprodução de animais cativos auxiliam no aprendizado dos veterinários sobre a vida de animais raros, e que isso poderia ajudar a sua sobrevivência na vida selvagem.

Os tigres-de-Sumatra estão entre os mais raros do mundo, com uma população estimada entre 400 e 600 indivíduos.

Fonte: anda.jor.br    Foto: Joe Gower / West End Extra

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
24 de Março de 2014

" Big brother " para vigiar gatos abandonados em cemitério

Cerca de 250 gatos vivem atualmente no Cemitério da Saudade, em Piracicaba (Foto: Thomaz Fernandes/G1)

 

Compromisso firmado entre a Prefeitura de Piracicaba (SP), o Ministério Público (MP) e a Sociedade Piracicabana de Proteção aos Animais (SPPA) prevê a instalação de câmeras de vigilância no Cemitério da Saudade, o maior e mais antigo do município, para evitar abandono e maus-tratos de gatos no local. A Prefeitura arcará com a despesa, mas ainda não definiu quanto será gasto e nem prazo para o início do “Big Brother”.

Cerca de 250 gatos vivem atualmente no local, construído na região da Vila Monteiro. A maioria foi abandonada, segundo a administração municipal. O acordo assinado no MP integra um inquérito civil aberto em 2012 para apurar denúncias de crimes contra os animais.

A SPPA documentou ocorrências envolvendo mortes por envenenamento e até por espancamento e o promotor Fábio Salem Carvalho decidiu investigar. A entidade também castrou a maioria dos felinos para evitar o aumento da população.

A Prefeitura de Piracicaba chegou a propor a construção de um gatil avaliado em R$ 600 mil para acomodar os animais, mas o projeto foi considerado inviável para resolver o problema.

Em nota, o governo informou que ainda vai fazer um estudo técnico para definir os detalhes do sistema de vigilância eletrônica do cemitério, que não tem prazo para sair.

As câmeras, conforme a Prefeitura, serão usadas apenas para monitorar os gatos. Não está prevista a utilização para flagrantes de furtos e atos de vandalismo nos túmulos, informou a assessoria de imprensa do prefeito Gabriel Ferrato (PSDB).

Questionada sobre os projetos públicos destinados aos gatos do cemitério, a Secretaria da Saúde respondeu que o Canil Municipal acolhe apenas gatos doentes e que desde fevereiro o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) voltou a realizar cirurgias de castração em cães e gatos de forma gratuita.

Moradores do entorno do Cemitério da Saudade, inaugurado em dezembro de 1872, e também grupos independentes de protetores de animais se revezam para fornecer ração e água aos gatos, que passam a maior parte do dia deitados entre os jazigos, esculturas e vasos de plantas.

Roteiro turístico

O Cemitério da Saudade também é considerado ponto turístico. Com túmulos de personalidades que fizeram parte da história do município e do país, o local ganhou roteiro de visitação, que passa por 29 sepulturas de políticos, empresários, religiosos, pessoas ligadas à literatura e à cultura em geral, além de voluntários que lutaram na Revolução de 1932.

Entre os jazigos incluídos no roteiro estão o do primeiro presidente civil do Brasil, Prudente José de Morais e Barros, e de Nelson Machado Sant’Ana, conhecido como bebê da chupeta e a quem são atribuídos milagres.

Fonte: G1( foto: Thomaz Fernandes /G 1)

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
23 de Março de 2014

Preso integrante da farra do boi

Uma pessoa foi presa e um animal apreendido durante Farra do Boi, em Florianópolis (SC), na madrugada de sábado (22). A movimentação dos participantes começou no final da noite de sexta-feira (21) e continuou durante toda a madrugada do dia seguinte, quando farristas entraram em confronto com a Polícia Militar. Eles atiraram pedras contra os policiais que reagiram com granadas de efeito moral e balas de borracha.

A farra ocorreu nas ruas entre os bairros Pântano do Sul e Açores, no Sul da Ilha de Santa Catarina. Por volta da 0h de sábado, a PM foi informada do caso, mas quando chegou encontrou cerca de 50 pessoas na rua. O comandante do 4º Batalhão da PM, tenente-coronel Araújo Gomes, informaram que o boi foi escondido pelos farristas.

Os policiais foram embora, mas uma equipe da inteligência da PM permaneceu no local monitorando os participantes. Algumas horas depois, eles retomaram a Farra do Boi.

Por volta das 3h, equipes da PM e do PPT retornaram ao local e começaram a tentar dispersar os farristas. Eles atiraram pedras contra as viaturas da polícia e os agentes públicos, que revidaram com balas de borracha e granadas de efeito moral.

Apenas uma pessoa foi detida durante o confronto e levada para a Polícia Civil. Os outros conseguiram fugir. O animal foi colocado em um terreno baldio onde aguardou remoção até o início da manhã de sábado.

Fonte: G1( foto: PM divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
23 de Março de 2014

Morte do REX revolta população alagoana

Moradores de Vila Nova, em Palmeira dos Índios , ainda revoltados com o assassinato brutal de Rex, um cão de rua de grande estimação na região, garantem que estão formando uma comissão para prestar queixa na Polícia Civil, no intuito de que seja apurada a morte do animal, morto em circunstância animalesca.

O caso repercutiu em todo o estado de forma negativa, contribuindo para denigrir ainda mais a imagem de Palmeira dos Índios, no tocante à violência. Revoltado, o senhor Manoel Carlos desabafa; “Só um cachorro faria isto com um cão. Um cara desse não tem alma”concluiu.

Entenda o caso:

Denúncia chegada por e-mail à nossa redação dá conta de que um homem, proprietário de um terreno localizado na Vila Nova, nas proximidades da Fundanor, abateu a bala, com um só tiro na testa, e a sangue frio, um cachorro, que mesmo por parecer se tratar de um um misto de  “Vira latas”, era bastante querido e conhecido na região, e atendia a todos pelo nome “Rex” .

Segundo a denúncia, não houve motivo algum para a barbárie, e o animal não era portador de qualquer tipo de doença, e muito menos, era agressivo.


Moradores revoltados com a crueldade, mas solicitando por medo de represálias, que se evite a divulgação do nome do criminoso, que seria um policial. Informaram ainda, que uma queixa protocolar, inclusive, com identificação do autor do disparo, será encaminhada à Associação Protetora dos Animais.

Rex foi sepultado por moradores da região, numa cova rasa de num terreno baldio. A nossa reportagem não conseguiu obter o nome do autor dos disparos, mas irá acompanhar o caso.

Fonte: Estadaoalagoas.com.br
Nota do blog: MAIS UM TRISTE CASO DE VIOLÊNCIA ENVOLVENDO UM ANIMAL DE RUA QUE NÃO TINHA A INTENÇÃO DE MALTRATAR NINGUÉM E VEM ESSE ASSASSINAO FRIO, IMBECIL, VAGABUNDO, PROJETO DE MARGINAL E TIRA A VIDA DO REX POR PURA MALDADE. NÃO IMPORTA QUE SEJA UM CIVIL OU MILITAR, O QUE IMPORTA É QUE ELE RESPONDA PELA BRUTALIDADE QUE COMETEU.

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
23 de Março de 2014

Subespécie de gorilas tem apenas 300 animais

Conservacionistas criaram um plano de US$ 10 milhões para salvar a subespécie mais ameaçada do mundo dos gorilas – o gorila-do-rio-cross, uma população que está agora reduzida a apenas 300 indivíduos. O projeto destina-se a preservar o habitat dos animais remanescentes, assim como protegê-los de caçadores que os matam por sua carne. As informações são do The Dodo.

O gorila vive em uma área de floresta tropical montanhosa ao longo da fronteira entre a Nigéria e Camarões, em uma área de cerca de 7.456 quilômetros quadrados. A espécie é conhecida por sua inteligência, e esses animais já foram vistos usando ferramentas. Mas como grande parte de seu habitat está sendo explorado por fazendeiros, houve grande declínio de indivíduos nos últimos anos.

“Com uma população tão pequena, a perda de até mesmo um pequeno número de indivíduos a cada ano representa uma ameaça muito grave para a sua sobrevivência a longo prazo”, diz o relatório.

O plano, que se estenderá até 2019, pede mais investigação sobre a distribuição dos gorilas, esforços de conservação local, melhor acompanhamento de doenças, desenvolvimento de ecoturismo e proteção de áreas ecológicas. Os ambientalistas continuam esperançosos de que a espécie vai se recuperar.

Fonte: anda.jor.br ( foto: reprodução )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
22 de Março de 2014

Protetores contra demissão da coord. do CCZ dee São Roque

internet Destaque

A veterinária responsável pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Dra. Fernanda de Figueiredo Beda, foi exonerada de seu cargo na Prefeitura de São Roque (SP) durante esta semana. O fato causou revolta em entidades de proteção animal da cidade e protetores independentes. Isto porque, segundo os próprios protetores, “em pouco tempo no serviço, ela elaborou diversos projetos e conseguiu verba não só para melhorar a Zoonoses, mas para a estada dos animais, em sua maioria cachorros”, afirmam.

Na tarde desta sexta-feira (21), um grupo independente de protetoras de animais foi ao Paço Municipal de São Roque, participar de uma reunião com José Eduardo Charbel, da assessoria de gabinete, para questionar os motivos concretos da demissão da Dra. Fernanda. Também participou da reunião o diretor do Departamento Jurídico de São Roque, Dr. Ricardo Peres Santangelo.

Durante a reunião, o grupo se mostrava bastante indignado com a demissão da veterinária. “Nunca uma administração municipal colocou alguém tão profissional e capaz como responsável do CCZ. Como vocês a mandam embora?”, questionou Jackeline Oliveira. Jack, como é conhecida, ainda afirmou que irá lutar, junto as outras protetoras, para que a veterinária retorne ao cargo. “Eu vou armar o maior protesto se eles não levarem a sério o Controle de Zoonoses. Hoje estamos aqui na Prefeitura com poucas pessoas, mas se tiver que vir uma próxima vez, iremos trazer centenas”, disse durante a reunião.

José Eduardo Charbel disse não ter informações sobre o motivo concreto da demissão da Dra. Fernanda, mas que seria pelo fato da veterinária trabalhar com uma ideologia diferente a da Prefeitura, não concordando com alguns posicionamentos da administração pública municipal.

A única reivindicação do grupo durante a reunião foi pelo retorno da veterinária ao cargo. Charbel afirmou que irá passar o pedido ao Dr. Sandro Rizzi, diretor do Departamento de Saúde e ex-chefe da Dra. Fernanda e para o Prefeito Daniel, que não pôde estar presente devido a problemas de saúde. O assessor de gabinete ainda disse que irá apurar todos os motivos que levaram a demissão da veterinária e realizará uma reunião na semana que vem (provavelmente na terça-feira) com as protetoras de animais, para esclarecer todo o assunto.

“Está na cara que a Dra. Fernanda foi demitida por ser contra o rodeio, a romaria e qualquer outro evento que possa causar maus-tratos em animais. A prefeitura quer trocar uma excelente profissional, por uma ‘marionete’ que faça tudo o que eles mandarem”, disse a jornalista e escritora Sílvia Mello, que também esteve presente na reunião.

Fonte: JE Online ( foto: internet )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
21 de Março de 2014

Animais são assassinados em Delmiro Gouveia Alagoas

Tribuna União Destaque

Moradores da COHAB Velha e da Rua Benedito Lisboa, centro da cidade de Delmiro Gouveia (AL), estão revoltados com a matança de animais domésticos. O principal alvo dos assassinos são os gatos, segundo populares, por envenenamento.

Segundo o relato de populares, os felinos são atraídos para comerem os alimentos envenenados. O numero de gatos não foi registrados pelas testemunhas, mais praticamente todos os dias aparece um animal morto no bairro.

A polícia civil de Delmiro Gouveia, através do delegado Rodrigo Rocha Cavalcanti já registrou a ocorrência e de imediato as investigações para encontrar o autor ou autores da matança.

Matar animais é crime

A Lei Federal de Crimes Ambientais 9.605/98, em seu artigo 32 condena todo aquele que praticar ato de abuso e maus-tratos à animais domésticos ou domesticados, silvestres, nativos ou exóticos. A pena é a detenção de três meses a um ano, sendo aumentada de um sexto a um terço se ocorre morte do animal. Além da prisão o acusado deve pagar multa.

Fonte: Tribuna União ( foto: Tribuna União )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Março de 2014

ONG luta contra corrida de touros

internet Destaque

O termo “Corrida de Touros” (Running of the Bulls) evoca imagens do evento mundialmente famoso em Pamplona, ​​na Espanha. Dezenas de touros, cada um pesando mais de uma tonelada, são violentamente provocados para correr por uma via estreita na velocidade de até 60 km/h, com seres humanos frequentemente embriagados correndo pela pista com eles. A tradição histórica é extremamente perigosa, antidesportiva e cruel, mas isso não impediu que grupos replicassem o evento na França, em Portugal, no México e até mesmo nos Estados Unidos. As informações são do One Green Planet.

Um festival itinerante chamado “Great Bull Run” promove atividades de corridas de touros nos Estados Unidos, embora muitos tenham sido proibidos devido a preocupações das autoridades com a saúde pública e com a segurança. O Great Bull Run ocorreu ano passado em locais como o Texas e está com eventos programados para o norte e o sul da Califórnia, para 21 de junho e 26 de julho respectivamente, mas organizações sem fins lucrativos como a ALDF (Animal Legal Defense Fund) e o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) estão fazendo campanhas para que esses eventos sejam cancelados antes do verão.

De acordo com um comunicado à imprensa, as duas ONGs entraram com uma ação contra o Great Bull Run no Tribunal americano. O processo alega que as corridas de touros violam tanto a lei anti-crueldade da Califórnia quanto a lei contra concorrência desleal (“Unfair Competition”). O caso parece facilmente passível de obter ganho de causa: as leis do estado da Califórnia consideram claramente ilegal colocar um touro para lutar com um ser humano, bem como “submeter qualquer animal a sofrimento desnecessário”, e promover e apresentar touros em  ”touradas sem derramamento de sangue”. Essa ação é a primeira a ser movida para impedir o Great Bull Run, apesar do clamor nacional generalizado, das condenações por veterinários e ativistas, e de três internações por ferimentos relacionados à corrida em eventos passados.

“Pessoas compassivas de todo o mundo percebem que é cruel forçar animais em pânico a correr por uma pista, atropelando outros animais ou pessoas e potencialmente ferindo-se no processo”, disse Delcianna Winders, do PETA. “Este evento não é seguro, é antidesportivo e anti-americano e, no estado da Califórnia, o PETA afirma que também é ilegal”.

Stephen Wells da ALDF concorda, acrescentando: “Estes eventos mostram grande desrespeito ao bem-estar animal em busca de uma emoção barata e de lucro. Para o bem-estar dos touros, bem como para a segurança do público, nós estamos pedindo ao tribunal para parar o Great Bull Run”.

Mas não são apenas os ativistas que se opõem às corridas. Veterinários especialistas em bovinos confirmaram que esses eventos são extremamente estressantes para os touros, e apresentam risco substancial de sofrimento e danos.

Segundo os ativistas, não é possível entender por que os americanos gostariam de importar este evento sádico quando até mesmo Barcelona, ​​antiga capital de touradas do mundo, parece estar adquirindo consciência e está começando a tomar medidas para proibir a crueldade contra esses animais.

Veja o vídeo no site da anda

Fonte: anda.jor.br ( foto: jrzzaq flickr

 Nota da Redação: No Brasil é praticada a Farra do Boi no sul do país, principalmente em Santa Catarina na época da Páscoa. O evento começa quando o boi é solto e perseguido pelas ruas por homens, mulheres e crianças, enlouquecidos e em sua maioria embriagados, munidos de paus, facas, lanças de bambu, cordas, chicotes, pedras, espetos e, que atinge o auge, quando o animal exausto, tomba. Muitas vezes o boi, no desespero de fugir, corre em direção ao mar e acaba se afogando.

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
19 de Março de 2014

Égua é resgatada com sucesso

São Roque Noticias Destaque

Um égua prenha precisou ser resgatada na manhã de terça-feira (18) após cair em uma vala na região do bairro Suiça, em São Roque (SP). De acordo com o Corpo de Bombeiros, o proprietário do animal  acionou o resgate.

A égua caiu em um espaço ao lado de um pontilhão onde foi construído uma valeta de contenção de água, às margens da rodovia Raposo Tavares. Os bombeiros tiveram que amarrar o animal com uma corda e puxá-lo com cuidado, já que a égua está prenha.

Um veterinário foi chamado para acompanhar o resgate. Após o resgate, ele verificou o estado de saúde do animal. Ainda de acordo com os bombeiros, a égua ficou muito cansada por causa da queda, mas, após passar por atendimento veterinário, não foi constatado nenhum ferimento. O animal passa bem.

Fonte: G1( foto: divulgação São roque Noticias )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
19 de Março de 2014

Filhote forçado a engolir pimenta já pode ser adotado

Natacha Portal/ G 1 Destaque

O filhote de cachorro que foi forçado por três jovens a engolir molho de pimenta passou por atendimento médico e está liberado para adoção. Na terça (18), os quatro filhotes recolhidos, dois machos e duas fêmeas, foram examinados e devem passar por tratamento para recuperação dos maus-tratos sofridos.

Um vídeo feito pelo próprio dono do cachorro foi compartilhado em redes sociais no último fim de semana e ganhou repercussão nacional.

Ticiana Librelotto, a veterinária indicada para acompanhar o filhote que aparece no vídeo e mais três outros tutelados pela família, informou que os cachorros chegaram à clínica em péssimo estado.

Todos estão com erliquiose, a chamada “doença do carrapato”, e apresentam sinais de anemia.

“Como não sabemos a data exata do vídeo em que o filhote aparece engolindo molho de pimenta, não identificamos nada diretamente ligado à ingestão. Mas todos chegaram cheios de carrapatos, pulgas, bastante magros e com fome. Sinais evidentes de maus-tratos”, enfatizou.

Os filhotes estão sob responsabilidade do Grupo de Proteção de Animais de Rua (GPAR), entidade que denunciou os maus-tratos. Segundo Sílvia Lira, membro do grupo, várias pessoas já manifestaram o desejo de adotar os animais.

“Eles já passaram por atendimento e foram medicados. A pessoa que quiser adotá-los, deverá se comprometer a seguir o tratamento”, ressaltou.

Ela acrescentou que muitas pessoas estão deixando mensagem na página do GPAR em uma rede social, porém o processo de adoção será rígido, exatamente para evitar que os animais passem por maus-tratos novamente.

“Faremos uma entrevista com a pessoa e deverá ser assinado um ‘termo de adoção’, em que estarão especificadas algumas exigências, entre elas a de que o grupo está liberado para fazer o acompanhamento do animal por no mínimo seis meses”, observou.

Inquérito policial

Kaio Reis, de 19 anos, Nalison Reis, de 21, e Maiony Fróes, de 18, suspeitos de maltratar o cachorro, compareceram à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente na segunda-feira (17). Eles responderão a um inquérito policial pela prática de maus-tratos a animais domésticos e, se condenados, poderão cumprir pena de três meses a um ano de detenção.

Os rapazes também foram autuados pela Secretaria Municipal de Gestão Ambiental e Meio Ambiente (SMGA) e cada um deverá pagar multa de R$ 1 mil.

Fonte: G1 ( foto: Natacha Portal/G1 )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Março de 2014

Cão é encontrado com prego cravado na cabeça

divulgação Destaque

 Um morador do distrito de Vila Celeste entrou em contato com a Associação Protetora dos Animais do Município de Santa Helena (Aproar), para comunicar uma crueldade que havia sido cometida com um cachorro. Segundo o homem, o cão apareceu em uma residência da localidade, com um prego cravado na cabeça. Um voluntário da Aproar foi até o distrito, recolheu o animal e o encaminhou para uma clínica veterinária, onde ele deve receber os devidos cuidados.

Fonte: Guia Medianeira ( foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Março de 2014

Animais morrem eletrocutados em Maceió Alagoas

Conexão Penedo Destaque

Animais de várias espécies estão morrendo em uma área de mata no bairro Chã da Jaqueira, em Maceió (AL), segundo denúncia ao portal Gazetaweb, no inicio desta semana. Ademir Moreira da Silva, morador da região, explicou que uma fiação exposta vem causando a morte de macacos, preguiças, saguis e morcegos, que não encontram barreiras para chegar ao poste.

De acordo com Ademir, a cena vem se repetindo desde o carnaval. Várias espécies acabam presas na rede de energia e a comunidade fica receosa em retirar os animais do poste. “Somente quando eles caem, a população dá um destino, mas ninguém da Secretaria do Meio Ambiente chega aqui para verificar a cena triste. Fui lá e pediram para eu entrar em contato com a Eletrobras, mas preferi falar com a imprensa”, disse o morador.

Ao todo, macacos, preguiças, saguis e morcegos são as vítimas da fiação. “É terrível ver a morte dos animais, inclusive em meio ao lixo que toma conta do local, bem perto da Secretaria do Meio Ambiente. Alguém tem que tomar uma providência”, alertou Ademir, emocionado.

Fonte e foto: Conexão Penedo

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Março de 2014

Canadá tenta derruba proibição da importação de dericados de foca

reprodução Destaque

A audiência de Ottawa que apela a decisão da Organização Mundial do Comércio, que confirmou a proibição da importação de produtos derivados de foca na União Europeia, está marcada para começar hoje. As informações são do Daily Business Buzz.

A Ministra do Meio Ambiente, Leona Aglukkaq, irá defender que a caça é humana, sustentável e bem regulada, quando aparecer perante a OMC, em Genebra, para uma audiência de três dias.

A OMC confirmou a proibição da importação de produtos derivados da foca para a UE em novembro, citando preocupações morais públicas de bem-estar animal. Aglukkaq afirma que os críticos da matança estão baseando suas opiniões em mitos, desinformação e emoção equivocada.

Defensores dos direitos animais dizem que a caça comercial é uma chacina desnecessária e que a decisão foi uma grande vitória que protege esses mamíferos marinhos. Mas os caçadores Inuit, entre outros, defendem que a proibição europeia vai acabar com os principais mercados internacionais.

A caça comercial de focas de Newfoundland na primavera passada assassinou cerca de 91 mil animais, contra 69 mil no ano anterior, mas muito aquém da quota federal de 400 mil.

Fonte: anda.jor ( foto: reprodução )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
17 de Março de 2014

Cão doente e depressivo tem final feliz

internet Destaque

Tiny, um Rottweiler abandonado, é a prova viva de que o amor pelos animais pode salvar muitas vidas.

Sean McCormack, dono de um abrigo para animais, encontrou Tiny numa rua. O animal estava maltratado, doente e abandonado.”Quando eu o vi pela primeira vez, estava demasiado magro e muito doente e concordamos em levá-lo para o abrigo”, contou Sean ao ‘DailyMail’.

A magreza e sujidade de Tiny dificultaram a identificação da sua raça à primeira vista.

“No início, eu pensei que era um mastiff porque ele estava em mau estado e foi difícil para mim perceber qual era a sua raça. Mas o meu amigo Jeff , que tem dois Rottweilers resgatados, soube de imediato que aquele pequenino era um Rottweiler”, acrescentou.

Apesar de estar às portas das morte, o animal se recuperou de forma surpreendente.

“O seu progresso foi lento mas acabou por ser um dos sortudos que não teve nenhuma recaída”, afirmou Sean.

Apesar do receio que havia quanto a Tiny poder ser um animal agressivo, o animal acabou por se mostrar “um dos mais doces animais encontrados eles experimentado no Santuário.

Dr. Yang do ‘YangMing Veterinary Hospital’ em Taipei, China foi o veterinário que ajudou com a recuperação de Tiny.

“Temos de agradecer ao Dr. Yang pela recuperação surpreendente de Tiny embora o ambiente natural e feliz tenha ajudado muito. Nós fornecemos uma dieta saudável a todos os nossos animais e isso contribuem para uma rápida recuperação”, revelou Sean.

A recuperação rápida foi uma surpresa para todos.

“Sabíamos que poderíamos curá-lo mas ficamos espantados com o cão fantástico que tinha sido escondido debaixo da doença e depressão”, continuou McCormack.

Saudável e meigo, Tiny conseguiu ganhar o título de “Melhor Cão”, reconhecido pela ‘RSPCA’, a principal instituição de caridade e bem-estar do Reino Animal na Grã-Bretanha.

Mais de 300.000 pessoas registadas na página da RSPCA no Facebook para votar em Tiny.

“Estamos todos na lua com o título de ‘Grande Campeão de 2014′ e espero que isto sirva como alimento para o pensamento de todos aquelas organizações de resgate que matam animais”, afirmou Sean.


“Apaixonei-me imediatamente pelo Tiny, adorável com um nome irônico”, confessou Laeila Pereira.

O amor pelo animal tornou-se uma grande parte da vida de Laeila.

“Eu mudei-me para um apartamento só para o adotar. Agora é um cão bonito e muito amado”, revelou.

Tiny é agora um cão feliz e mimado.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.
Fonte: Correio da Manhã ( foto: divulgação  )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
17 de Março de 2014

Jovens que fizeram filhote engolir pimenta são multados

internet Destaque

Os três jovens que fizeram um filhote de cachorro engolir pimenta, em Boa Vista, compareceram à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente na manhã desta segunda-feira (17).

Contra eles foi instaurado um inquérito policial pela prática de maus-tratos. Eles também foram autuados pela Secretaria Municipal de Gestão Ambiental e Meio Ambiente (SMAG) e foram multados.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Glauber Lorenzini, contra os jovens Kaio Reis, de 19 anos, Nalison Reis, de 21 anos e Maiony Fróes, de 18 anos, foi instaurado inquérito policial pela prática de maus-tratos a animais domésticos e, se condenados, os rapazes responderão em liberdade ou poderão cumprir pena de três meses a um ano de detenção.

“Eles prestaram depoimento e nós abrimos um inquérito. Caso eles sejam condenados, cumprirão pena na penitenciária ou poderão pedir a transação penal e pagar multa ou prestar serviços à comunidade”, explicou.

Além de serem acusados criminalmente, os rapazes foram autuados e cada um deverá pagar multa de R$ 1 mil à SMAG. Os responsáveis pela secretaria recolheram os três filhotes que moravam na casa dos jovens. Os animais foram levados à sede da secretaria e poderão ser retirados pelos próprios familiares.

A veterinária Ticiana Librelotto, indicada para acompanhar o caso, examinou o filhote que aparece no vídeo e concluiu que ele está bem, apesar de apresentar anemia e ter pulgas e carrapatos. A veterinária também explicou que o molho de pimenta que o animal engoliu poderia ter causado intoxicação, diarréia, vômito, gastrite ou levado à morte por sufocamento.

“O molho poderia ter causado os mesmos problemas que causaria a um bebê de dois meses, mas o filhote está bem”, contou.

No vídeo que foi postado em redes sociais, os jovens mostram como fazer o cachorro ‘deixar de ser preguiçoso’ e dão ‘uma pequena dose’ de pimenta ao animal. O filhote, após ingerir a pimenta, fica desorientado.

Os rapazes envolvidos no caso de maus-tratos não quiseram se pronunciar, mas a mãe de Kaio e Nalyson Reis, contou que os jovens estão sofrendo ameaças. “Eu não posso entrar na internet que já vejo centenas de ameaças contra eles. Eles estão muito assustados, mas sabem que erraram e estão muito arrependidos”, contou.

Fonte: G1 

NOTA DO BLOG: Depois que os três idiotas maltratam um filhote indefeso vem a mãe em defesa afirmar que os seus pequeninos projetos de marginais estão assustados.e ela está preocupada com as ameaças nas redes sociais. Se ela não sabe, maus-tratos é crime, que infelizmente no Brasil os bandidos pagam com serviços comunitários e cestas básicas.Será que por algum instante ela pensou no sofrimento do filhote ?

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
16 de Março de 2014

Elefante derruba casa e salva criança

yahoo índia Destaque

Um elefante perdeu o controle e destruiu a parede de uma casa. O caso ocorreu em Olgara um vilarejo de Purulia, na Índia. Porém o curioso que após a ação o animal voltou a residência após escutar choro de uma criança e salvar a vida de um bebê.

O elefante usou sua tromba e recolheu o bebê de 10 meses em meio aos escombros no interior da residência.

Lalita Mahato, mãe de Basanti Mahato, a menina resgatada pelo animal, classificou o episódio como “um milagre”.

‘Rezamos para Lord Ganesh (deus-elefante) na nossa vila. Ainda não consigo entender porque um elefante salvou minha filha após derrubar uma parede’, concluiu a mulher.

A menina sofreu ferimentos leves. Funcionários florestais disseram que o mesmo elefante havia matado pelo menos três pessoas e danificado 17 casas mais cedo. As informações foram retiradas do site Yahoo India.

Fonte: Diário da Manhã ( foto : Yahoo India )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
15 de Março de 2014

No dia dos animais eles dão lição aos humanos

Fernanda Soares G 1 Destaque

A cena é intrigante e se repete com frequência no Centro Histórico de Petrópolis, Região Serrana do Rio. Cachorros se misturam aos humanos e aguardam a sua vez de atravessar em segurança na faixa de pedestres. Adaptação, observação e até um grau de consciência são algumas das explicações apontadas por especialistas e estudiosos para o comportamento “civilizado” dos animais. No Dia dos Animais, comemorado nesta sexta-feira (14), eles são um exemplo para o próprio homem.

“Eles seguem o fluxo de pessoas. Já se tornou um hábito ir atrás da multidão. Poderiam atravessar em qualquer lugar, mas preferem a faixa”, afirma Benício Pacheco de Assis, de 40 anos, dono de uma banca de jornais na Praça Duque de Caxias, no Centro. No local vivem pelo menos cinco cães que recebem cuidados dos taxistas e outros grupos de pessoas. “Fico aqui o dia todo e a cena se repete diversas vezes”, diz o jornaleiro, se referindo aos “pedestres caninos”.

A veterinária com especialidade em comportamento animal, Christianne Moll, explica que os cães aprendem por experiência e por imitação/observação. “Eles foram ou assistiram a atropelamentos e observaram que a atenção para atravessar as ruas é essencial para sua integridade física”, destaca Moll.

A coordenadora de atividades da ONG AnimaVida, Ana Cristina Ribeiro, acrescenta que estudos apontam que outras espécies também têm esta capacidade. “Todo animal tem seu grau de inteligência e utiliza a observação para sua sobrevivência”, diz ela, acrescentando que este seria o caso dos pombos, que também desenvolveram o hábito de utilizar a sinalização na cidade.

 

Uma pesquisa científica desenvolvida por Stanley Coren na Universidade Columbia Britânica, no Canadá, aponta que a inteligência dos cachorros é dividida em três níveis: instintivo, adaptativo e aprendizado.

Para Ana Cristina, o que se vê no Centro de Petrópolis é uma prova de inteligência adaptativa, que é quando o animal aprende a resolver problemas conforme a experiência e estímulos recebidos.

Exemplo a ser seguido pelos humanos

Pretinho é um exemplo de cão que não se arrisca. Ele faz parte do grupo que “mora” na Praça Duque de Caxias, que fica próxima a cruzamentos perigosos onde foram registrados dois atropelamentos no ano passado. Para ir de um lado a outro, ele não “corta caminho” e obedece a sinalização.

Alguns motoristas se rendem ao encanto dos animais “conscientes”, como é o caso de Marcello Santos, de 35 anos. “Já parei várias vezes para o cachorro atravessar. É justo, já que ele aguardava na faixa”, brinca. Mas Marcello não acredita que haja lógica neste hábito. Na opinião dele, os animais apenas gostam de acompanhar o movimento das pessoas.

Por inteligência ou puro instinto, o fato é que este comportamento deveria fazer parte também da rotina da população. No ano passado, 120 pessoas foram atropeladas na cidade. Os dados são do 15º Grupamento de Bombeiro Militar. Somente nos dois primeiros meses de 2014, já foram 18 acidentes deste tipo. Parte deles poderia ter sido evitado se a população seguisse o exemplo dos cães.

Fonte: G1 ( foto: Fernanda Soares G 1 )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
15 de Março de 2014

Cadela é agredida e enterrada viva

rede Record Destaque

Uma cachorra da raça pastor-alemão foi encontrada na quinta-feira (13) por um morador de Vera Cruz, no Rio Grande do Sul, enterrada e ainda viva em um terreno, entre a vegetação.

Bela, como está sendo chamada, tinha cortes, infecção no olho e uma fratura exposta em uma das patas.

De acordo com a veterinária responsável pelos cuidados com o animal, trata-se de um crime de maus-tratos e enterrar a cachorra ferida e ainda viva foi um ato de crueldade.

Fonte: R7 ( foto: rede Record )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
14 de Março de 2014

Volta Redonda autoriza prova dos 3 tambores

divulgação Destaque

O governo da cidade de Volta Redonda (RJ) autorizou a realização da prova de três tambores, durante a XVII Festa do Peão programada para os dias 11 a 13 de abril. Tal prova fere a Lei Municipal 4.890, aprovada em 2012, que proíbe a realização de rodeios, touradas, vaquejadas, farras de boi ou qualquer evento com a “utilização de bovinos, equinos em que há provas ou exibição de montaria, laço perseguição, derrubada, puxada, tourada, ferimento, mutilação, constrangimento à integridade física, psicológica, submissão a estresse ou qualquer forma de subjugação dos animais, com ou sem utilização de instrumentos que lhes causem dor ou desconforto”. As informações são da ONG Vira-Lata.

Três tambores é uma competição na qual um cavalo montado pelo competidor deve passar, no menor espaço de tempo possível e sem penalidades, por três tambores dispostos em forma de triângulo e colocados a certa distância uns dos outros. É uma prova de montaria que o cavaleiro instiga o animal para que ele realize um percurso irregular, com curvas de 360°, com a máxima velocidade possível.

Os cavalos são “incentivados” por açoites e esporadas no baixo ventre, além de outras agressões, são obrigados a ganhar velocidade em um terreno não preparado para tal, em meio ao som ensurdecedor de fogos de artifício, gritos do locutor, holofotes, além de uma multidão agitada e alcoolizada que o cerca por todos os lados.

Um vídeo postado online mostra uma competição realizada em 2011 pela mesma empresa da festa de Volta Redonda, a Falcão Top Team, em Paty do Alferes (RJ), na qual um cavalo morreu em plena arena durante a realização da prova. O animal aparece completamente imóvel, deitado no chão, enquanto os peões usam varas para fazer com que ele se levante.

Assine a petição contra a realização da prova e manifeste sua indignação ao prefeito Antônio Francisco Neto:

Facebook 

E-mail: prefeito@vr.rj.gov.br

Fonte: anda.jor.br ( foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
14 de Março de 2014

Promotor propõe carne de jumento nos presídios

Odacy Amotim Destaque

Carne de jumento no cardápio dos detentos do sistema penitenciário do Rio Grande do Norte. É o que propõe o promotor Sílvio Ricardo Brito, da 2ª Promotoria de Apodi, cidade do Oeste do estado, para dar uma destinação aos cerca de 600 animais apreendidos nas estradas federais que passam pela região.

A proposta foi  pauta de um almoço marcado para a  quinta-feira (13), oportunidade na qual autoridades convidadas experimentaram pratos com carne de jumento. "Vão comer e saber que é uma alimentação saudável", diz o promotor.

Sílvio Brito explicou ao G1 que a ideia surgiu após reuniões com professores do curso de Veterinária da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa). "Chegamos à conclusão que uma das soluções para a questão dos animais apreendidos é estimular o consumo da carne de jumento. Os veterinários atestaram que o alimento é próprio para o consumo humano. Não é consumido por uma questão cultural. Queremos quebrar essa barreira", conta.

A ideia de inserir a carne no cardápio do sistema penitenciário será colocada após o primeiro momento de degustação. "Dependendo da receptividade quem sabe depois podemos expandir para a merenda escolar e nos hospitais", propõe Brito. Foram  convidados para o almoço prefeitos, vereadores, promotores, juízes, representantes da comunidade e diretores de unidades prisionais de Caicó, na região Seridó, além de Pau dos Ferros, Mossoró e Apodi, na região Oeste.

O promotor acrescenta que tudo começou em uma audiencia pública realizada no ano passado para tratar a questão dos animais nas estradas. A partir de um trabalho com as polícias rodoviárias federal e estadual formou-se uma entidade que recolheu até o momento 600 animais nas rodovias. Os bichos ficam alojados em uma fazenda da Associação de Proteção de Animais de Apodi.

"Destinamos mais de R$ 30 mil em prestações pecuniárias de condenações judiciais para comprar medicamentos, alimentos e montar a infraestrutura das unidades, mas o custo tem cada vez mais aumentado. Daqui para o meio do ano a estimativa é que estejam alojados mil jumentos e no fim do ano dois mil animais", conclui o promotor.

FONTE: g 1 ( FOTO: Odacy Amorim )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
13 de Março de 2014

Morre cão idoso que inspirou fotógrafa

facebook.com Destaque

Apaixonada por animais, a americana, que vive com a família na Carolina do Sul, decidiu registrar o golden retriever da família Chuppy, em situações mágicas.

Ela não queria guardar imagens comuns do cão e, por isso, passou a criar pequenas produções para fotografá-lo. Com cenário ou figurino inusitados, Jessica acabava produzindo imagens que encantavam seus amigos e familiares na web.

A americana, então, criou uma página virtual, além de perfis no Facebook e Instagram, para divulgar suas fotos.

O número de seguidores de Jessica não parava de aumentar, mas o grupo acabou dividindo com a garota uma triste notícia: idoso e bastante doente, Chuppy morreu na última semana.

O que eu faço agora? Meu coração está partido”, postou a americana com a foto abaixo, a última na qual o cão aparece.
Centenas de pessoas enviaram mensagens de consolo para Jessica. “Estou tão triste quanto você. É como se eu conhecesse o Chuppy por meio de suas fotos”, escreveu Lily DeSilva.

Já a brasileira Gabriela Coutinho Simões disse entender a dor e a tristeza de Jessica. “Sei como é difícil. Também perdi um cachorro, mas as lembranças que tenho dele são as melhores, aquelas que sempre me fazem sorrir”.

Fonte: Globo Rural(Foto: Reprodução/Facebook/Jessica Trinh Photography)

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
12 de Março de 2014

Mulher cuida de 27 cães abandonados

internet Destaque

A estudante Sonia Cipriano conta que no início tutelava apenas quatro cachorros, mas o número foi aumentando devido ao espaço que tinha na casa. Quase todos são cães sem raça definida. Apenas um rottweiler foi comprado. “Em Londrina, no Paraná, eu aluguei uma casa que tinha um campo de futebol. No início eram só quatro. Depois fui pegando mais. Quando eu mudei para Praia Grande trouxe 17 comigo e aqui peguei mais 10”, diz.

Sonia diz que ela não vai atrás dos animais. Ela brinca que eles simplesmente aparecem na vida dela. “Eles aparecem, se jogam na frente do meu carro. Parece que um vai falando para o outro: se joga que ela te leva! Um dia eu estava passando na estrada e observei uma caixa de papelão na via, aí de repente sai uma cabeça de cachorro da caixa. Eu não resisto. Outra vez eu fui a um posto de gasolina e o dono falou de uma cachorra que não saía dali. Começou a trovejar e quando eu vi ela estava no banco do meu carro”, conta Sonia.

O mais inusitado da história são os nomes dos cachorros. A moradora brinca que na casa dela os nomes “Totó” e “Rex” não têm vez. Ana Laura, Igor, Rafael, Poliana, Carolina, Ariane e Ben Hur são alguns dos nomes de seus cachorros. “Eu não tive filhos, então escolho para os cachorros nomes que daria para crianças. Todos os nomes são estudados. Levo cerca de uma semana para decidir e eles adoram a escolha. São nomes fortes, como Amélia, Loreta e Elza”, afirma Sonia.

Ela diz ainda que alguns nomes dos cachorros foram escolhidos por causa de ídolos. “Greg, por exemplo, é do seriado House, que eu amo. Tem o Elvis, que eu também amo. E também tenho a Adele, já que sou fã da cantora. Tem a Glorinha, a Suzy e a Clarice também. A maioria é fêmea. São apenas cinco machos, porque temia que eles brigassem entre si”, explica.

Os cachorros são divididos em alas. São cinco no total. “Sabe raio de cadeia? É basicamente isso. Eu separo eles pelas personalidades. Alguns não se dão com os outros. Cada área tem um líder e não posso misturar com outro líder. Menos a Samira, que é a líder do grupo todo e ela tem livre acesso em todas as alas. Tem todo um ritual. O quintal da frente é o pátio deles. Vou soltando eles em grupos para brincarem na frente da casa. Enquanto isso troco água e dou comida”, afirma Sonia.

Ela afirma que os vizinhos não reclamam da “cachorrada”. Até um agente da zoonoses já agradeceu a moradora por abrigar esses animais que viviam nas ruas. “O veterinário vem em casa sempre. Todos são castrados e vacinados. Dou banho semanalmente e minha casa está sempre limpa. Eles dormem a noite inteira, não tem barulho aqui, apenas quando eu chego da faculdade que são 20 minutos de latido e empolgação”, diz.

Sonia diz não se importar com o trabalho e dedica quase o dia todo aos 27 cachorros. “Eu já viajei muito. Hoje em dia só saio para ir à faculdade. Não consigo aproveitar pensando neles aqui presos. Eu durmo com sete deles na minha cama. Às vezes eu sinto que a cama está muito espaçosa e vejo que ficou um para fora. Mas não perco nenhum. Cada um tem seu espaço e não tem preferido. Sou apaixonada, não consigo mais imaginar a minha vida sem eles”, finaliza.

Fonte: G1(Foto: Anna Gabriela Ribeiro/G1)

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Março de 2014

Cavalos: as vítimas da l guera mundial

reprodução Destaque

 Ao fim dos quatro anos da guerra que começou em 1914, o mundo contabilizava suas vítimas: 15 milhões de mortos e mais 20 milhões de feridos. Agora, no centenário da I Guerra Mundial, os pesquisadores voltam os olhos para as vítimas esquecidas do conflito. Além da carnificina humana, as batalhas que se espalharam pela Europa dizimaram cerca de 8 milhões de cavalos, a principal força animal usada na agricultura na época. A cada dois homens atingidos por tiros, bombas e gases letais, um cavalo morreu.

Só os exércitos franceses utilizaram entre 1,5 milhão e 1,8 milhão de equinos, enquanto a Inglaterra levou para os campos de batalha outros 1,2 milhões e a Alemanha, 1 milhão. Os demais países, estimam historiadores, somavam 4 milhões de animais. Oitenta por cento dos cavalos franceses morreram em campo, 35% deles por tiros inimigos, destino parecido com os das demais tropas. A maior parte morria de fome e exaustão, sacrificada ou abandonada nas longas travessias entre os campos de batalha.

Os cavalos começaram a ser recrutados no início da guerra, junto com os soldados. Na França, uma lei de 1877 permitia que o governo tomasse os animais para servir em conflitos. Assim, em agosto de 1914, 730 mil cavalos franceses, um em cada quatro no país, marcharam para as trincheiras. A França contou ainda com 20 mil animais vindos da Argélia e mais 30 mil importados de outros lugares. “No campo, desapareceram, ao mesmo tempo, homens e cavalos”, afirma a historiadora Gene Tempest, pesquisadora da Universidade Yale, nos Estados Unidos.

Gene conduziu um estudo de quatro anos sobre a presença dos cavalos nos exércitos britânicos e franceses na I Guerra Mundial. Vasculhou arquivos dos dois países e descobriu que os bichos eram muito mais numerosos nas batalhas do que se imaginava.

No início dos combates, os equinos retirados das fazendas, indústrias e pequenos sítios eram colocados nas linhas de frente — uma herança das guerras do século 19, apoiadas em colunas poderosas de cavaleiros. Com o desenvolvimento de armamentos mais precisos, os generais perceberam que os cavalos pouco ajudavam no front. Por serem grandes demais, tornavam-se alvos fáceis para tiros e bombas.

A cavalaria seria importante até o fim do conflito em batalhas no Oriente Médio e no leste da Europa. Mas, no oeste do continente, seu papel essencial era o de meio de transporte. Noventa por cento dos animais eram usados para carregar os canhões até a linha de tiro, transportar soldados, alimentos, armas, munições e correspondências. Eles carregavam os mortos após as batalhas e serviam como veículo silencioso para espionar tropas inimigas. Registros de combates, como fotos e diários, mostram que são poucos os acampamentos sem a presença de cavalos. Segundo Gene, é um mito imaginar que, como a cavalaria desapareceu, os cavalos também estiveram ausente das guerras. Eles permaneceram em todas as batalhas da primeira metade do século XX.

A razão da larga utilização desses animais é que eles se davam muito melhor em ambientes frios e lamacentos — como as trincheiras — do que carros e caminhões. Na década de 1910, os cavalos eram mais disponíveis e baratos do que os motores. Além disso, a maior parte dos homens que lutaram na guerra estava acostumada a conduzir cavalos, enquanto eram raros os que sabiam dirigir caminhões e tanques.

Estar longe das balas e minas, entretanto, não evitou o massacre dos animais. Como os soldados, eles morreram aos milhões. O serviço veterinário de guerra francês contabilizou, durante os quatro anos de guerra, 6,5 milhões de atendimentos aos cavalos — o que significa que cada um entrou nas enfermarias em torno de sete vezes. Para substituir essa força de trabalho tirada de circulação, os exércitos organizavam missões para a compra de animais ao redor do mundo. Os britânicos importaram 700 mil dos americanos e 5 mil dos uruguaios. A França comprou 500 mil dos Estados Unidos e outros 70 mil da Argentina. “No início do conflito, França e Inglaterra esperavam adquirir ainda mais dos países da América do Sul. No entanto, a biologia dos animais interveio a seu favor. Eles não suportavam muito bem a mudança de estação e a viagem era mais longa que dos Estados Unidos para a Europa”, explica Gene.

A França gastou 139 milhões de dólares no comércio equino com os Estados Unidos, enquanto os ingleses pagaram 337,5 milhões de dólares. Comparado ao preço dos animais europeus, os americanos eram bem mais baratos. “Era politicamente menos custoso comprar animais de fora do que pedir à população europeia que sacrificasse os seus”, diz a historiadora.

O número poderia ter sido maior, se os cavalos importados não fossem, em sua maioria, considerados selvagens pelos europeus. Relatos de soldados franceses mostram que era preciso domar os animais e ensiná-los a enfrentar os horrores da guerra antes de serem explorados.

Além do número de bichos que diminuía, as tropas precisaram lidar ainda com outro problema: a alimentação. Em 1917, eram necessárias 3.750 toneladas de aveia diárias para suprir as necessidades dos animais. Desse total, 70% vinham dos Estados Unidos, que diminuíram as exportações devido ao alto preço do frete. Ver os cavalos famintos, sem forças para os combates e, muitas vezes, morrendo de inanição, significava um forte abalo emocional para os soldados. Para alguns, a perda dos animais inocentes era um trauma a mais, somado à morte inútil de milhões de companheiros entre balas, minas e o arame farpado que cobria as trincheiras.

Homens e cavalos são recrutados conjuntamente e sua presença no front contribui ainda mais para sua humanização — os bichos eram vistos como soldados de outra categoria. Durante as batalhas, são as sociedades de apoio animal que cuidam dos cavalos. Elas levantam recursos para os serviços veterinários nos acampamentos e instituições constroem seus próprios hospitais no front. Durante os quatro anos do conflito, 250 mil libras são enviadas pela RSPCA para o tratamento de animais. Em 1916, o secretário de guerra dos Estados Unidos solicitou à American Humaine Association ajuda para os bichos feridos. Foi o embrião da Red Star Animal Emergency Service americana que, até hoje, cuida de animais vítimas de desastres.

Para os soldados, a visão dos cadáveres dos cavalos, grandes e malcheirosos, causava um impacto profundo. Afinal, esses bichos acompanhavam a maior parte dos homens em tempos de paz, nas cidades ou no campo.

Relatos de psiquiatras militares mostram que ver um companheiro morrer — mesmo de quatro patas — era uma agressão para o equilíbrio psíquico dos combatentes, que podia levar à revolta, ao horror e à indignação. Além do sentimento de dor, a morte dos cavalos se tornou, para muitos soldados, um meio de exprimir o sofrimento vivenciado nas trincheiras. “Nos testemunhos de combatentes, descrever a dor da perda de um animal era uma forma indireta de expor a angústia pelas mortes humanas”, explica Baldin. “Há sempre uma transposição entre bichos e humanos.”

Fonte: Veja ( foto: reprodução )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Março de 2014

Crueldade: tubarões mortos no litoral de Alagoas

gazetaweb Destaque

A presença de tubarões em águas alagoanas está preocupando responsáveis pela segurança de banhistas e pescadores do estado. Nas últimas 48 horas, dois animais da espécie foram capturados por pescadores.

O primeiro deles, um tubarão-martelo de cerca de 400 quilos e quatro metros de comprimento, estava na Praia da Pajuçara, em Maceió, quando foi flagrado pelos irmãos Adailson e Adilson de Santana. A dupla levou mais de seis horas para capturar o animal.

Menos de dois dias depois, foi a vez do Povoado Lagoa Azeda, no município de Jequiá da Praia, litoral sul de Alagoas, registrar a presença de mais um tubarão. Desta vez, o animal estava preso em uma rede de pesca e, após duas horas de esforço, foi retirado da água.

Cerca de 300 quilos de carne do tubarão foram distribuídos pelos pescadores responsáveis pelo resgate a moradores da região. Antes da distribuição, crianças e curiosos aproveitaram para fotografar o gigante.

Fonte: G 1 Alagoas ( foto: gazetaweb )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Março de 2014

Roberto Carlos : " nunca fui vegetariano " diz empresário

divulgação Destaque

As restrições alimentares de Roberto Carlos voltaram à tona na segunda-feira após o empresário do cantor, Dody Sirena, declarar em sua página em uma rede social que o cantor nunca foi vegetariano, apenas “deixou de comer carne vermelha durante muitos anos”. No recado, Dody ainda destaca que o cantor investe em gado e em produção de carne desde 2005 e que há sete anos teria cogitado recolocar o alimento em seu cardápio.

Mais uma contradição na lista de Roberto Carlos, que se mostrou a favor de biografias não autorizadas, mas nunca se moveu para liberar a sua própria.

O vegetarianismo de Roberto Carlos virou alvo de discussão recentemente, quando ele topou virar garoto-propaganda da marca de carne Friboi. No vídeo, o cantor aparece na mesa de um restaurante diante de um prato de carne grelhada. “Você voltou a comer carne, Roberto?”, pergunta o garçom. A resposta afirmativa é seguida pelo refrão de O Portão, que diz: “Eu voltei, agora para ficar”.

Confira abaixo o comunicado de Dody Sirena:

“Eu decidi que não ia falar sobre o assunto ‘Roberto Carlos – Friboi’. Vários veículos me procuraram e como eu já estava com uma viagem programada para tratar de assuntos do show em Las Vegas, resolvi não responder.

Agora fechando as malas para voltar, quero colocar apenas 3 pontos que ficaram mal explicados:

1- Roberto Carlos nunca foi vegetariano, apenas não comeu carne vermelha durante muitos anos.

2- Desde 2005 Roberto Carlos investe em gado, fato amplamente divulgado pela imprensa, com objetivo de produção de carne de qualidade.

3- Em 2006 ele começou a falar em voltar a comer carne e de fato voltou.

Diante disso qual a surpresa com a relação do Roberto com carne e produção de proteína animal? Está com um ótimo parceiro e o comercial é apenas o início de um longo relacionamento.”

Fonte: Veja ( foto: reprodução )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Março de 2014

Cadela agredida com machadadas passa bem

divulgação Destaque

Três dias após ser submetida a uma cirurgia de reconstituição da mandíbula, a rotina da cadela Vida se assemelha a de um cachorro como qualquer outro. Já recuperada, ela é levada, diariamente, para passear e, em breve, poderá ser colocada para adoção.

Segundo a responsável pela Coordenadoria de Proteção à Vida Animal (Codevida) de Santos, Leila Abreu, a pit bull mostra, a cada dia, que se recupera do episódio do último dia 12, quando foi encontrada agonizando no Cemitério da Areia Branca, em Santos. “Ela adora passear um pouco na rua. O coração, apesar de melhor, ainda requer muitos cuidados”, afirma.

O animal da raça pit bull tem aproximadamente 2 anos e foi agredido com golpes de machado na cabeça, a cadela foi encontrada com anemia profunda, edema cerebral e fratura na mandíbula. Além dos ferimentos, ainda corria riscos por apresentar uma aceleração cardíaca.

Antes da cirurgia, Vida apresentava 200 batimentos por minuto. Porém, a suspeita era de que a taquicardia estivesse relacionada à dor provocada pelo ferimento na mandíbula.

Ainda segundo Leila, o coração do animal requer “cuidados eternos”. “Assim como os humanos cardíacos que precisam de tratamento”, finaliza.

Fugiu

Após ter sido agredido, o animal foi arrastado com uma corrente e arremessado para dentro de um cemitério. Ao perceber que vizinhos viram toda a ação criminosa, o agressor, tutor da cadela, fugiu do local.

Fonte: A Tribuna ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
24 de Fevereiro de 2014

Cão encontra corpo de menina assassinada em Santos

Ana Gabriela Ribeiro/G1 Destaque

Centenas de pessoas se mobilizaram nas buscas pela adolescente Elza Liviane Ribeiro, de 14 anos, que ficou desaparecida por três dias e foi encontrada morta no sábado (22), em um terreno ao lado de sua casa, em Santos, no litoral de São Paulo. Segundo o rapaz que encontrou o corpo, porém, foi um dos cachorros que estava sempre ao lado dela que fez o alerta sobre o local onde estava a vítima.

A jovem foi achada por um amigo da família em um terreno a cerca de 25 metros ao lado da casa em que ela vivia. Marcos Rodrigues Coelho conta que o cachorro foi fundamental na busca. “O cachorro ajudou na busca, ele estava ali latindo e olhando para o local. Eu falei para a avó dela que tinha alguma coisa ali. Mas ninguém acreditou. Aí descemos o morro e eu entrei com um rapaz para ver. Eu encontrei ela ali, a minha reação foi sair correndo para avisar”, lembra Marcos.

Segundo o amigo da família da vítima, este cachorro que ajudou na busca estava sempre ao lado de Elza. “Ele vivia grudado nela, onde ela ia ele ia atrás. Ele que nos alertou, acho que tentou ajudar mesmo, porque gostava muito dela”, conta Marcos.

Caso
O corpo da menina foi encontrado com sinais de violência sexual. Mais de 100 pessoas trabalharam nas buscas pela jovem. Ninguém foi preso até o momento.

Segundo a mãe de Elza, um colega de escola foi chamar a menina em casa, na comunidade Monte Cabrão, por volta das 15h de quarta-feira (19) e desde então ela sumiu. O boletim de ocorrência foi registrado na delegacia sede de Guarujá, no litoral de São Paulo, que é próximo da comunidade de Monte Cabrão. Mas, segundo a mãe da vítima, o caso será investigado pelo 1º DP de Santos a partir de segunda-feira (24), quando os envolvidos vão prestar depoimentos à polícia.

Fonte: globo.com ( foto: Ana Gabriela ribeiro/G1 )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
24 de Fevereiro de 2014

Vereadora pede criação de gatil em Uberaba

internet Destaque

Preocupada com a situação dos felinos, a vereadora Denise Max (PR) apresentou um requerimento solicitando ao prefeito Paulo Piau que crie um Gatil Municipal (Abrigo para gatos), no Departamento de Zoonoses, com o objetivo dos gatos abandonados e maltratados, a maioria faminta e doente, também tenham um lugar específico para recebê-los. “A minha proposta é criar um espaço, onde sejam aplicadas políticas públicas para os gatos, que, muitas das vezes, nunca foram a um veterinário”, ressaltou.

A vereadora informou que tomou a iniciativa de propor essa ação ao Executivo porque na cidade não existe nenhuma ONG voltada especificamente para acolher os felinos abandonados, os lares temporários existentes são insuficientes e tem poucas pessoas interessas em adotar um gato. “Acredito que a criação de um gatil seja uma solução para amenizar o problema que vem incomodando as pessoas envolvidas na causa animal, já que a doação é muito pequena e não tem como resolver esse problema”, apontou.

Na oportunidade, a republicana denunciou a atitude de vigilantes sanitários, que, ao inspecionarem comércio de gênero alimentício, quando se deparam com gatos ou cachorros, mesmo sendo de propriedade do dono do estabelecimento, exigem que sumam com os animais. “É muita falta de compaixão e sensibilidade por parte destes funcionários públicos, porque qualquer vida tem que ser respeitada. Inclusive, a nossa Constituição Federal garante que os animais também tenham uma vida digna”, manifestou Denise, que informou que já esteve com o secretário de Saúde, Fahim Sawan, para pedir que seja feita palestra educativa para os funcionários dessa área.

Explicando que animais, hoje, já não são vistos como animais domésticos e, sim, entes da família por muitos tutores, Denise ressaltou que é lamentável o fato de animais não poderem entrar nos asilos, porque alegam que eles podem transmitir doenças. “Eu conheço vários idosos que gostariam de conviver com os seus animais, já que são privados do contato com a família e isso é muito triste. Eu não sei com que argumento eles privam o tutor de ter convivência com os animais, já que até no Hospital Albert Einstein, um dos maiores do país, é permitida a entrada de animais, porque eles entendem que colabora com a recuperação dos doentes”, completou.

Fonte: Jornal de Uberaba ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
24 de Fevereiro de 2014

Indústria da corrida de cães mata todos os dias

ocuppy for animais Destaque

A velocidade e a graça típicas do galgo inglês (Greyhound) são características que levaram esses cães a serem explorados para entretenimento humano desde o Egito antigo. Os galgos foram usados durante muitos anos para a caça e outros eventos mas, com o advento das modernas corridas de cães na virada do século XX, criadores e promotores dessa prática passaram a tratar animais desta raça como uma simples mercadoria. As informações são da Occupy for Animals.

A corrida de galgos é uma indústria competitiva e organizada, na qual os cães são forçados a correr em uma pista. Os cães perseguem uma isca (tradicionalmente uma lebre ou coelho artificial) na pista até cruzar a linha de chegada. Tal como acontece com corridas de cavalos, nas corridas de galgos também se pratica o sistema de apostas por parte do público.

Em alguns países, a corrida é amadora e promovida para entretenimento, e em muitos outros, particularmente na Austrália, na Irlanda, em Macau, no México, na Espanha, no Reino Unido e nos Estados Unidos, ela é parte da indústria dos jogos de azar, assim como as corridas de cavalos.

No início, esses eventos utilizavam presas vivas como iscas. A indústria emergiu na sua forma atual, com pistas ovais ou circulares, com a invenção da lebre mecânica em 1912 por Owen Patrick Smith. Smith afirmava que queria “ver as corridas de galgos evoluindo como as de cavalos”. Em 1919, ele abriu a primeira pista profissional em Emeryville, na California, e em 1930, nos Estados Unidos, esse tipo de corrida começou a ser realizada sob o sistema de apostas e jogos de azar.

Também na mesma época as corridas foram introduzidas na Grã-Bretanha por um americano, Charles Munn, em associação com o Major Lyne-Dixon, uma figura-chave no assunto, e um canadense, o General Critchley. Munn e Critchley lançaram a “Racing Association Greyhound” (Associação de Corridas de Greyhounds), seguindo o modelo da americana “International Greyhound Racing Association” (In.G.R.A.), e a indústria foi bem sucedida em cidades e vilas em todo o Reino Unido – até o final de 1927, havia quarenta pistas em operação. As corridas de galgos tiveram grande sucesso logo após a Segunda Guerra Mundial quando chegou a atrair 34 milhões de espectadores pagantes (1946).

Nessa indústria, a chave para o sucesso e lucratividade dos criadores e treinadores é ter cães velozes. Mas apenas poucos dos estimados 20 mil filhotes de galgos nascidos a cada ano têm as capacidades atléticas e velocidade requeridas para que se tornem vencedores. Reproduzidos com o único propósito de correr e vencer, muitos cães jovens e saudáveis são descartados e mortos.

Os cães que vão para as pistas enfrentam duro programa de treinamento e são colocados em risco significativo de lesões, como fraturas de pernas, paralisias ou traumatismos cranianos durante os treinos e as corridas. Alguns até mesmo morrem de ataque cardíaco devido ao intenso desgaste físico. Os danos físicos são muitas vezes considerados “inviáveis financeiramente” para serem tratados e o tutor – que se diz “proprietário” – opta pela morte do cão.

Quando não estão nas pistas, as suas vidas não são muito melhores – geralmente são mantidos em pequenas gaiolas pela maior parte do tempo, somente soltos para treinar ou correr. Informações de grupos de resgate de galgos indicam que muitos animais resgatados estavam subnutridos, pois eram supostamente obrigados a seguir uma dieta muito restrita para que se mantivessem com o peso leve, considerado ideal para as corridas. Em uma investigação realizada na Austrália, foi comprovado que 80% dos treinadores drogam seus cães com cocaína, Viagra, entre outros químicos.

Em um exemplo terrível da crueldade dessa indústria, em 2002, os restos mortais de cerca de 3 mil galgos de pistas da Florida foram descobertos na propriedade  de um ex-segurança de pista do Alabama que ”aposentava” galgos indesejados com um rifle calibre 22 há mais de 40 anos. O advogado do acusado disse: “Se há alguém a ser indiciado aqui, é a indústria, porque é isso que eles estão fazendo com estes animais. A miséria começa no dia em que eles nascem. A miséria termina quando eles não são mais necessários e meu cliente atira uma bala na cabeça deles”. Em um caso semelhante no Reino Unido, uma investigação secreta pelo Sunday Times revelou que um empresário pegava galgos saudáveis ​​que tinham sido julgados por seus treinadores muito lentos para correr, matava-os com uma pistola pneumática e enterrava-os em um lote atrás de sua casa. O documento estima que o homem havia matado mais de 10 mil cães em um período de 15 anos.

Esses massacres ilustram que os galgos são tratados como se fossem peças descartáveis. Eles são “produzidos” em quantidade, e a indústria mata regularmente os que são excedentes, inadequados, machucados, idosos, ou considerados muito lentos e não mais lucrativos.

Milhares desses cães continuam sendo mortos a cada ano, mesmo com a indústria em declínio. Alguns filhotes são mortos em nome da “reprodução seletiva”. Cães que são qualificados como corredores, vivem em gaiolas e são mantidos amordaçados por seus treinadores a todo momento. Muitos exibem feridas e sofrem infestações de parasitas internos e externos. Apesar de suas camadas finas de pele e falta de gordura corporal  fazerem com que eles sejam extremamente sensíveis à temperatura, os galgos são forçados a competir em condições extremas, variando entre temperaturas abaixo de zero para outras de calor sufocante.

Na pista VictoryLand no Alabama, autoridades suspeitam que o mau funcionamento do sistema de aquecimento em um canil causou a morte lenta de 23 cães. Pelo menos 37 cães confinados no Ebro Greyhound Park na Flórida morreram de fome e desidratação nas mãos do treinador, que é acusado de grave crueldade aos animais. Cães que foram encontrados vivos sob sua responsabilidade tinham apertadas fitas adesivas amarradas em seus pescoços.

Em 2005, 73 cães morreram em um canil da Virginia que pegou fogo devido a um ventilador de teto com defeito. Apenas 5 anos antes, mais de 50 cães morreram de insolação pela falha de um ar condicionado em um canil de propriedade do mesmo homem.

Outros sofrem e morrem nas pistas. Ao longo de um período de seis anos, mais de 800 galgos foram feridos durante a corrida em pistas de Massachusetts, até que o estado decidiu proibir corridas de cães. Em duas pistas do Texas, mais de 340 galgos ficaram feridos e 20 mortes foram registradas, em 2008.

Alguns cães morrem durante o transporte de uma pista para outra. Na indústria, é uma prática comum carregar 60 cães em um caminhão, com um ou dois por gaiola, com a colocação de gelo no chão dos caminhões para prover resfriamento no calor excessivo. As áreas de carga de tais caminhões atingem temperaturas que passam de 40º – condições mortais para esses animais.

Outro fato extremamente importante é que, apesar da indústria alegar que agora usa coelhos e lebres artificiais como iscas, as atividades de treinamento dos cães de corrida continuam a usar animais vivos e a matar milhares de coelhos e lebres todos os anos. Essa estimativa é baseada em investigações da Humane Society dos Estados Unidos sobre a importação ilegal de coelhos bem como o seu uso em eventos de treinamento. Um evento particular conhecido como “coursing” envolve a incitação de galgos para perseguir, aterrorizar e eventualmente matar coelhos dentro de locais cercados. Alguns representantes da indústria argumentam que esta atividade aumenta a capacidade de corrida dos cães pois eles desenvolvem um “gosto por sangue”, embora se saiba que a inclinação para correr dos galgos seja instigada por objetos em movimento, não pelo cheiro de sangue. O uso de iscas vivas não é permitido em pelo menos 16 estados americanos mas, segundo a reportagem, tais leis são difíceis de serem aplicadas.

Nota da Redação: No Brasil a corrida de galgos também é realizada, principalmente no Rio Grande do Sul, apesar da prática não ser tão difundida como em outros países.

Fonte: anda.jor.br ( foto: ocuppy for animais )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
23 de Fevereiro de 2014

Idoso pede ajuda para construir canil

internet Destaque

Há cerca de 10 anos Severino Chaves, aposentado de 75 anos, tem dedicado sua vida à causa animal. Ele cuida de cachorros abandonados e os resgata de situações de risco colocando-os em um abrigo, improvisado ao lado de um muro de uma empresa, no bairro da Imbiribeira. O abrigo é uma extensão de um outro canil que ele mantém, no mesmo bairro, e que não teve como suportar mais animais.

Mesmo seu Severino estando no local há seis anos, a empresa deu um ultimato: o prazo de um mês para que Seu Severino deixe o espaço. Agora, ele tenta arrecadar dinheiro para a compra de um terreno onde pretende construir um canil regularizado. Ao todo, existem 65 cães que ficam aos seus cuidados.

No abrigo ameaçado de despejo vivem cerca de 30 cachorros e é tudo bem simples. Os animais são colocados em casinhas ou embaixo de plataformas feitas com pedaços de madeira e sucata ao longo da rua. Cada um foi batizado com um nome escolhido pelo próprio Severino. Todos são presos por coleiras, até mesmo os filhotes, e têm horários certos para serem soltos. Um potinho de comida e água é visto ao lado dos animais que demonstram muito carinho pelo “avô”, como o próprio se diz. “Muitos chegam aqui depressivos, tristes e basta dar carinho que isso muda”, afirmou seu Severino. De acordo com ele, o local tem se tornado área de desova de cachorros que são abandonados frequentemente.

Sonho de um terreno próprio

Como o local é na rua, fica difícil manter a higiene. Muitos cachorros chegam doentes e o risco de contaminação aumenta com a precariedade das condições. O aposentado fica triste, mas tenta fazer o melhor que pode. Depois de vacinar e alimentar os animais, ele procura um tutor para adoção e conta com a ajuda financeira e participativa de colaboradores e moradores do bairro, solidários com a situação. “Muitas vezes ele compra medicamentos para os animais tirando o dinheiro da própria aposentadoria. Não ganhamos nada com isso, fazemos por amor”, disse a voluntária Evanise Dourado.

A protetora Evanise, conhecida como dona Eva, é uma das mais atuantes no trabalho. “O nosso foco é resgate, castração, controle de doenças e adoção”, explicou. Os colaboradores fazem feiras de adoção e divulgam o evento através das redes sociais. Eles já conseguiram castrar 76 cadelas ao longo do tempo. “Temos muitos animais que foram, além de abandonados, maltratados. Cachorros cegos e deficientes, que, infelizmente, as pessoas não têm interesse em adotar”, lamentou a protetora.

Para arrecadar dinheiro para a compra de um terreno próprio, colaboradores do abrigo realizam bazares com vendas de camisetas, DVDs, roupas, sapatos e objetos de decoração. O sonho deles é fazer um canil com todas as condições adequadas. “Arrecadamos cerca de R$ 10 mil, mas ainda estamos à procura de um terreno na área em que aceitem esse valor”, explicou dona Eva. O próximo bazar acontece neste sábado, de 9h às 16h, na Praça de Eventos da Lagoa do Araçá.

Veja o vídeo: WWW.anda.jor.br

Vaquinha na web

Na internet existe uma vaquinha onde cada pessoa pode fazer uma doação para ajudar na compra do terreno . O objetivo é atingir R$ 15 mil. Mais informações: http://www10.vakinha.com.br/VaquinhaE.aspx?e=243476.

Fonte: anda.jor.br

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
22 de Fevereiro de 2014

Cães reconhecem quando o dono está feliz ou triste

internet Destaque

Um novo estudo acaba de comprovar o que os tutores de cachorros talvez já tivessem percebido: pelo tom da voz, o animal identifica se seu tutor está feliz ou triste.

Pesquisadores da Universidade Eötvös Loránd, na Hungria, usaram exames de ressonância magnética para estudar como o cérebro de onze cachorros reagia a diferentes sons. Segundo os cientistas, o cérebro dos bichos parece ter uma área que apresenta uma maior atividade quando ouve vozes humanas ou latidos do que outros ruídos sem importância, como o de um vidro quebrando. A atividade é maior ao ouvir um som emocionalmente positivo do que um negativo.

O estudo foi publicado na quinta-feira (20) no periódico Current Biology.

No estudo, em várias sessões de seis minutos cada, os animais ouviram cerca de 200 sons de três categorias — vozes humanas, latidos e barulhos insignificantes —, enquanto os cientistas acompanhavam sua atividade cerebral. O exame também foi feito durante o silêncio. Os pesquisadores submeteram 22 humanos ao mesmo teste, para comparar os resultados, e constaram que as áreas cerebrais que respondiam à voz eram parecidas em homens e cães.

“Parece que o mecanismo que processa informações sociais é o mesmo em homens e cachorros”, diz o neurocientista Attila Andics, líder do estudo. “Nós acreditamos que, por isso, a comunicação vocal entre as duas espécies é fácil e bem sucedida.”

A pesquisa ainda revelou que o cérebro dos cachorros respondia de maneira diferente se o som emitido por cães ou humanos tinha uma tonalidade feliz ou triste. Aos felizes, como uma gargalhada ou um latido de um cachorro quando o tutor volta pra casa, algumas áreas do córtex auditivo mostravam maior atividade do que quando ouviam um choro de um cão ou um homem. “O estudo nos faz pensar quais aspectos da chamada habilidade linguística não são específicos da humanidade, mas também existentes em outras espécies”, afirma Andics.

Fonte: Luzilândia ( FOTO: INTERNET )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
22 de Fevereiro de 2014

Patos condenados à morte são resgatados

internet Destaque

Para a produção do foie gras – um termo francês para fígado gordo – um pato ou ganso é confinado com outras aves por toda a sua vida a uma pequena gaiola imunda coberta, e é alimentado à força até 4kg de grãos por dia através de um tubo de metal de espesso empurrado para dentro de sua garganta. As aves são submetidas a esta rotina de crueldade até serem programadas para morrer. Neste ponto, seus fígados já alcançaram até 10 vezes o seu tamanho natural, o que causa dificuldades respiratórias. As informações são do One Green Planet.

De acordo com os defensores da indústria de foie gras este tipo de atividade – o ato de alimentação forçada – é considerado natural para um pato ou ganso. Claro, isso é apenas mais uma mentira difundida para que a exploração desses animais continue em nome do lucro.

Uma série de investigações sigilosas revelaram a crueldade desenfreada nessas fazendas industriais, incluindo uma de 2013, conduzida pela organização de direitos animais Mercy for Animals ( MFA ), como parte de sua campanha AmazonCruelty.com. Em maio, a MFA enviou um investigador disfarçado na maior fábrica de foie gras do país, a Hudson Valley Foie Gras, em Nova York, que fornece o produto a Amazon.com.

Foram gravadas inúmeras crueldades incluindo aves com feridas abertas e sangrando, deixadas para sofrer sem cuidados veterinários adequados e patos totalmente conscientes tendo suas gargantas cortadas enquanto acorrentados de cabeça para baixo. O vídeo está disponível online.

Durante a investigação, um membro da MFA mencionou que estava indo comprar um presente para sua mãe, depois do trabalho, uma vez que foi na sexta-feira antes do Dia das Mães. O gerente da unidade sugeriu que ele desse suas patas como presente, uma vez que as fêmeas são consideradas menos valiosas para a indústria de foie gras, porque seus fígados têm mais nervuras.

Ao perceber a raridade desta oportunidade, de realmente salvar a vida de alguns animais normalmente destinados à morte, o investigador da MFA aproveitou a para levar os filhotes com ele. Elas foram chamadas de Ellen, Carrie, Emily e Kristen. No entanto, em vez de levar os animais para sua mãe, ele os entregou para a Farm Sanctuary, em Watkins Glen, NY.

Segundo o santuário, desde o dia em que elas chegaram, as patinhas se mantém inseparáveis. Elas adoram nadar e mergulhar até o fundo da lagoa e em seguida, subir rapidamente de volta, apesar da alegação dos produtores de foie gras que essas aves, como patos raça moulard, odeiam água.

Elas não são apenas muito ativas e felizes, como relata Farm Sanctuary, mas também foram libertadas de uma vida de agonia e uma morte dolorosa.

Ajude patos como Ellen, Carrie, Emily e Kristen pedindo à Amazon para que não venda mais foie gras. Assine a petição da Mercy for Animals.

Veja o vídeo no site: anda.jor.br

Fonte: anda.jor.br( foto: internet ) 

Nota da Redação: No Brasil, muitos restaurantes e supermercados oferecem o foie gras em seus cardápios e prateleiras. A Villa Germania, de Santa Catarina, se destaca pela criação do pato moulard – em 2010 eram 170 mil aves por mês, para a produção de magret e foie gras. Mas o mercado brasileiro consome apenas um terço da produção. O restante é exportado. Desde 2013, está em tramitação um projeto de lei (PL 537) do vereador Laércio Benko (PHS), que visa proibir a produção e comercialização do produto no município de São Paulo. O projeto foi inspirado na lei do Estado americano da Califórnia, onde o foie gras é proibido. A cruel iguaria também já foi banida de países como Israel, Alemanha, Reino Unido e Itália.

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
22 de Fevereiro de 2014

Domingo de lazer entre homens e cães no Recife

internet Destaque

No próximo domingo (23), a partir das 8h, estudantes e professores da Universidade Federal Rural de Pernambuco promovem um passeio ciclístico, do Parque da Jaqueira até o Marco Zero pela ciclofaixa, dentro das ações do programa Cidadania para Melhoria da Relação Homem-Animal de Estimação em Centros Urbanos. A iniciativa pretende reforçar as atividades da campanha “O bom cidadão recolhe as fezes do seu cão”.

Utilizando camisetas e bandeirinhas da campanha, os participantes pretendem mobilizar ciclistas e demais transeuntes sobre a importância do recolhimento das fezes dos animais nas ruas como atitude cidadã de higiene e prevenção de doenças. Ao chegar no Marco Zero, o grupo distribuirá folders, sacolas-luvas biodegradáveis, gibis e outros materiais de divulgação da campanha.

Depois do passeio ciclístico, o grupo se mobiliza durante o Carnaval através do bloco fundado por médicos veterinários Me Dê seu Bichinho que eu Cuido. A agremiação desfila tradicionalmente no Bairro do Recife no Sábado de Zé Pereira, com saída do Marco Zero às 19h. Outros bairros e praças serão palco para as atividades da campanha, que também abordará a necessidade da criação de lixeiras adequadas ao descarte das fezes dos animais, tanto nas ruas quanto nos prédios e condomínios.

O projeto, elaborado por docentes do Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal (DMFA), tem apoio de várias empresas privadas (Royal Canin, Hospital Veterinário Harmonia, Hills e Bayer) e instituições públicas (CRMV, Anclivepa-PE e Emlurb), entre outros.

Legislação

O Decreto 19.238, de 27 de março de 2002 regulamenta o trânsito de animais em logradouros públicos e áreas privadas de uso coletivo no Recife. Em seu Artigo 4º, atribui aos tutores dos cães a responsabilidade pela destinação adequada das fezes dos seus animais, por meio do recolhimento e armazenamento em sacos plásticos, para posterior depósito em lixeiras. Apesar do mecanismo legal, deixar as fezes dos bichos nas ruas ainda é um hábito comum na capital pernambucana.

Fonte: Diário de Pernambuco ( FOTO: INTERNET )  

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
22 de Fevereiro de 2014

Roberto Carlos apoia matança de animais

Darlan Alvarenga G 1 Destaque

A Friboi, marca do grupo JBS, apresentou na sexta-feira (21) Roberto Carlos como o seu novo garoto-propaganda, ao lado do ator Tony Ramos. O cantor abandonou o vegetarianismo, depois de 30 anos. As informações são do G1 e Folha de S. Paulo.

No ano passado a Friboi conseguiu aumentar 20%  da venda de carne depois da campanha com Tony Ramos que aborda principalmente o controle de qualidade do produto. A empresa pretende ampliar ainda mais sua clientela com a participação do cantor, que, segundo eles, “fala diretamente ao coração das donas de casa.”

Apesar do anúncio do artista a respeito da mudança de seus hábitos alimentares ter surpreendido algumas pessoas, o cantor se aproximou do mundo da pecuária há alguns anos por meio de Ivan Zurita, presidente da Nestlé e criador de gado. Em 2011 ele investiu mais de R$ 1 milhão em um touro reprodutor durante um leilão realizado na fazenda de Zurita.

A vergonhosa participação de Roberto Carlos no novo comercial do frigorífico, mascara o sofrimento de milhões de animais que morrem todos os anos para o consumo humano. As empresas investem uma enorme quantia de dinheiro na tentativa de esconder a realidade de um matadouro e alienar cada vez mais os consumidores.

Por trás do famoso jargão “É Friboi?” e do simpático ator de novela – e agora também do ilustre cantor – existe muita dor, sofrimento e destruição. Roberto Carlos é agora o novo protagonista de um dos maiores massacres do mundo.

Fonte: anda.jor.br ( foto: Darlan Alvarenga G 1 )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
21 de Fevereiro de 2014

Cães recebem atendimento médico em terminais de ônibus

divulgação Destaque

Equipes da Rede de Proteção Animal da Secretaria Municipal de Meio Ambiente percorreram os terminais de ônibus do Campo Comprido e da Fazendinha na tarde de quinta-feira (20) para monitorar os cães que vivem nestes locais. Os animais tiveram sangue coletado para exames laboratoriais e receberam medicamentos para controle de pulgas e de endoparasitas, além de coleiras com identificação. A ação faz parte do projeto Cães Comunitários, da Prefeitura de Curitiba.

Atualmente, 30 cães que vivem em 13 terminais da cidade são monitorados constantemente por veterinários da Rede. “No ano passado, o número de cães era maior porque, após receberem tratamento, vários cães acabaram sendo adotados por famílias curitibanas, o que mostra a eficácia do projeto”, disse o zootecnista Edson Evaristo, da Divisão de Monitoramento e de Proteção Animal da Secretaria.

Em 2013, quando o projeto teve início, 43 cães abandonados que viviam nos terminais de ônibus foram identificados com microchips, castrados e vacinados. Destes, 13 foram adotados. “Após serem castrados e receberem tratamento, eles se tornam mais atraentes para a adoção, o que é ótimo”, disse Evaristo.

De acordo com o projeto, cada Cão Comunitário tem um mantenedor voluntário, numa parceria de co-responsabilidade com a população. O mantenedor é responsável pelo fornecimento de água e alimentação, pela vistoria diária do animal e também por informar aos veterinários da Rede sobre qualquer problema de saúde do cão.

O porteiro do terminal do Campo Comprido, José Carlos da Silva Neto, que trabalha há quatro anos no local, conta que ali há dois cães comunitários, conhecidos como Roberval e Nibi. “Quando comecei a trabalhar aqui, eles já estavam no terminal”, informou. “Antes, os animais eram alimentados por funcionários e comerciantes, mas agora, com a ação da Prefeitura, tudo ficou mais organizado e os animais se tornaram mais dóceis, além estarem vacinados e castrados”.

Projeto de pesquisa

Com recursos de R$ 200 mil, aprovados pela Fundação Araucária de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, o projeto Cães Comunitários tem caráter de pesquisa e é uma parceria entre a Prefeitura de Curitiba e a Universidade Federal do Paraná (UFPR).

A meta é incluir no projeto todos os cães que moram nos 22 terminais de ônibus da cidade, geralmente alimentados e mantidos por funcionários e usuários dos equipamentos ou pela comunidade local.

O diretor do Departamento de Pesquisa e Conservação de Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Alexander Biondo, conta que em várias cidades no mundo os cães e gatos comunitários são atendidos pelo poder público. “Eles passam a fazem parte da fauna urbana e contam com a ajuda e simpatia da população e dos turistas”, explica.

Fonte: Banda B ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
21 de Fevereiro de 2014

VERGONHA: cidade gaúcha promove festival de churrasco

Jaime Mocelin Destaque

A cidade de Nova Bréscia, no Rio Grande do Sul, sedia o 1º Encontro de Churrasqueiros, que durante oito dias servirá churrasco na Praça da Matriz. O encontro, começou neste domingo e segue até a semana que vem. O evento é uma parceria entre a prefeitura e a Associação Comercial e Industrial de Nova Bréscia (Aci-NB). As informações são do Zero Hora.

O município se inscreveu no Guinness Book, livro dos recordes, pelo churrasco mais longo do mundo. Por isso pretendem assar carne durante 24 horas, por 8 dias consecutivos, de acordo com o secretário de administração, Juarez Giovanaz: “Fizemos o cadastro e estamos mandando informações. Não se tem registro de um churrasco que tenha durado tanto tempo”.

A prefeitura, que, em tese, deveria contribuir para a educação da população, apoia um encontro que durante 192 horas irá utilizar 5 toneladas de carne. De acordo com o presidente da Aci-NB, Mauro Zambiasi, a ideia é repetir o evento nos próximos anos, que em seu primeiro dia registrou o público de três mil pessoas. Até o próximo domingo, a estimativa é que 20 mil pessoas tenham comparecido.

A busca por este recorde nefasto, de churrascada mais longa, ajuda a perpetuar a naturalidade diante do extermínio de animais para o consumo humano, além de contribuir para a devastação dos recursos naturais do planeta. Só no Brasil há 205 milhões de bois, além de 4 bilhões de frangos e 40 milhões de porcos serem mortos anualmente vítimas da cruel indústria da pecuária, segundo dados apresentados no documentário A Engrenagem.

O custo ambiental da produção de carne é imenso. Mais de 90% da área desmatada da Amazônia é utilizada para o pasto e plantação de grãos que servem de alimentos para a indústria pecuária. Um bife de 200g precisa de aproximadamente 3 mil litros de água para chegar às prateleiras do supermercado e mais da metade mundial da produção de grãos é consumida pelos animais em forma de ração. Com os cereais utilizados para produzir 225g de carne bovina é possível alimentar 40 pessoas.

A pecuária tem impacto sobre a biodiversidade, destrói o solo, polui os rios, e é responsável por 18% de emissão dos gases do efeito estufa. Relatórios da ONU apontam que é necessário reduzir o consumo de produtos de origem animal para reduzir o impacto no meio ambiente.

Uma pesquisa realizada na Universidade de Harvard indica que o consumo diário de carne processada – mesmo que pequeno – pode aumentar em 20% o risco de morte prematura. Este tipo de alimentação amplia a possibilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, câncer, diabetes, alergias, obesidade e outros problemas de saúde. Uma dieta vegetariana pode reduzir até 35% do colesterol no sangue, 50% do risco de desenvolver diabetes e diminuir 31% do número de mortes por infarto.

No sistema intensivo, os animais fazem parte de uma linha de produção em massa e são tratados como mercadorias. Aves são criadas aglomeradas em galpões enormes a mal podem andar, além de receberem hormônios para crescerem mais rápido e renderem maior quantidade de carne. Os porcos são obrigados a viver na sujeira, amontoados e são castrados sem anestesia, e as fêmeas, exploradas para a reprodução, passam longos períodos em baias tão pequenas que não conseguem nem virar o corpo. Os bois têm seus chifres cortados e são marcados com ferro quente, o que causa muita dor e sofrimento. Animais para o consumo passam sua vida confinados e são violentamente mortos para que, assim, os humanos possam fazer seus churrascos.

Fonte: anda.jor.br( foto: Jaime Mocelin )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Fevereiro de 2014

Cão de Pérola Faria volta pra casa

internet Destaque

A agonia da família de Pérola Faria terminou. O cachorro Ben Hur, que havia desaparecido no domingo (16), voltou para a casa dos Faria em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro.

Em sua conta no Instagram, a atriz deu a boa notícia.

“Aí está o nosso herói Ben Hur e o meu pai! Ele VOLTOU!!! Foi visto de manhã perto de uma cachoeira, tentaram pegá-lo, mas o esperto voltou sozinho para casa… Agradeço a todos que me ajudaram MUITO com as divulgações, mensagens de carinho, orações”.

Ben Hur chegou debilitado à casa da família na segunda-feira (17) e agora se recupera com os cuidados especiais de todos.

” Ele está faminto e estressado. Se alimentando e descansando bastante. Já está aos cuidados do caseiro de lá, pois voltamos ontem para o RJ e hoje não conseguiremos ir até lá. Mas em breve nos encontraremos e eu vou dar um abraço por todos vocês!!! Um super obrigada aos que repassaram a mensagem”.

Entre os famosos que ajudaram Pérola, estão Dado Dolabella, Carol Macedo e Márcio Kieling.

Fonte: R7)

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Fevereiro de 2014

Foto de pit bull deprimida reflete passado de abusos

The Dodo Destaque

Não é nenhum segredo que animais fotogênicos que olham felizes para a câmera, são os mais prováveis a serem adotados. Mas, graças a uma campanha online, uma pit bull chamada Chelsea, que teria sua morte induzida em um abrigo na Califórnia, em breve terá uma família – apesar do fato de que ela estava tão deprimida que nem sequer se virou para tirarem sua foto. As informações são do The Dodo.

O Save SBC Shelter Pups compartilhou a foto de Chelsea, encolhida no canto do canil, com a legenda: ”Não é uma boa imagem. Imagine como ela se sente? Uma pit bull com muito medo aqui, isso parte meu coração, ela é um cão muito doce, quem faz isso?”.

Depois que a foto foi postada na página do Facebook do abrigo, ela foi compartilhada milhares de vezes entre os que foram tocados pela aparente perda de esperança do animal. Dezenas de pessoas começaram a perguntar como poderiam adotá-la antes de 13 de fevereiro, o dia em que ela seria morta.

O interesse gerado foi tão forte que a Save SBC Shelter Pups atualizou sua página dizendo que a, então triste, pit bull tinha encontrado uma nova casa: ”Obrigado a todos pela ajuda, a Chelsea vai ficar bem! “

Fonte: anda.jor.br  (  FOTO: The Dodo )  

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Fevereiro de 2014

Luisa Mell chora a morte da cadela Esperança

instragram Destaque

 

“Hoje é um dos dias mais tristes da minha vida. Não consigo acreditar que estou escrevendo isso mas nossa querida Esperança não resistiu. Estou arrasada. Eu nem sei o que dizer, ela era tão especial, tão boazinha, tão querida… Lutamos tanto, não me conformo que agora tenho que ver crematório ou cemitério. Não via a hora dela ter um tutor. Ai, meu Deus, me dê forças para prosseguir. O tumor pesava quase 5 kg. Eu estou atordoada, desculpem me. Nunca imaginei sofrer esta derrota agora. Sem dúvida, se aquele maldito do ex tutor dela tivesse levado ela há mais tempo no veterinário, ela estaria viva e feliz. Por você, Esperança, juro lutar com cada vez mais força para que outros animais não sofram tanto nas mãos de desumanos”, escreveu no Instragram.

Veja o vídeo no site da ANDA ( anda.jor.br)

Fonte: Ego (  foto : instragram

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
20 de Fevereiro de 2014

Videos mostram mulheres pisoteando cães

internet Destaque

Vídeos que retratam o ato denominado “animal crush” mostram geralmente pequenos animais, tais como gatos, filhotes de cães, ratos e coelhos, sendo torturados de maneira cruel. Eles são queimados vivos, tosados de forma abrupta, presos ao solo, sua pele é retirada, são açoitados, esfaqueados e/ou têm suas patas fraturadas. As informações são do Occupy for Animals.

Todos esses vídeos compartilham um tema comum: esses animais são violentamente abusados por uma mulher que geralmente usa sapatos de salto alto. A maioria das pessoas que assistem a esses vídeos o fazem por perversão sexual; entretanto, esse material está se tornando cada vez mais popular, simplesmente pelo impacto que ele provoca. O abuso praticado é considerado uma excitação sexual atípica voltada para a tortura e o sofrimento causado a um ser vivo.

Um caso recente, que ocorreu em outubro de 2013, nas Filipinas, chocou internautas nas redes sociais. O casal Dorma e Vicente Ridon, gravaram três garotas se revezando para chutar e pisar em um cão, que late e tenta fugir diversas vezes, mas é sempre recapturado e posto em posição para que a sessão de tortura seja terminada. Após editar cada vídeo (há diversos produzidos por eles), os vendiam por até 2 mil dólares. Eram comercializadas como fetiches sexuais. Em todos os vídeos produzidos, meninas de 12 a 18 anos, atraídas para a o local da gravação com proposta de realizarem tarefas de babá, eram enganadas e coagidas a torturar animais depois de serem maquiadas e vestidas.

O comércio desse ato doentio é crescente no mundo todo. Não é difícil encontrar sites desse tipo na internet por meio de quaisquer mecanismos de busca. Menores de idade podem acessar esse conteúdo através do simples acionamento de um botão.

A liberdade de expressão transpõe seus limites quando promove atos violentos e criminosos. A pornografia infantil constitui uma violência explícita contra crianças e foi proibida por sua natureza hedionda. Filmes que exploram, torturam e matam qualquer ser vivo não devem absolutamente ser permitidos.

Tais vídeos de entretenimento sexual são perpetuados no mundo todo. Eles não se limitam a uma determinada localidade. Trata-se de uma patologia, não menos grave do que a pornografia infantil, que é escondida dos olhos da população em geral.

Esses atos não se classificam como algo normalmente trazido à tona na sociedade. Ninguém sai na rua afirmando que ganha dinheiro pagando mulheres para torturar animais até a morte diante de uma câmera. Por isso, sem dispositivos legais que impeçam a realização dessas demonstrações, e as tornem absolutamente ilegais, é quase impossível identificar e indiciar seus criadores. Mesmo ao processar as mulheres que participam das gravações, através da sua identificação, os produtores simplesmente as substituiriam.

A organização americana Stopcrush.org foi criada para expor ao mundo esse tipo de manifestação doentia e iniciar uma luta mundial para extinguí-la. Seus membros trabalham para que os indivíduos que produzem este tipo de material – em qualquer lugar do mundo – sejam punidos. A Stopcrush também realiza campanhas internacionais para incentivar a criação de leis severas que proíbam especificamente a realização de “animal crush”, algo que só existe nos Estados Unidos e Grécia.

Fonte: anda.jor.br ( Mauro Raposo de Mello – foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
19 de Fevereiro de 2014

Vaca explorada por toda vida ganha liberdade

internet Destaque

Na indústria da carne, as vacas são vistas como objetos – disponíveis apenas para procriar um bezerro após o outro até seguirem os passos de seus filhotes ao serem vendidas para um matadouro. Uma vaca e seu filhote raramente passam mais de seis meses juntos; alguns bezerros são tirados da companhia das mães logo após o nascimento.

Kris Ingram, gerente do Santuário Signal Hill em Yass River, na Austrália, disse à One Green Planet: “Uma vaca reprodutora não pode desmamar seu bezerro naturalmente, porque ela leva muito tempo. Os bezerros recebem alto teor de gordura e alimentos de proteína por algumas semanas para que possam ser removidos à força de suas mães”.

“Os animais são colocados em cercados separados, para nunca mais se tocarem novamente. Ambos irão se lamentar, ambos vão tentar encontrar o seu caminho de volta para o outro, e ambos irão sofrer o trauma que você e eu sofreríamos se fôssemos separados de nossos filhos à força, antes de estarmos prontos para deixá-los ir”, acrescentou Kris.

Uma vaca Murray Grey chamada Granny, que vive no Signal Hill há alguns meses, foi explorada durante 15 anos de sua vida como reprodutora. No local onde Granny viveu antes de ir para o santuário, ela era vista como apenas mais uma máquina de fazer filhotes, e foi forçada a se separar dos 12 bezerros aos quais deu à luz – todos destinados a serem vendidos para matadouros.

Após todos esses anos de exploração, Kris contou que uma pessoa que tinha contato com o fazendeiro decidiu que “ela merecia viver seus últimos anos em paz e em conforto, ao invés de ser vendida em um leilão.”

E então, Granny chegou às mãos cuidadosas dos voluntários do Signal Hill – um santuário relativamente novo que ocupa 800 m² de áreas verdes próximas ao rio Yass. Essas terras já serviram para uma grande fazenda de produção de leite mas, conforme a organização escreveu no Facebook, “seu futuro será muito diferente”. O Santuário está atualmente levantando fundos para tornar esse sonho realidade, através de uma campanha online.

Desde a sua chegada, esta gentil e delicada garota se tornou a “vaca no comando”, vigiando a todos. Pouco tempo depois, Kris e seu parceiro Lyndel descobriram que Granny estava esperando um filhote.

Mas eles não esperavam que o bebê chegaria tão rápido, e nasceu poucos dias depois, um dia antes do Dia dos Namorados (Valentine’s Day). Em homenagem a esse dia, a bezerra recebeu o nome de Valentine.

Kris conta que Valentine está bem desde que chegou a esse mundo. Granny já apresentou sua filha ao time para assegurar que todos “irão seguir as regras e recuar quando ela pedir”.

Granny parece desconfiada ao ver Kris e Lyndel próximos de Valentine, como se fosse incapaz de entender a diferença entre o tratamento a um bezerro no Santuário e em uma fazenda, segundo relato de Kris. “Essa diferença é que Valentine não será marcada a ferro. Não será levada. Não será machucada. Ela nunca vai experimentar qualquer coisa além do amor, do respeito e da adoração dos seres humanos em sua vida”

Granny sabe o que está fazendo, ela fez isso muitas vezes antes. A diferença é que agora a bezerra não será arrancada dela à força, e ficará com ela até o fim”, escreveu Kris em seu Facebook. Pela primeira vez, Granny será capaz de vivenciar a vida de seu filhote plenamente – ela será sua Valentine para sempre.

Ela nunca passará pelo luto de perder esse bebê. Dessa vez, ela não irá assistir ao filhote sendo colocado em um caminhão e levado embora, nunca verá isso novamente. Dessa vez, ela exercerá o direito de ser verdadeiramente uma mãe.

Fonte¨anda.jor.br ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
19 de Fevereiro de 2014

Militares britânicos atiram em porcos vivos

internet Destaque

Cirurgiões militares que servem nas Forças Armadas Britânicas participam de uma formação médica controversa na qual suínos são feridos por atiradores, para que os médicos possam praticar como seria a cirurgia no campo de batalha. Os profissionais são enviados à Dinamarca para operar no animal vivo – que é amarrado e baleado por atiradores treinados – enquanto ele ainda está respirando. As informações são da ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) e do Daily Mail.

Fotos obtidas pelo grupo de proteção animal PETA, mostram os porcos sendo atingidos por um fuzil AK-47 ou uma pistola 9mm. O curso The Definitive Surgical and Trauma Care (DSTC) ocorre na área de treinamento da OTAN em Jaegerspris, a 30 km da capital dinamarquesa Copenhague.

Os sedativos são primeiramente misturados na comida dos porcos e quando eles caem no sono, um veterinário administra um anestésico. No campo de tiro, círculos são desenhados em seus corpos. Atiradores, então acertam o alvo – os tiros mutilam, mas não matam os animais que são levados em uma maca para a sala de operação, onde os cirurgiões tratam as suas feridas em uma simulação de como soldados são atendidos.

Ativistas de direitos animais descrevem o exercício como cruel e apelam ao Ministro da Defesa pelo fim desse tipo de treinamento, mas ele defende a prática, que é ilegal no Reino Unido sem a autorização prévia concedida pelo Ministério do Interior (que é feita caso por caso). A PETA diz que 80% dos aliados da OTAN já não usam animais em exercícios para médicos militares.

A ONG acrescenta que “23 dos 28 países da OTAN – a Albânia, Bélgica, Bulgária, Croácia, República Tcheca, Estônia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Países Baixos, Polônia, Portugal, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha e Turquia – confirmaram que não utilizam animais para a formação médica militar. Esta é uma evidência clara de que os métodos substitutivos para a formação de médicos militares estão disponíveis e são utilizados em todo o mundo.”

Fonte: anda.jor.br( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Fevereiro de 2014

Jennifer Aniston se recusa a visitar o Japão

divulgação Destaque

Jennifer Aniston, 45, não pretende pisar no território japonês tão cedo. Segundo o site norte-americano RadarOnline, a atriz se recusa a ir ao Japão devido à  caça de golfinhos no país. A prática é bastante popular do outro lado do mundo. Porém, desde que assistiu ao documentário The Cove (2009), que mostra a pesca e caça dos golfinhos, Jennifer não quer mais visitar o local.

“Ela viaja pelo mundo para promover seus filmes, mas há uma exceção forte: o Japão”, disse uma fonte próxima da atriz. A mesma pessoa ainda afirmou que Jennifer não assina nenhum contrato de trabalho que a obrigue a viajar para lá.

A atriz se envolveu tanto pela causa que até apoiou a fundação Dolphin-friendly PSA para a proteção desses animais. “Ela não irá para o Japão até que as leis do país mudem”, disse a fonte para o RadarOnline.

Fonte: Revista Quem ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Fevereiro de 2014

Cadela é baleada em Salvador e sobrevive

Wagner Ferreira Destaque

Uma cadela adulta, que foi baleada durante a invasão de uma casa na localidade Baixa do Tubo, no bairro Cosme de Farias, em Salvador, sobreviveu e está internada em uma clínica veterinária em Amaralina, orla da cidade. A informação foi confirmada pela família na segunda-feira (17).

Na ocasião, uma criança de quase dois anos morreu, a mãe dela foi baleada na região da coluna e continua internada no Hospital Geral do Estado (HGE).

Além delas, o namorado da mulher também foi atingido por tiros e continua hospitalizado na mesma unidade de saúde. Oito suspeitos de tráfico de drogas foram presos em operação da polícia realizada após o crime – e três líderes do grupo morreram.

Segundo a médica veterinária Débora Loussinian Cruz, o animal chegou com sangramento na pata dianteira, já passou por exames e, a depender do resultado, fez uma cirurgia na terça-feira  (18). “Nós só estamos aguardando o resultado dos exames para fazer a cirurgia”, disse. A cadela foi atingida por um tiro e está com quadro estável.

 Fonte: G1 ( foto: Wagner Ferreira )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
18 de Fevereiro de 2014

Khloe Kardashian contra os casacos de peles

agência X 17 Destaque

Khloe Kardashian mandou um recado direto na segunda-feira (17), em seu casaco de pele sintética: “Fodam-se os casacos de pele”, era o que estava pichado no acessório da socialite. Khloe é conhecida por criticar o uso de casacos de pele animal e já fez diversas campanhas para o PETA (People for the Ethical Treatment of Animals, ONG que se dedica ao direitos dos animais).

Segundo o “TMZ”, ela cortou relações com a organização em 2012 depois que sua irmã, Kim, foi atacada com farinha por ativistas.

Fonte: EGO ( foto: agência X 17 )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
17 de Fevereiro de 2014

Antílopes mortos para produção de xales

internet Destaque

O shahtoosh (também escrito shahtush, uma palavra persa que significa “rei das lãs finas”) é o nome dado a um tipo específico de xale, produzido com os pelos do antílope tibetano Chiru pelos tecelões da Caxemira.

Originalmente, estes xales eram raros e sua confecção requeria o trabalho de artesãos muito habilidosos para tecer a delicada lã que mede entre 9 e 11 micrômetros, que equivalem a frações de milímetros. Estes fatores fizeram com que os xales shahtoosh se tornassem muito preciosos. Eles são tão finos que um xale de tamanho médio pode ser passado através de um anel, levando-os a serem conhecidos como “xales de anel”. As informações são da Occupy for Animals.

O antílope Chiru vive em um dos ambientes mais inóspitos da Terra, a uma altitude de mais de 5 mil metros. O seu tipo especial de pelo, que é ao mesmo tempo muito leve e quente, permite a sobrevivência em condições de congelamento do planalto onde eles se reúnem em determinada época do ano. Eles são animais migratórios – se movendo da Mongólia ao Tibete – e, tradicionalmente, seguidos de perto pelos nômades, que também fazem essa viagem todos os anos. Os nômades caçam os antílopes para explorá-los para diversos itens: carne, ossos, chifres e peles.

Os nômades não conseguiram fazer uso de parte da pele dos animais – sua finura incrível a tornava praticamente impossível de lidar – e foi aí que os tecelões da Caxemira desempenharam o seu papel. Com a sua experiência em lidar com a lã mais fina “pashmina” penteada à mão, eles poderiam tecer xales de qualidade mais requintada e, assim, nasceu o xale shahtoosh.

Quando os britânicos da Índia viajaram à Caxemira no verão, eles perceberam o valor dos xales de pashmina e shahtoosh, e apresentaram-lhes ao mundo, o que levou a uma maior demanda por esses produtos. Posteriormente, o antílope passou a ser caçado especificamente pela sua pele e isso o levou a ser agora listado como uma espécie em extinção e a receber o maior nível possível de proteção legal, segundo a qual não é mais permitido nenhum comércio de shahtoosh.

A venda ou propriedade de shahtoosh tornou-se ilegal em todos os países signatários da Convenção do Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES). Muitos países, incluindo os EUA, a China e a Índia condenam os envolvidos no comércio de shahtoosh. Embora o ele seja proibido segundo o acordo, a caça dos antílopes e a venda de suas peles e do xale ainda são um problema grave no Tibete.

Devido ao fato dos antílopes tibetanos não serem animais domesticáveis e os pelos desses animais precisarem ser arrancados individualmente a partir da pele, eles devem ser mortos para a obtenção da sua lã.

A venda ou o porte de shahtoosh são considerados ilegais desde 1975, mas a comercialização do produto tornou-se preciosa no mercado negro durante os anos 90, quando era vendido por até US$ 15 mil cada um, o que fez com que a população de antílopes tibetanos declinasse para menos de 75 mil animais. Apesar da proibição na Índia, um próspero mercado negro ainda atende a clientes em Londres, Nova York e Los Angeles, onde se paga até US$17 mil pelo xale.

Os efeitos da compra de um xale shahtoosh são devastadores nos rebanhos de antílopes. O verdadeiro custo destes xales é a vida dos animais; a derrocada de uma espécie vulnerável para atender a vaidade humana. Cerca de 20 mil desses seres são mortos a cada ano por sua lã, uma taxa que irá exterminar a espécie em pouco tempo, se isso continuar acontecendo.

Esses xales são tão incrivelmente leves, porque cada pelo do antílope tibetano é cerca de 6 vezes mais fino que o cabelo humano médio. Cada xale shahtoosh requer cerca de 350 gramas de lã. Sendo que cada antílope tibetano produz não mais que 125 a 150 gramas, 3 animais são mortos para se produzir apenas um xale.

Fonte: anda.jor.br( vídeo no site da anda ) (Foto: Ocuppy for Animals)

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
16 de Fevereiro de 2014

Lider checheno se oferece para salvar girafa da morte

internet Destaque

O líder checheno, Ramzan Kadyrov, manifestou na sexta-feira (14), sua disposição de acolher no território da república caucasiana a girafa que a administração de um zoológico dinamarquês pretende sacrificar. Em sua conta no Instagram, ele disse que suas motivações para salvar o animal, de nome Marius, eram humanitárias, e que a Chechênia poderia garantir-lhe boas condições de vida.

Por não ser apta para perpetuar a espécie, Marius pode acabar sendo sacrificada pelo zoológico Jyllands, situado na cidade dinamarquesa de Videbæk, segundo informou o jornal The Guardian. Recentemente, outra girafa de mesmo nome foi abatida no Zoo de Copenhagen para evitar a consanguinidade. Apesar de numerosos protestos de defensores dos animais, ela acabou morta diante do público e seus restos servidos para os leões.

Nas redes sociais, Kadyrov fez críticas ao que classificou como “espetáculo sangrento” dos funcionários que sacrificaram o bicho “na frente de crianças”. Na república russa da Chechênia, o líder governa com pulso forte para manter a estabilidade do poder e conter os movimentos separatistas e conta inclusive com uma milícia privada, acusada por muitos grupos de violações graves dos direitos humanos.

Fonte: Diário da Rússia

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
14 de Fevereiro de 2014

Famosas participam de evento em prol dos animais abandonados

Destaque

Fernanda Tavares, Thaila Ayala, Fiorella Mattheis e Gianne Albertoni prestigiaram o evento da Ampara Animal, “Somos Todos Vira-Latas”, que aconteceu na noite de quinta-feira (13) no shopping JK Iguatemi, em São Paulo.

Para a ocasião, Fernanda usou vestido preto soltinho e sandálias nude. Já Gianne apostou em camisa branca estampada, short de couro curtinho e escarpins coral. Thaila usou vestido preto de couro transpassado com sandálias verdes, enquanto Fiorella preferiu look todo preto, com camiseta regata, legging com efeito brilhante, cinto e peep toe.

Fonte: Terra Notícias  (Foto: Francisco Cepeda e Léo Franco / AgNews )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
12 de Fevereiro de 2014

Gato esfolado vivo na China

internet Destaque

À beira de um rio, um gato, preso em um tronco de árvore, é lentamente cortado com um objeto afiado. Dois homens assistem, enquanto um pratica o ato e outro filma. O gato está vivo, por isso reage conscientemente à dor que sente. Ao fundo, uma mulher e uma criança passeiam ao ar livre e o menino fica exposto ao horror banalizado que acontece a poucos metros de distância. Os pelos do gato são separados de sua pele e, por baixo, podem ser vistos todos os tons de vermelho da carne exposta ao som dos gemidos do animal que ainda se mexe.

Quando o torturador se afasta, a câmera se move para o lado esquerdo e a imagem de outro gato, também amarrado em uma árvore, é revelada. Os homens encaram o cenário com naturalidade e até acham graça, mas o animal, que assistiu a todo o abuso anterior, já sabe o que está prestes a acontecer. E a cena se repete.

As gráficas imagens fazem parte de um vídeo chinês de autor desconhecido, divulgado na internet. É difícil assistir aos dez minutos e meio de atrocidades que foram captadas às custas de intenso sofrimento e crueldade praticada a esses animais. Mas, infelizmente cenas como essa se repetem diariamente na China, onde a comercialização de cães e gatos para o consumo humano faz parte do cotidiano do país.

O mercado de peles é responsável pela morte de milhões de animais todos os anos. Investigações apuraram que cães e gatos (e minks, e raposas, e coelhos) são pendurados de cabeça para baixo e têm suas peles retiradas ainda vivos. Muitos continuam respirando e piscando seus olhos por minutos, antes de morrerem.

A China é a maior produtora e consumidora de peles do planeta. Porém, o mundo inteiro faz parte desta cruel indústria, e os usuário desses produtos são cúmplices e financiam cada morte e cada momento de dor causado a animais inocentes em nome dessa vaidade perversa.

Fonte: anda.jor.br

Por Stephanie Lourenço (da Redação)  foto: internet

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Fevereiro de 2014

Cachorro atacado a machadadas morre no PR

arquivo pessoal Destaque

O cachorro Baixinho resgatado em São José dos Pinhais na última quinta-feira, dia 6 de fevereiro de 2014, após ter sido covardemente atacado com machadadas na cabeça e jogado em um saco plástico não resistiu e faleceu na madrugada de segunda feira  (10). O inchaço em sua cabeça já estava melhor e os ferimentos externos já estavam se cicatrizando, mas infelizmente o trauma que sofreu foi muito grande.

No mesmo dia,a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), responsável pelo processo administrativo contra o agressor,foi informada sobre a morte do animal. A situação do agressor João Aramis Claudino de Bastos se agravou.

Fonte: anda.jor.br ( foto: arquivo pessoal )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Fevereiro de 2014

Cavalo atropelado na principal avenida de Maceió

Real Deodorense Destaque

Um cavalo foi atropelado por um motociclista, no início desta semana, na Avenida Fernandes Lima, no sentido Tabuleiro/Centro.

Populares informaram que o motociclista permaneceu no local até a chegada de uma equipe de veterinários, que examinaram o animal.

Motoristas que trafegam no local, destacam que situações como esta podem se tornar cada vez mais frequentes, tendo em vista que cavalos são deixados soltos na região e, as vezes, passam as tardes no canteiro da avenida, podendo se envolver em acidentes graves.

Este é o segundo caso de atropelamento de cavalo em menos de dois dias. No sábado, um animal foi atropelado na AL-215, nas imediações do bairro Porto Grande, no município de Marechal Deodoro. O cavalo foi atendido e resgatado.

Fonte: Alagoas 24 horas

(Foto: Sandro Quintela/Real Deodorense)

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
11 de Fevereiro de 2014

Burros submetidos à intensa dor e sofrimentos

internet Destaque

Olarias de tijolos no Vale do Katmandu, no Nepal, são parte de uma cena perturbadora tão séria quanto a catástrofe ambiental que essas fábricas representam. Um cenário alarmante de tortura e abuso. As informações são do site Occupy for Animals.

Os fornos tradicionais são os poluidores número um de Katmandu, devido às emissões de dióxido de enxofre. Eles também são os segundos maiores poluidores de metais pesados e emissões de carbono (atrás apenas do escapamento de veículos). As fábricas de tijolo abusam dos recursos disponíveis ao remover solo fértil e extrair a preciosa água da superfície e abaixo dela. Mas há algo além disso.

Olarias geralmente operam longe da vista do público. Nenhum inspetor do trabalho faz alguma visita às vilas isoladas para monitorar os milhares de trabalhadores, e nenhum departamento do governo monitora os mais de mil cavalos, mulas e burros que são explorados para a construção de casas confortáveis para famílias abastadas.

O trabalho nas olarias é sazonal e atrai os mais pobres dos pobres. Apesar da moldagem de tijolos começar apenas em novembro, os trabalhadores contratados, ambos humanos e animais, começam cedo em agosto. Um estudo feito pela Chhimeki, uma ONG que trabalha com saúde e nutrição urbana, revelou que quase todos as pessoas que aceitam este trabalho vivem abaixo da linha de pobreza e sofrem de déficit de comida. Os trabalhadores vêm com suas famílias. Mulheres e crianças ajudam os homens na moldagem e secagem dos tijolos.

A instituição Concern for Children and Environment do Nepal estima que em torno de 60 mil crianças trabalham de 8 a 12 horas por dia em olarias por todo o país. Devido à longa jornada e ambiente pesadamente poluído, as crianças estão vulneráveis a doenças. Em torno de 85% delas que ficam com seus pais em fábricas de tijolos saem da escola. As suas condições de vida e de emprego facilmente qualificam como a pior forma de trabalho infantil.

As condições dos burros do Vale do Katmandu são tão graves quanto às das crianças. Cavalos, mulas e burros, trazidos de longe, de Nepalgunj, se tornam cada vez mais a espinha dorsal da produção deste produto, por serem responsáveis pelo transporte de 3 a 5 mil tijolos por dia. Não há leis que regem seu tratamento, e nenhum departamento governamental que represente suas necessidades.

Os equinos não recebem cuidados básicos como comida nutritiva, água, descanso, abrigo, e continuamente carregam peso demais, assim como são sobrecarregados e sofrem de desidratação. Machucados seguem sem tratamento; burros muito doentes são deixados para morrer. Os animais são espancados implacavelmente pelas pessoas que os manipulam, além de não serem protegidos contra as partículas de poeira, o que acarreta no desenvolvimento de pneumonias, infecções pulmonares e outras doenças. A maioria desses equinos apresentam feridas abertas e não tratadas nas costas. Um caso foi documentado em Lubhu, de uma mula que literalmente trabalhou até a morte e apresentava um trauma tão severo que suas vértebras da coluna estavam expostas.

A ONG Animal Nepal introduziu um programa de conscientização sobre os burros trabalhadores no distrito de Latipur, em 2008, onde conduzem acampamentos médicos, distribuem kits de primeiros socorros e educam os proprietários das fábricas. O instituto administra um santuário para equinos aleijados e doentes, e nos últimos anos, testemunharam incontáveis mortes de animais, pois a ajuda veio tarde demais; e os tutores tendem a considerar essas mortes como uma perda calculada.

Para ajudar os consumidores a fazerem as escolhas certas, uma rede de ONGs de proteção ambiental, direitos das crianças e bem-estar animal se juntou para promover uma indústria produtora de tijolos responsável. Elas estão introduzindo um sistema de certificação que dará às fábricas um selo vermelho, laranja ou verde. Olarias com nenhuma consideração por leis trabalhistas, meio ambiente ou bem-estar animal ganham um selo vermelho; as que estão melhorando suas condições ganham um laranja, enquanto que as que têm boas condições recebem um selo verde.

Entre as fábricas responsáveis estão a Vertical Shaft Brick Kilns (VSBK). Essas fábricas tomam conta do meio ambiente tão bem quanto das pessoas. Os trabalhadores são empregados durante o ano inteiro e as fábricas têm centros de cuidado para crianças, alojamento apropriado, água potável, banheiros e acesso a cuidados médicos e educação. As Olarias da VSBK não exploram animais.

Assine aqui a petição contra a exploração de equinos no Nepal.

Fonte: anda.jor.br ( Claudia Braghetto - foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
10 de Fevereiro de 2014

Alpacas são encontradas mortas ou morrendo de fome

Care2 Destaque

Esta é mais uma história de abuso animal. E ela ocorreu em Falls City, uma pequena comunidade no Oregon (EUA), localizada a cerca de 30 km ao sudeste de San Antonio, com uma população de menos de 700 habitantes. As informações são da Care2.

Cada um dos proprietários do Jocelyn’s Alpacas Ranch foi indiciado por 18 acusações de abuso animal após mais de 200 alpacas famintas ou mortas terem sido encontradas na fazenda de Falls City, em Dezembro de 2013.

Estes animais são criaturas raras e exóticas que foram consideradas um tesouro da Cordilheira dos Andes por mais de 6 mil anos. Elas se parecem com pequenas lhamas ou camelos de pescoço comprido, sem corcovas. Facilmente domesticáveis, são animais amigáveis, gentis e curiosos.

O jornal Itemizer-Observer, do condado de Polk, relata que Jocelyn e Robert Silver foram denunciados há duas semanas por acusações idênticas, que incluem uma acusação de crime de abandono de animais, uma acusação de negligência a animais, e 16 acusações de contravenção.

O chefe da polícia do Condado de Polk começou a investigar as condições na fazenda mediante queixas feitas por vizinhos e pela ONG Animal Legal Defense Fund no início de dezembro. Uma investigação inicial da propriedade encontrou evidências de desnutrição nos animais.

“Nesse pasto não havia folhagem verde, que cresce em qualquer lugar”, escreveu o deputado John Kincaid em um depoimento no qual pedia um mandado de busca. “As árvores neste pasto pareciam estar desprovidas de casca (até a altura que os animais podiam alcançar)”.

Uma vez que o mandado foi concedido como um “exame de saúde do rebanho” com um veterinário licenciado, os investigadores encontraram mais evidências de maus-tratos, incluindo dezenas de alpacas mortas e muitas outras que estavam muito magras e fracas.

É uma tragédia, mas tais histórias não são incomuns.

O estado americano do Texas também ganhou atenção recentemente, pela forma como os seus animais são tratados. Em julho do ano passado, a Care2 trouxe o relatório de mais de 200 animais que foram resgatados em condições chocantes na região. No início daquele mês, foi descoberta uma fazenda de criação de cães no sul da Califórnia, onde várias centenas de cães morreram por falta de alimento, água, e por doenças.

No ano passado, houve o caso dos criadores de filhotes para fins comerciais que abandonaram 92 cães à beira de uma rodovia. E em dezembro, em uma das mais chocantes histórias de crueldade animal, vinte gatos foram encontrados mortos e com sinais de tortura, conforme publicado pela ANDA .

Em Falls Church, segundo a reportagem, o rebanho de possivelmente mais de 200 alpacas foi restrito a apenas 10 km² na propriedade de 80 km², de acordo com documentos arquivados na petição. Alguns recortes de feno foram encontrados na propriedade, mas insuficientes para alimentar a todos os animais.

Os investigadores também acreditam que os animais recorreram a galhos de árvores para se alimentar, assim como a plásticos, pedaços de seus abrigos e até mesmo os próprios excrementos. Quando as autoridades descobriram 18 alpacas mortas em 13 de dezembro, levaram sete delas para testes forenses. Os resultados indicaram que os animais morreram de inanição.

A delegacia local tomou as alpacas restantes sob custódia em 23 de dezembro. No mesmo dia, foram encontrados mais 30 animais mortos, e mais 2 tiveram que que ter sua morte induzida porque estavam fracos demais para conseguir sobreviver. Por enquanto, a prefeitura do condado de Polk está alimentando e cuidando de 175 alpacas, que permanecem na fazenda. Jocelyn e Robert Silver serão ouvidos no tribunal em uma conferência pré-julgamento, no dia 11 de fevereiro.


É difícil entender como alguém pode conscientemente infligir tamanha crueldade a animais, mas esses atos violentos têm sido reconhecidos como indicadores de uma psicopatia perigosa, que não se limita ao abuso animal. Há uma lista crescente de evidências sobre a ligação entre estes atos e outros crimes graves, tais como posse ilegal de armas de fogo, tráfico de drogas, jogos de azar, abuso conjugal, pedofilia, estupro e homicídio.

Mas reconhecer as ligações entre o abuso de animais e abuso de pessoas não resolve o problema da crueldade contra os animais, embora felizmente 49 estados americanos já tenham disposições criminais de crueldade animal (Dakota do Sul é o único estado sem esse dispositivo).

Fonte: anda.jor.br ( foto: Care2 )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
10 de Fevereiro de 2014

GVAM realiza feira de adoção em Maceió

internet Destaque

No próximo sábado(15) o GRUPO VIDA ANIMAL DE MACEIO ( GVAM )   realiza mais uma feira de adoção de cães e gatos, filhotes e adultos.

Local : canteiro central do Stella Maris ( Jatiúca ) Maceió Alagoas a partir das 10:00h., em frente a boutique do Cabelereiro.

O GVAM precisa urgente de ração.

Informações com Luceli Mergulhão – 82 8888 6570

ADOTE UM FOCINHO FRIO E CONVIVA COM O MELHOR AMIGO DO HOMEM.

Fonte: GVAM ( foto: internet )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
10 de Fevereiro de 2014

Vacas cegas resgatadas vivem em santuário

divulgação Destaque

A vaca cega Sweety chegou ao Farm Santuary no dia 04 de fevereiro e o primeiro som que ela ouviu foi o mugido de Tricia, outra vaca cega que mora no santuário desde 2008.

O estado em que Swety se encontra revela os maus-tratos que vacas leiteiras sofrem dentro dos cubículos de concreto da indústria de laticínios. A extrema magreza do animal é resultado de constantes ciclos de gravidez e lactação até o esgotamento de seu corpo que é levado à exaustão.

Barulhos são assustadores para animais cegos, mas Sweety está cada dia mais à vontade na sua nova vida ao ar livre.

Fonte: anda.jor.br ( Stephanie Lourenço – foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
10 de Fevereiro de 2014

Aves são depenadas vivas para consumo de penas

occupy for animais Destaque

“Down” é o nome da camada macia de penas mais próxima à pele das aves, principalmente na região do tórax. As penas desta região são altamente valorizadas pela indústria que explora esses animais. Muitos gansos em bandos de reprodução e aqueles criados para a cruel indústria de carne e foie gras têm as suas penas arrancadas enquanto ainda estão vivos. As informações são do Occupy for Animals.

Arrancar as penas dos gansos causa-lhes dor e angústia. Um estudo revelou que os níveis de glicose no sangue de alguns gansos quase dobrou (um sintoma de estresse grave) durante a arrancada.

Normalmente, os patos e gansos são levantados pelo pescoço, têm as pernas amarradas, e então as suas penas são arrancadas. As aves que lutam nesse momento muitas vezes sofrem ferimentos. Depois, elas são colocadas de volta às gaiolas até que estejam prontas para ter as penas arrancadas novamente. Este processo começa quando os animais têm 10 semanas de idade e se repete em intervalos de quatro a seis semanas até a exaustão, quando as aves são mortas ou são alimentadas à força para a indústria de foie gras. A um ganso explorado por essa indústria é “permitido” viver no máximo até os quatro anos de idade.

O pato “eider” é uma espécie protegida, mas as suas penas são procurados para a produção de travesseiros e roupas de cama. As fêmeas põem ovos e utilizam penas arrancadas de seus próprios corpos para protegê-los. Agricultores na Islândia reúnem quase 3 mil quilos de penas desses patos a cada ano. Ao tomar essas penas, os agricultores estão removendo o importante isolamento que os ovos precisam para eclodir. É preciso penas de pelo menos 80 ninhos de pato para preencher apenas um edredom.

O processo no qual os patos são levantados pelo pescoço e têm as pernas amarradas para a arrancada de suas penas é chamado de “ripping”, pela indústria.

Os patos lutam e entram em pânico, muitas vezes fraturando membros na tentativa de escapar. O programa de televisão da Suécia Kalla Fakta produziu em 2009 um documentário de duas partes sobre esse tema na Hungria, que revelou:

“…pássaros amarrados gritando e lutando para libertar-se, conforme seu ‘down’ é arrancado de seus corpos em velocidade rápida. Depois disso, várias aves ficam paralisadas no chão, com grandes feridas na carne. As aves com grandes feridas abertas são então costuradas com agulha e linha no local pelos próprios trabalhadores, sem qualquer anestésico.”

Ao ver as imagens, o veterinário sueco Dr. Johan Beck Friis descreveu o processo de depenagem como “nada menos do que uma tortura qualificada”.

Em entrevista à CBS 5 de São Francisco, a veterinária e especialista em pássaros da SPCA, Dra. Laurie Siperstein-Cook, respondeu à filmagem afirmando que isso é “horrivelmente, terrivelmente doloroso”, e que “se você optar por comprar um produto que use penas, você está apoiando a tortura”. A reportagem também visitou o Wal-Mart, o NorthFace e o REI, e nenhum dos quais foi capaz de oferecer qualquer informação sobre as penas utilizadas em produtos das lojas.

A pesquisa feita pelo Kalla Fakta estima que 50 a 80% de penas de todo o mundo é arrancada de aves vivas. Grupos da indústria afirmam que a porcentagem real é muito mais baixa, mas uma outra investigação – esta realizada pela Ikea (companhia sueca de móveis domésticos) – confirmou os números elevados. Naquele mesmo ano a Ikea deixou de trabalhar com a Mysa, uma marca chinesa de roupas de cama feitas com penas, citando preocupações com o bem-estar das aves.

Os maiores produtores de acessórios de penas são a Hungria, a China e a Polônia, e todas as três utilizam o processo de colheita em animais vivos. 80% da penugem e das penas do mundo vem da China.

A indústria considera que as penas arrancadas de aves vivas têm melhor qualidade, e o processo, mais econômico, uma vez que as aves podem ser depenadas inúmeras vezes antes de serem mortas. As penas de 75 aves devem ser arrancadas para a produção de um edredom.

Não é de se surpreender que essa pesquisa retome reivindicações anteriores sobre o sofrimento de aves depenadas vivas. Um artigo publicado na Research in Veterinary Science concluiu que “o processo de arrancada de penas é doloroso para as aves”, afirmando que receptores de dor haviam sido identificados na pele de espécies de aves como patos, gansos e galinhas, e que “a parede dos folículos da pena é ricamente suprida com fibras sensoriais somáticas, e os nervos estão presentes nos músculos das penas…e a pena é presa firmemente no folículo”.

Obviamente, patos e gansos não são as únicas aves que experimentam a dor de ter as penas arrancadas. Também passam por isso os galos “fancy roosters”, criados especificamente para a extração de suas penas, e os avestruzes.

Os avestruzes são criados aos milhares em grandes fazendas, algumas delas exclusivamente para a colheita de penas, enquanto outras também para carne e couro. Apesar dos avestruzes poderem viver entre 40 e 70 anos, aquelas destinadas à produção de carne ou couro são mortas com cerca de um ano de idade.

Existem dois métodos de remoção de penas de avestruzes vivos. Ambos exigem o pássaro seja contido, seja em uma “caixa de arrancar” ou um recipiente tão pequeno que ele não pode chutar ou virar-se. Muitas vezes, o pássaro tem um capuz preto colocado sobre sua cabeça. Aves mais jovens são depenadas logo que atingem a idade considerada adulta, por volta dos 16 meses de idade. A cada 7 ou 8 meses depois disso, suas grandes penas são puxadas de sua pele. Esse processo também é considerado bom quando se trata de produzir couro de avestruz “de qualidade”: as marcas circulares características no couro são realmente cicatrizes das penas que foram retiradas inúmeras vezes quando a ave ainda estava viva.

O outro método é diferente, mas igualmente desumano: os pássaros são contidos enquanto os funcionários cortam suas penas com espécies de tesouras de poda em cerca de dois centímetros acima da pele da ave; mais perto, pode causar hemorragia e danos na regeneração, uma vez que os vasos sanguíneos e nervos percorrem o centro das penas. Não há dúvida de que este processo é doloroso para os pássaros, e até 50 penas pode ser cortadas de um adulto avestruz macho ao mesmo tempo.

O próximo passo é o chamado “quilling”, onde os trabalhadores retiram os espinhos das penas que foram intencionalmente deixadas no folículo durante o processo de corte. Isso é feito com um alicate ou à mão, e seu objetivo é impedir hemorragias e para manter a qualidade comercial de futuras penas.

Galos também são criados para a extração de suas longas penas coloridas. Estas são utilizadas para jóias, ornamentos para cabelos, e como iscas para pescadores, entre outras coisas. Estes galos vivem por cerca de um ano, enquanto as suas penas crescem a um tamanho máximo, e então eles são mortos. Estas penas têm sido muito demandadas na moda recentemente, o que significa mais sofrimento para mais pássaros.

Fonte: anda.jor.br (Foto: Occupy for Animals )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
09 de Fevereiro de 2014

Principes saem em defesa dos animais ameaçados

internet Destaque

O príncipe Charles e seu filho William fazem um apelo para salvar elefantes e outras espécies ameaçadas em um vídeo publicado neste domingo (9/2), dias antes de uma conferência internacional sobre o comércio ilegal de animais, na próxima semana em Londres.

Em pleno aumento, este comércio "gerou tal nível de matanças e violência que constitui uma ameaça não apenas para a sobrevivência das espécies mais preciosas do planeta, mas também para a estabilidade econômica e política em muitas regiões do mundo", afirma o príncipe Charles nesta mensagem de nove minutos.

"O desenvolvimento de uma demanda visivelmente insaciável, sobretudo na Ásia, oferece um incentivo econômico a uma criminalização e a uma profissionalização crescentes do tráfico. Grupos criminosos organizados roubam e massacram elefantes, rinocerontes e tigres, assim como outras espécies em uma escala sem precedentes, levando muitas delas à beira da extinção", prossegue o herdeiro da coroa da Inglaterra.


Ao seu lado, seu filho William, duque de Cambridge, também muito ativo no âmbito da proteção da natureza, acrescenta: "nós devemos ser a geração que acaba com o comércio ilegal e garante o futuro destes animais magníficos e seu habitat. Porque, se fracassarmos, será tarde demais".

A mensagem termina com a frase: "Vamos nos unir pela vida selvagem", falada em árabe, vietnamita, suaíli, espanhol e mandarim, o que seria uma tentativa de se dirigir aos países mais afetados pelo comércio ilegal de animais silvestres. Este duplo apelo real é divulgado dias antes de uma grande conferência organizada pelo Governo britânico, que reunirá na quarta e quinta-feira em Londres autoridades de alto escalão de meia centena de países para tentar encontrar respostas a esta situação.

"Em dez anos, 62% da população dos elefantes da selva africana foi dizimada. Um rinoceronte é sacrificado a cada onze horas. Há cem anos, 100.000 tigres viviam em estado selvagem na Ásia. Seu número é estimado em menos de 3.200 atualmente", exemplifica o príncipe Charles. De acordo com a União Europeia, o chifre do rinoceronte é hoje mais precioso que o ouro e é negociado a 40.000 euros o quilo; os ossos de tigre, também utilizados na medicina asiática tradicional, a 900 euros o quilo.

O tráfico de marfim, com uma forte demanda da China e, em menor medida, da Tailândia, é particularmente ativo, apesar da moratória sobre seu comércio internacional decidida em 1989. O número de elefantes africanos abatidos por caçadores, 22.000 em 2012, duplicou em dez anos. A este ritmo, a sobrevivência deste animal emblemático do continente não está mais garantida.

Vários países


China, Estados Unidos, Filipinas - realizaram nos últimos meses destruições parciais de seus estoques de marfim ilegal. Na quinta-feira, aos pés da Torre Eiffel, a França triturou três toneladas de marfim procedente de apreensões para sensibilizar a opinião pública e mostrar sua determinação na luta contra este tipo de tráfico.

Fonte: Google.com.br ( foto : internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
09 de Fevereiro de 2014

Ônibus bicho amigo circula em Porto Alegre

internet Destaque

A Unidade Móvel I do projeto Bicho Amigo prestou atendimento veterinário, na quarta-feira (05), a 94 cães e gatos de moradores da Vila Bom Jesus. A ação, que mobilizou a comunidade na zona Leste da Capital, foi acompanhada pela titular da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda), Regina Becker. “Todas as tardes, o ônibus desloca-se para atender os animais de famílias em situação de vulnerabilidade social, que tratam seus animais com o maior carinho possível, mas não possuem condições de levá-los a clínicas veterinárias”, frisou.

Além do atendimento clínico, os animais receberam vermífugo e vacina polivalente, e os tutores foram orientados sobre cuidados básicos, como alimentação, higiene e o calendário anual de vacinação.

“A maioria dos animais nunca tinha sido vacinada e os responsáveis ganharam a carteirinha para o controle. Em vários filhotes, entre 45 dias e três meses, aplicamos a primeira dose da vacina”, informou a médica veterinária da Seda, Adriana Wolf Wander.

Para o vice-presidente da Associação Beneficente da Bonja, Carlinhos da Bonja, a atividade auxiliou não apenas aqueles que têm animais. “Além de estar ajudando os que não podem pagar pelas vacinas e outros medicamentos, esse trabalho da Seda contribui para conscientizar todos os moradores para não cometerem maus-tratos com os animais”, afirmou.

A visita do ônibus Bicho Amigo é agendada nos postos de Saúde da Família (PSF) dos Centros Administrativos Regionais (CARs).
Também acompanharam a ação, o secretário municipal dos Direitos Humanos, Luciano Marcantônio, e o coordenador do CAR Leste, Filipe Rodenbusch Tisbierek.

Fonte: Porto Alegre ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
09 de Fevereiro de 2014

Macaco-prego CHICO morre aos 38 anos

Fabio rodrigues/G 1 Destaque

 'Perdi um filho'. Essa é a frase que resume o sentimento de tristeza da aposentada Elizete Farias Carmona, de 71 anos, depois da morte do macaco-prego Chico na tarde de sexta-feira (7), a caminho do veterinário, em São Carlos (SP). A relação de 38 anos, considerada de mãe e filho, ficou conhecida em todo país e gerou repercussão internacional quando ele foi retirado da dona pela Polícia Militar Ambiental, após uma denúncia. Eles ficaram separados durante 16 dias e uma liminar da Justiça obrigou o retorno do animal para  Elizete, que adequou a casa para continuar com ele.

Ainda inconsolável, a aposentada recebeu a reportagem do G1 na calçada em frente à sua casa. (Confira o vídeo abaixo). De acordo Elizete, Chico ficou doente há dois dias e foi levado ao veterinário na quinta-feira (6). "Estava bem e ficou meio desanimado e amuado", disse. Na manhã desta sexta, ela levou ao  retorno e ele medicado. "Ele pediu para voltar 17h30. No caminho, ele olhou para mim e deu um suspiro. Ele morreu no meu peito", disse emocionada.

A aposentada não conteve o desespero e chorou muito. "O veterinário disse que ele tinha ido embora mesmo. Ele estava bonito, gordinho. Eu achava que iria morrer antes dele. No fim eu fiquei e ele foi", lamentou.

O corpo de Chico ficou no consultório veterinário e deve passar por necrópsia, que vai apontar a causa da morte. Elizete afirmou que quer enterrar o 'filho' no 'Recanto do Chico', local criado para que o animal pudesse retornar para a dona.  "Ele foi muito amado. Nem quero ir no cantinho dele, porque me faz lembrar dele", afirmou.

Ainda não há previsão para o enterro do macaco. Elizete vai para Campinas no fim de semana para fazer exames no coração e deve ficar na casa dos filhos.

O caso

O animal foi entregue à Elizete em 1976 por um caminhoneiro amigo da família. Conhecido como Chico, o bicho foi retirado pela Polícia Militar Ambiental após denúncias, no dia 3 de agosto último. De acordo com a legislação, manter um animal silvestre sem a devida autorização é crime contra a fauna.

A separação do bicho da dona, divulgada pelo G1, ganhou repercussão internacional e internautas mobilizaram dois abaixo-assinados na web que pediam a volta da macaca. Os documentos on-line reuniram mais de 18 mil assinaturas. O caso foi divulgado no site do jornal norte-americano "The Washington Post", na BBC, Fox News, entre outros. A história também foi capa da revista Terra da Gente, do grupo EPTV, no mês de outubro.

Com a ajuda de um advogado, a família entrou na Justiça para tentar trazer o animal de volta durante o andamento do processo. O Ministério Público de São Carlos se comprometeu a acompanhar a adaptação do animal no novo lar no prazo de 60 dias. Uma decisão da juíza Gabriela Muller Carioba Attanasio determinou o retorno da macaco em até cinco dias após notificação à A Secretaria Estadual do Meio Ambiente. A notícia surpreendeu a dona, que até mudou o visual para receber o bicho. Chico voltou para a dona 16 dias depois.

Uma das determinações da Justiça para que o macaco retornasse a São Carlos era que tivesse um espaço adaptado para ele. Com isso, o ‘Recanto do Chico’ foi inaugurado no dia 7 de setembro com direito à festa para vizinhos e amigos.

O local, com 14 metros quadrados, foi construído baseado em normas do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e adaptado para ser montado nos fundos da casa de Elizete. O espaço conta com grades, puleiros, escadas e cipós para o animal poder se movimentar e ter um ambiente mais dinâmico.

Em novembro do ano passado, uma equipe do programa Animal Planet passou quatro dias na cidade para colher o material. O conteúdo será exibido neste ano no canal Discovery.

Durante os registros, foi possível constatar que o macaco é macho e não fêmea como divulgado em agosto pela Associação Protetora dos Animais (APA) de Assis (SP) para onde ele foi levado após ser retirado da família. Procurada, a ONG informou que o animal que saiu da sede era uma fêmea.

Fonte: G 1 ( foto: Fábio Rodrigues / G 1 )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
09 de Fevereiro de 2014

Filhote de girafa é sacrificado em zoológico

internet Destaque

Um filhote de girafa foi sacrificado neste domingo em um zoológico de Copenhague, capital da Dinamarca, apesar de muitos protestos de defensores dos animais do país. O animal chamado Marius, de um ano e meio, tinha a saúde perfeita, mas os responsáveis pelo local dizem que não poderiam deixar a girafa crescer.

A medida foi tomada para evitar a consanguinidade entre exemplares desta espécie, em uma tentativa de garantir uma vida mais saudável para as próximas gerações. A girafa foi morta com uma pistola usada geralmente no abate de gado, pois uma injeção letal poderia contaminar sua carne, usada para pesquisas e para alimentar animais carnívoros que vivem no Zoo de Copenhague.

Muitas pessoas participaram de um abaixo-assinado que pedia uma mudança da decisão, mas a campanha não surtiu o efeito esperado. Bengt Holst, um dos diretores do zoológico, disse ao jornal dinamarquês Ekstra Bladet que chegou a procurar outros zoológicos para uma transferência do animal. Entretanto, nenhum teria espaço para o filhote:

— Você tem que aceitar que há um excedente de animais que não podem ser incluídos na cadeia genética, sem causar problemas.

Segundo o Daily Mail, Robert Krijuff, diretor de um parque de vida selvagem na Holanda, tinha oferecido um lugar em que a girafa poderia viver:

— Eu não posso acreditar. Oferecemos para salvar sua vida. Os zoológicos precisa mudar a forma de fazer negócios.

Ativistas defensores dos animais classificaram a atitude como bárbara e acusaram o zoo de ser antiético. Maria Evans, que iniciou uma petição online sobre o assunto, disse a girafa “merece viver”, :

— O zoológico o produziu, por isso é sua responsabilidade encontrar um lar para Marius, não importa quanto tempo levar. Eles não devem ser autorizados a tomar a opção mais fácil — opinou.

Segundo o Ekstra Bladet , o zoológico já havia matado ursos, tigres e zebras para parar com a super reprodução dessas espécies.


Fonte: globo.com ( foto reprodução )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
07 de Fevereiro de 2014

Carta de um cão abandonado ao seu dono

internet Destaque

PENSE ANTES DE ABANDONAR SEU AMIGO!

 

Meu amado dono,

 

Eu estou quase morrendo hoje. Ainda tento entender o porquê você me abandonou. Quando você entrou no carro e me deixou na rua, eu tentei correr atrás achando que era apenas uma brincadeira. Corri até cansar e quando cansei, poderia jurar que logo você voltaria e iríamos felizes para casa. Fiquei esperando no mesmo lugar por dias.

 

Mas o tempo passou e você não apareceu. Senti fome, senti frio, senti sede e sobretudo, senti medo. Viver nas ruas é aterrorizante. Encontrei um cantinho aqui, neste gelado terminal de ônibus e passei as últimas semanas esperando por você. Dormi no frio, na chuva e tive muitos sonhos. Nos meus sonhos, eu ainda era um filhote correndo pela casa, sendo admirada, arrancando-lhe sorrisos e abraços. Nossa, como eu te amo!

 

Mas os dias passaram e você não voltou. Passei imaginar o porquê você me abandonou.

 

Talvez porque eu comi seu sapato. Me desculpe por isso, pois eu não sabia o que era. Era tão macio, gostoso de morder e estava ali, no chão, ao meu alcance. Eu só queria brincar e não tinha brinquedos.

 

Pode ter sido também porque eu trouxe algumas pulgas para casa. Entenda, porém, que eu não tenho culpa. Existem remédios para ajudar que isso não aconteça, mas eu sozinha, não consegui evitar. Bastava você ter me ajudado.

 

Será que foi porque eu latia demais? Poxa, eu só estava dizendo “ei, eu estou aqui, estou com medo, sozinha, estou viva, quero ser sua amiga, vamos brincar?”.

 

Não consegui, no entanto, achar a razão. Eu sempre tentei ser um bom cachorro, mas eu não consegui fazer você feliz. Pode ser também porque eu cresci e não sou mais uma filhotinha bonitinha. Acho que a culpa foi minha. Talvez, eu mereça mesmo estar aqui.

 

Hoje, cheguei ao limite de minhas forças. Desde que você me deixou, não comi mais. Sinto fome, mas perdi a vontade de viver. Você é minha vida, que agora fraca, se esvai de meu corpo.

 

Só queria dizer que amo muito você e espero que você esteja bem.

 

Me desculpe por tê-lo decepcionado,

(Clube dos Vira-Latas)

Foto: internet

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
07 de Fevereiro de 2014

Feira de adoção de cães e gatos em Maceió

internet Destaque

Durante a feira de adoção que está sendo promovida pelo Shopping Pátio Maceió entre os dias 7 a 9 de fevereiro, das 10h às 18h (sexta e sábado) e das 14 às 18h (domingo) a Pet Saúde – administradora de benefícios de atenção à saúde de animais domésticos – estará microchipando os cães e gatos adotados.

O objetivo desta campanha é mostrar as pessoas os benefícios de inserção do chip no cão ou gato de estimação. A microchipagem permite que o tutor do animal saiba exatamente a sua localização, além de armazenar dados como nome e contato do tutor do animal, vacinação e dados comportamentais.

De acordo com Sandro Camelo, supervisor de vendas da Pet Saúde, o incentivo à microchipagem se deu primeiramente pela questão da identificação do animal no plano de saúde, bem como uma maior responsabilidade que o dono passa a ter sobre seu cão ou gato, pois ele poderá ser encontrado mais facilmente caso se perca, por exemplo”, disse Camelo.

Os cães e gatos que forem levados pelos seus tutores durante a feira que está ocorrendo no Shopping Pátio Maceió vão pagar apenas R$20 reais pela microchipagem.

Estão participando da feira cães e gatos do NEAFA e do CCZ.



Fonte: Deisy Nascimento ASCOM NEAFA ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
07 de Fevereiro de 2014

Circo não quer aposentar elefanta que foi baleada

The Dodo Destaque

Menos de um ano depois de ter sido ferida em um tiroteio, o circo Ringling Bros forçou mais uma vez a elefanta Carol a voltar à estrada para se apresentar na frente do público. As informações são do The Dodo.

Durante uma turnê em abril do ano passado, Carol e outros elefantes estavam em trailers fora de um estádio em Tupelo, Mississippi, quando um motorista parou e atirou, atingindo o animal no pescoço. A polícia chamou o tiroteio de “um evento direcionado e deliberado”, embora nenhum suspeito tenha sido preso.

Apenas um dia depois do acontecimento, o Ringling Bros relatou que não tinha planos para aposentar a elefanta de 39 anos. “Não vemos a hora de tê-la de volta no show”, disse um dos membros do circo.

Após o incidente, uma petição online foi criada e desde então reuniu cerca de 15 mil assinaturas. Ainda assim, independentemente de sua idade e lesões sofridas, o circo colocou o animal de volta em uma turnê que irá percorrer várias cidades – incluindo três apresentações no local do crime, em Tupelo, onde a investigação ainda está em andamento.

Nada foi declarado a respeito de quanto tempo a elefanta teve para se recuperar antes do treino. A decisão do circo de liberar Carol é impulsionada pelo lucro, sem a devida consideração por seu bem-estar, já que existem inúmeros relatos de elefantes que são abusados regularmente por domadores do Ringling Bros.

De acordo com o banco de dados do Elephant Encyclopedia, Carol é explorada desde 1974, o ano do seu nascimento.

Fonte: ANDA.JOR.BR ( foto: The Dodo )

Nota da Redação: A elefanta passou sua vida inteira presa, sendo submetida às mais dolorosas humilhações físicas e psicológicas. Espetáculos circenses com animais devem ser proibidos no mundo inteiro para que esses seres não sejam mais submetidos à brutalidade de um domador, e sobreviventes como Carol possam desfrutar o resto de suas sofridas vidas em um santuário, onde serão cuidados e respeitados.

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
06 de Fevereiro de 2014

Bilionário russo tenta salvar cães da morte

New York Times Destaque

 Um abrigo de cachorros, que tem o apoio de um bilionário russo, está numa corrida contra o tempo para salvar os cachorros abandonados de Sochi. O governo da cidade russa contratou uma empresa para matar os cachorros abandonados em preparação aos Jogos Olímpicos de Inverno.

As autoridades locais querem assassinar os animais até o dia da abertura dos jogos, que acontecerá nesta  sexta-feira (07/02).

Ativistas dos direitos animais estão resgatando os cachorros para que fiquem em local seguro enquanto aguardam a chance de encontrar um lar.

Olga Melnikova, que está coordenando o resgate em apoio à instituição de caridade chamada Good Will, disse que recebeu o seguinte recado:

Nos disseram ‘Ou vocês tiram todos os cachorros da Vila Olímpica ou nós vamos atirar neles’

Mais de 80 cachorros já estão no abrigo, a esperança é de que os atletas e torcedores dos Jogos Olímpicos adotem os cães.

Fonte: Portal Dog ( foto: New York Times )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
05 de Fevereiro de 2014

Americano sensibiliza-se com cães abandonados no Brasil

divulgação Destaque

A jovem montenegrina Luciani de Souza está estudando em Mineápolis, nos Estados Unidos, onde faz mestrado em Relações Humanas.

Lá ela conheceu Ryan Cutler, um jovem fotógrafo, com o qual passou a namorar. Agora, quando Luciani veio ao Brasil para visitar os pais, Ryan veio junto.

Em Montenegro, Ryan ficou muito impressionado com os cachorros que andavam livremente pelas ruas. Ao saber que eram cães abandonados, que perambulavam pela cidade a cata de comida, ficou sensibilizado.

Achou muito triste ver os animais nessa situação miserável e perigosa.

Esta foi a primeira visita dele ao Brasil e este o fato que mais impacto lhe causou.

Nos Estados Unidos isso não acontece e Ryan pensou em filmar um documentário para mostrar, nos Estados Unidos, a situação miserável enfrentada pelos animais por aqui.

Sabendo que haveria no Caí uma feira de filhotes e que elas existem para providenciar um novo lar aos animais abandonados por seus tutores, o casal de namorados veio à cidade.

Na manhã do último sábado Ryan, tendo Luciani como interprete, acompanhou a feira, que é realizada no Supermercado Flach.

O evento é realizado pela ONG Vira Lata do Caí, que vem se dedicando à proteção dos animais abandonados.

Apesar desse lado negativo, Ryan gostou do Brasil, de Montenegro e da região e pretende vir mais vezes.

Luciani vai ficar mais um ano estudando nos Estados Unidos.

O estranhamento de um estrangeiro diante do modo como são tratados os animais no Brasil serve para nos alertar quanto às coisas erradas que fazemos. E não só com os animais. Mesmo as pessoas carentes e desprotegidas sofrem tratamento desumano.

Vira Lata do Caí

A Vira Lata do Caí desenvolve um trabalho notável em benefício dos animais abandonados e considera que a melhor solução para o problema da proliferação de animais é a castração.

Se fossem poucos, os animais nessa situação, seria fácil encontrar quem os adote. O problema está na grande quantidade de animais que nascem nessa condição de abandono.

Por isso, além de atender animais doentes, a ONG caiense patrocina castração de animais sem tutor. Para isso ela conta com verba mensal de R$ 2.500,00, da prefeitura, e outros donativos. Que não têm sido suficientes para os remédios e castrações.

Ryan Cutler colheu muitas cenas filmadas e fotos, com as quais pretende produzir um documentário sobre o assunto. E vai autorizar a ONG a utilizar na divulgação do seu trabalho. Além disso, Ryan pretende sensibilizar outros países para ajudar os animais abandonados do Brasil.

Fonte: Fato Novo ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
05 de Fevereiro de 2014

Mais uma entidade pra defender animais

divulgação Destaque

Toda a equipe que trabalha já há algum tempo com a causa está agora convidando a todos para participar deste dia tão importante.

Será o dia oficial da fundação de Entidade Protetora de Animais, 7 de fevereiro, com início às 19 horas.

Confira a ordem do dia

1 – Apresentação, discussão e votação de proposta de Estatuto da Entidade;
2 – Apresentação, discussão e votação de Proposta de Regimento Interno da Entidade;
3 – Eleição da Primeira Diretoria da Entidade, biênio 2014/2015.

Fonte: Portal Cantu ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
04 de Fevereiro de 2014

Cachorro ganha festa b"nai Milzvá

divulgação Destaque

O ator norte-americano Jason Biggs, famoso por interpretar o personagem Jim Levenstein do filme American Pie, e sua esposa, a também atriz Jenny Mollen, compartilharam com seus seguidores o B’nai Mitzvá de seu cachorro da raça Poodle, Teets.

O B’nai Mitzvá é uma cerimônia judia comemorada para inserir o jovem quando ele faz 13 anos como um adulto a comunidade judáica.

No caso de Teets, por estar completando aniversário de 13 anos, seus “pais” acharam mais que justo oferecer-lhe uma festa com direito a companhia de outros amigos caninos, comida judia e traje azul com a estrela de Davi.

Fonte: anda.jor.br ( foto: divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
04 de Fevereiro de 2014

Niall Lester retira cães do corredor da morte

Georgia Mason Destaque

Niall Lester está por trás da New Hope Animal Rescue, um grupo inglês independente que busca resgatar cães com necessidades médicas ou com risco iminente de serem eutanasiados, por fatores diversos como a lotação dos abrigos, contração de zoonoses ou problemas comportamentais considerados “impossíveis de resolver”.

Para os cães que recebem a sentença da eutanásia, lhes são dados no máximo duas semanas de vida.

A organização foca justamente nesses casos críticos e urgentes e os resgates são realizados graças a doações e ao trabalho duro de voluntários.

Documentando este trabalho está a fotógrafa Georgie Mason, que começou a registrar os cães resgatados como projeto final para a faculdade e até hoje está realizando os ensaios.

Os cães retratados foram todos resgatados e a produção das fotos são baseadas em suas vidas anteriores e no local que foram abandonados.

Como o trabalho da New Hope por si só já carrega todo um peso emocional da situação precária de abandono dos animais, as fotografias são importantes para dar visibilidade a situação e levantar um questionamento sobre como os cães acabam sendo vítimas de tutores irresponsáveis.

Para saber mais sobre o projeto, acesse o site oficial da organização .

Fonte: Portal do Dog  (Foto: Georgia Mason)

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
03 de Fevereiro de 2014

Casal cria o reality big dog Brasil

Ana Gabriela Ribeiro Destaque

Peter Parker, Mr. Darcy, Elvira, John McClane e Mia Wallace são personagens da literatura e do cinema mas, em São Vicente, no litoral de São Paulo, eles são cinco vira-latas participantes de um reality show canino, onde a torcida é para ser eliminado o mais rápido possível. Um casal criou uma página na internet com o nome ‘Big Dog Brasil’, com o objetivo de atrair interessados em adotar os filhotes.

Os filhotes de vira-latas foram abandonados em uma caixa de papelão em um bairro de Cubatão (SP). Ao saber da história pela internet, a estudante Lívia Coelho foi buscá-los. “Eu peguei eles para cuidar porque estavam com sarna e pensei que ninguém ia querer. Fui um pouco inconsequente porque estou desempregada, mas minha mãe ajudou com as consultas veterinárias e os remédios”, diz Lívia.

A jovem conta que não tem onde deixar os animais. Por isso, ela procura pessoas para adotá-los. “As pessoas gastam, às vezes, R$ 3 mil em um cachorro, sendo que podem adotar um vira-lata de graça. Estamos cuidando com médicos, ração, remédios e queremos entregá-los já curados da sarna. A recuperação está sendo ótima. Eles são carinhosos e brincalhões”, afirma Lívia.

Para atrair as pessoas, o casal criou uma página na internet com o nome de “Big Dog Brasil”. Desta forma, os internautas podem acompanhar o dia a dia deles e pegar carinho pelos animais. “O objetivo é conseguir atrair a atenção das pessoas. Coincidiu com o início do programa. Já que eu não posso usar a minha criatividade no trabalho, eu uso nesta página”, brinca o médico Daniel Bastos.

As brincadeiras e comparações com o reality show já atraíram mais de 1.500 pessoas na web. “Aqui não tem big fone, mas tem big fome. Tem as provas do líder e as festas”, diz Daniel. Na página, é possível observar algumas dessas brincadeiras. Textos como “informamos o cancelamento da prova do líder devido destruição completa do chinelo e anarquia geral durante a prova. Essa semana não teremos paredão e todos ganham ossinhos de mastigar para comemorar” e “mais uma festa rolou e o clima de romance pintou”, sempre acompanhados de fotos, são postados diariamente pelas redes sociais.

O “Big Dog Brasil” já tem mais de 1.500 seguidores na internet, porém, nenhum filhote foi adotado ainda. O casal brinca que nesse reality ganha quem for eliminado primeiro. “Nós estamos torcendo pela eliminação deles. Até pensamos em criar prêmios simbólicos para as famílias que adotarem, como kits com shampoo, remédio e ração. Eu me apaixonei por todos eles e decidi que vou ficar com o renegado. Se sobrar um eu fico com ele”, finaliza Lívia.

Fonte: G 1 ( texto e foto : Ana Gabriela Ribeiro G1 Santos )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
03 de Fevereiro de 2014

Bezerros são massacrados em fazenda de leite

Prensa Fidel Espinoza Destaque

O Deputado Fidel Espinoza (PS), informou que a empresa Manuka, que atua na Fazenda Rupanco, município de Puerto Octay, no Chile, obriga seus trabalhadores a matarem em torno de 1.500 bezerros machos em cada temporada, entre julho e setembro. Os filhotes são degolados, golpeados na cabeça ou deixados para morrerem de fome. O massacre acontece para que os animais não consumam o leite produzido pela empresa, uma das maiores distribuidoras do produto no país. As informações são da Cooperativa e da CNN Chile.

“Há quase um mês denunciei na Câmara os graves acontecimentos que estão acontecendo na Fazenda Rupanco, pela empresa Manuka, fatos que são crimes de abuso animal, uma matança selvagem de uma uma maneira irracional”, disse o deputado. Depois de mortos, os bezerros são enterrados em grandes valas dentro da propriedade.

De acordo com Espinoza, quem “realiza este ato criminoso são os diretores da empresa. Porque, não só os animais mortos são vítimas, mas também os trabalhadores que sofrem lesões psicológicas graves porque são obrigados a seguir as ordens que vêm da gestão.”

Além disso, o deputado acusou o governo que, através dos Ministérios da Agricultura, do Trabalho e do SAG (Servicio Agrícola e Ganadero), sabe de todos os antecedentes e agiu conscientemente sem fazer nada a respeito.

A Manuka, de origem neozelandeza, tem atualmente cerca de 20 mil hectares na Fazenda Rupanco desde 2005 e estabeleceu-se como uma das principais referências na produção de leite. ”É uma pena que o que esta empresa faz no Chile, seria incapaz de realizar em seu próprio país. Se esses massacres acontecessem na Nova Zelândia, sua equipe inteira provavelmente seria presa”, disse Espinoza.

A denúncia levou à investigação parlamentar liderada pela fiscal Leyla Chahin, que começou a averiguar a propriedade, juntamente com a equipe do Departamento de Polícia, para encontrar os cemitérios de animais que os ex-trabalhadores e moradores locais afirmam que estão localizados dentro da fazenda.

Fonte: anda.jor.br ( Stephanie Lourenço – foto: Prensa Fidel Espinoza 

Nota da Redação: Os bezerros machos que nascem em fazendas produtoras de leite são mortos ou destinados a cruel indústria de vitela, negócio que surgiu como subproduto do comércio de laticínios. O filhote é afastado de sua mãe desde o primeiro dia e depois trancado em um compartimento sem espaço para que não consiga se movimentar. Esse procedimento é para que o animal não crie músculos e a sua carne se mantenha macia. Ele passa quatro meses de reclusão e sofrimento sem nunca ter visto a luz do sol, para depois ser finalmente morto. A vaca leiteira passa semanas mugindo por sua cria.

 

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
02 de Fevereiro de 2014

Raposas são mortas na frente de crianças

Destaque

No Reino Unido, três crianças assistiram uma raposa ser arrastada para fora de um buraco e morta a tiros, conforme fotos chocantes divulgadas por ativistas anti-caça. As imagens mostram as crianças a poucos metros de distância, enquanto os animais indefesos encontravam o seu destino terrível nas mãos de caçadores e seus cães, treinados para esse fim. As informações são do Mirror.

Um fazendeiro que testemunhou o incidente disse que ficou estarrecido ao ver crianças sendo levadas a uma caçada: “Como essas pessoas puderam achar que tais cenas foram feitas para crianças pequenas assistirem?”. O fato aconteceu no dia 28 de Dezembro em South Devon, após a organização League Against Cruel Sports (Liga Contra Esportes Cruéis) ter relatado uma caçada feita pelo grupo Modbury Harriers.

Segundo o relato, os cães sentiram o cheiro da raposa dentro de uma toca de texugos. Então os caçadores chegaram com seus cães, suas enxadas, uma arma – e três crianças. “Eu assisti com horror enquanto uma matilha de cães de caça se espalhou pelo nosso terreno. Eles emitiram aquele som horrível de gelar o sangue – o que significa que eles farejaram uma raposa. Eu vi uma linda raposa correr através do prado e desaparecer em um velha toca de texugos na fazenda de meu vizinho. No topo da colina, vi dois rapazes que carregavam pás. Eles estavam indo para cavar o local e matar a raposa ali mesmo”, disse o fazendeiro.


Os homens desceram e fecharam os orifícios de saída para impedir que o animal escapasse e, em seguida, chamaram os filhos para assistir enquanto eles cavavam e matavam a jovem raposa – o mesmo aconteceu com uma outra que se encontrava encolhida dentro da toca.

O fazendeiro descreveu como o homem mais velho olhava para dentro da toca, e as crianças esticavam o pescoço para ver, antes dele atirar. Eles cavaram e dispararam mais dois tiros para dentro do buraco. Então eles arrastaram o corpo da raposa para fora e jogaram no chão para as crianças verem. “Em seguida, o homem mais jovem voltou à ação e recomeçou a cavar furiosamente, efetuando logo outro disparo para dentro da toca e tirando uma segunda raposa morta, que colocou ao lado da primeira”, acrescentou a testemunha.

O fazendeiro não quis ser identificado por medo de represálias, declarou ser “fortemente contra a caça”, e queixou-se dos caçadores que invadiram a sua terra. Ele afirmou ter ficado enojado com o fato dos homens terem levado as três crianças para assistir a cena. “Este é o mundo sujo da caça à raposa. E eles trouxeram crianças, uma delas aparentando ter apenas cinco anos de idade. A caça às raposas não é bem-vinda aqui. Nós temos pedido a eles incansavelmente para que não pratiquem a caça nem enviem cães de caça para as nossas terras, mas eles nunca atenderam ou respeitaram à nossa repetida solicitação”, disse ele.

De acordo com Joe Duckworth, diretor executivo da League Against Cruel Sports, esse horrível incidente de crueldade animal mostra não só um total desrespeito com os cães e as raposas, mas também com as crianças. “Isso foi algo abominável e cruel”, afirmou Joe.

Fonte: anda.jor.br ( foto : Foto: Western Morning  ) 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
31 de Janeiro de 2014

Mister Alagoas visita o NEAFA

Deisy Nascimento Destaque

 O Núcleo de Educação Ambiental Francisco de Assis (NEAFA) recebeu no início da tarde de sexta-feira (31) Pedro Kaloã, de 24 anos, que venceu o concurso Mister Alagoas 2014.

O jovem resolveu fazer uma visita a ONG que atende animais de pessoas carentes, porque gosta de bichos e viu a necessidade de ajudar os cães e gatos abandonados que se encontram em tratamento e para adoção.

Segundo Pedro Kalõa, o NEAFA é uma ONG que merece ser divulgada ainda mais através de algumas campanhas. “Como Mister Alagoas pretendo colaborar com diversas ações sociais em prol dos cães e gatos daqui. Farei todos os contatos possíveis com o objetivo de trazer melhorias aos animais abandonados”, disse Kalõa.

A presidente interina do Núcleo, Dra. Fernanda Nobre, ficou feliz com a visita e espera que outras pessoas, além do Pedro Kalõa, ajudem à causa animal, afinal lutar pelo bem destes seres, é importante. “Ajuda é sempre bem-vinda, e quanto mais pudermos difundir a missão da ONG, mas pessoas poderão colaborar”.

Em uma das fotos, o Mister Alagoas, mostrou grande intimidade com os bichos, pois posou com a mascote do NEAFA, a Lua.

Fonte e foto :

Deisy Nascimento

Ascom - NEAFA

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
31 de Janeiro de 2014

Papa Francisco abençoa papagaio

reproduçao Destaque

O Papa Francisco não para de surpreender o mundo. Desta vez o protagonista do momento foi um papagaio.

O sumo pontífice mostrou o amor que sente pelos animais e fez questão de abençoar o animal durante uma audiência geral no Vaticano.

A ave pousou na mão do chefe da Igreja e foi abençoada pelo próprio, repetindo a palavra “Papa”, perante os fiéis presentes.

De acordo com tutor do papagaio, o Pontífice chegou a afirmar que o papagaio é “um belíssimo presente da natureza”.

*Esta notícia foi escrita, originalmente, em português europeu e foi mantida em seus padrões linguísticos e ortográficos, em respeito a nossos leitores.

Fonte: Correio da Manhã( foto: reprodução )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
31 de Janeiro de 2014

Cao reprodutor de fábrica de filhotes é resgatado

internet Destaque

Cães de “fábricas de filhotes”, muitas vezes passam suas vidas na sujeira, com dor e desconforto extremo, tudo em nome da demanda da população que prefere comprar animais de raça, ao invés de adotar. Estes cães raramente recebem cuidados veterinários suficientes, assim como comida, água e exercício. Eles quase nunca têm a chance de sair de suas gaiolas apertadas e sujas ou de seus canis.

Cães reprodutores (machos e fêmeas) passam suas vidas inteiras nesses locais e sofrem de uma série de problemas de saúde que podem variar de epilepsia e doença renal a distúrbios respiratórios e problemas oculares, como catarata e glaucoma.

No entanto, a triste verdade é que estes tipos de instalações e condições não são contra a lei em muitas regiões. ”As leis de crueldade animal para cães reprodutores comerciais são muito diferentes. O que pode ser cobrado no tratamento de um cão normal não se aplica a cães de criadouros de filhotes”, afirma Jenny Whitt da National Mill Dog Rescue, com sede em Colorado Springs (EUA). As informações são do One Green Planet.

A National Mill está sempre na linha de frente, ajudando cães reprodutores dos criadouros de filhotes, através de resgate, reabilitação e encaminhamento para adoção. Whitt foi em sua primeira missão de resgate em Maio de 2012 e testemunhou os horrores desses estabelecimentos.

Ela viajou com a National Mill até o Arkansas (EUA) para libertar 60 cães de uma fábrica de filhotes locais, todos se encontravam em péssimo estado. Desses 60 cães, um maltês, mais tarde chamado Moxie, era o que estava em piores condições do grupo.

Whitt diz que suas patas estavam permanentemente danificadas por ficar de pé em uma gaiola de arame por 12 anos e Moxie não tinha dentes e a mandíbula inferior, o que é comum em cães reprodutores.

“Quando eles são jovens eles só têm o fio de sua gaiola para mastigar. Isso por si só destrói os dentes. Além disso, a maioria só bebe água em alimentadores de coelho. Beber desta forma não permite que a água lave toda boca e limpe os dentes e gengivas. Nunca há atendimento odontológico para estes cães e suas mandíbulas literalmente se desintegram”, diz Whitt.

Moxie não conseguia se levantar depois de seu resgate de tão fraco, por isso teve que comer deitado por um tempo e apesar dele ter problemas nas patas, os protetores colocaram o pequeno maltês do lado de fora para que ele pudesse sentir a grama pela primeira vez na sua vida.

Hoje o animal está recuperado e vive com sua tutora, Whitt: “Ele é muito animado, engraçado e demonstra muita felicidade por estar vivo”. Moxie, que tem sua própria página no Facebook, é embaixador da National Mill Dog Rescue e de todos os cachorros que sofrem com este tipo de exploração.

 Fonte: anda.jor.br ( foto: internet ) 

Nota da Redação: A melhor maneira de acabar com essa exploração é não comprar animais e boicotar pet shops e lugares que vendem filhotes. A história de Moxie não é uma exceção, cães e gatos reprodutores são tratados como objetos nesse tipo de comércio. No Brasil existem mais de 5 milhões de animais precisando de um lar, por isso, ao invés de financiar o sofrimento, adote um animal abandonado.

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
30 de Janeiro de 2014

Ativistas marcham contra maus-tratos aos animais

internet Destaque

Ativistas pela defesa dos direitos animais, juntamente com tutores e simpatizantes, realizaram em Cochabamba, na Bolívia, a segunda caravana exigindo rápida aprovação de uma nova lei de defesa aos animais. O grupo percorreu na segunda-feira (27) as avenidas Ballivián, Ramón, Rivero, Recoleta, Aniceto Padilla, Libertador, América e finalizou na Plaza de las Banderas com uma exposição de arte e música urbana. As informações são do Opinión.

A representante da Comunidade Animalista de Cochabamba (CAC), Carla Castro, disse que esta mobilização teve o objetivo de pedir uma lei que proteja os animais, depois do crescente número de casos de massacre pelos ponchos rojos (grupo armado boliviano) e as práticas de treinamento na Escola Militar de Sanandita, que obriga o aprendiz a cuidar por um ano de um cachorro e matar o animal com suas próprias mãos, para depois arrancar seu coração e comê-lo. Este ato cruel significa uma prova de masculinidade para a Escola.

Em Cochabamba, várias organizações foram convocadas e na data os manifestantes conseguiram coletar mais de 2.500 assinaturas. O cantor Raúl Ibarnegaray, também participou da mobilização e expressou que o processo de ter uma lei em defesa dos animais é um acontecimento histórico.

Ibarnegaray manifestou que se deve aproveitar esta conjuntura e continuar realizando este tipo de atividades para que a população compreenda a necessidade dessa lei. “Houve muitas tentativas e projetos de ativistas que até agora não puderam se concretizar”, acrescentou.

Este movimento está se espalhando por todo o país, em outros lugares atividades coordenadas foram realizadas. La Paz também se uniu em uma vigília realizada no mês de novembro de 2013, em razão dos abatedores de Quillacolo, que assassinaram dois bois em praça pública, como forma de protesto para exigir a construção de um matadouro.

Fonte: anda.jor.br (por Renata Moreno e Stephanie Lourenço (da Redação)

Foto: internet

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
30 de Janeiro de 2014

Cão baleado ao salvar tutora passa bem

EPTV Destaque

O cachorro que foi baleado por bandidos ao salvar a tutora de um assalto na noite de terça-feira (28) em Ribeirão Preto (SP) foi operado na tarde de quarta-feira (29). Segundo o médico veterinário Paulo Cesar Yanosteac, dois projéteis ficaram alojados no corpo de Átila e apenas um deles foi retirado durante a cirurgia. O estado de saúde do animal é estável e ele passa bem.

A mãe da tutora de Átila, a funcionária pública Maria Lourdes Borges, comemorou o sucesso do procedimento. “Ele é um dos meus anjos da guarda”, diz.

De acordo com o médico, o raio-x feito em Átila mostrou que ele tinha duas balas no corpo – uma na perna e outra na musculatura do tórax. Yanosteac explica que a retirada do projétil da perna foi feita com sucesso, mas o que estava alojado no tórax poderia causar algum dano ao animal, caso fosse extraído.

“Para atingir a bala eu teria que elevar o osso do ombro do animal, onde passam muitas estruturas importantes. Como o animal não demonstrou nenhuma alteração e está normal, qualquer alteração que fizéssemos poderia prejudicar mais do que ajudar”, explica.

Ainda segundo o veterinário, esta é uma prática normal dentro da medicina, mas o cachorro terá que ter um acompanhamento médico para saber qual será a reação do organismo. “Até onde a gente sabe o projétil não prejudica, dá pra conviver. Pode ser que o organismo reacione ou faço um encapsulamento desse corpo estranho. Agora vamos fazer um acompanhamento após a alta amanhã e de tempos em tempos, por meio de raio-x”, afirma.

Assalto

Átila, de 2 anos, foi baleado na noite de terça-feira ao tentar impedir que a tutora, Raquel Borges de Oliveira, fosse assaltada por quatro homens – um deles armado -, quando ela chegava de moto em casa no bairro Jardim Interlagos.

Segundo Raquel, o cão tentou morder um dos ladrões quando ele foi em direção à garagem. O bandido reagiu e disparou dois tiros que acertaram o animal. Após o ataque, o grupo fugiu em um veículo e não foi identificado.

A mãe de Raquel, que estava na casa no momento do crime, achou que o cachorro não fosse resistir. “Ele estava baleado e sangrando. Eu achei que ele tinha corrido para o fundo para morrer. Eu nunca vi um cachorro com duas balas sobreviver”, diz.

Passado o susto, Raquel afirma que o que Átila fez foi uma demonstração de amor à família. “Com certeza foi uma demonstração de carinho dele para com a gente, de muito amor e proteção.”

Fonte: G1( Sérgio Oliveira EPTV )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
29 de Janeiro de 2014

Vereadores da Bahia em defesa dos animais

internet Destaque

Em visita ao gabinete da vereadora Ana Rita Tavares (Pros) o vereador João Contador (PDT) trouxe de Simões Filho, na última semana suas demandas relacionadas à defesa dos animais no município. Acompanhado de ativistas da ONG Pata de Luz, Contador expôs para Ana Rita o trabalho de castração e vacinação desenvolvido pelo vereador e a entidade não governamental. “Mesmo com toda a dificuldade que encontramos em nossa cidade, inclusive sofrendo preconceito por defendermos uma causa ainda vista como menos importante por pessoas insensíveis buscamos fazer a nossa parte como representante do povo”, revela o vereador.

Autorizada pelo presidente da Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos Animais, Ricardo Izar Jr. (PSD-SP) para orientar câmaras municipais a fundarem frentes parlamentares idênticas, Ana Rita Tavares participará de audiência pública, prevista para março, que debaterá o assunto no âmbito daquele município.

“É de fundamental importância difundir essas Frentes pelo estado, a fim de seguir o entendimento de Brasília e, pela casa legislativa de cada cidade, discutir, efetivamente, as políticas públicas de atenção aos animais, necessárias para que tenhamos um país mais justo também para os animais.”, conclui Ana Rita.

Fonte: Câmara Municipal de Salvador ( foto: internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
29 de Janeiro de 2014

ONGs pedem ao papa que deixe de soltar pombas em cerimônias

divulgação Destaque

Segundo o Telegraph, um dia depois de duas pombas brancas (símbolo da paz) serem atacadas por uma gaivota e um corvo, grupos italianos de direitos animais apelaram ao Papa Francisco para que ele acabe com a prática de soltar pombas de uma janela com vista para a Praça de São Pedro, no Vaticano.

A Agência Nacional de Proteção Animal publicou uma carta aberta lembrando que estes pombos que o Papa liberta na frente de multidões são de cativeiro, por isso são presas fáceis para predadores.

“Os animais nascidos em cativeiro, não são capazes de reconhecer os predadores como tal e são, portanto, incapazes de fugir de possíveis situações de perigo”, disse a ENPA (Ente Nazionale Protezione Animali).

Fonte: anda.jor.br ( foto: divulgação )

Nota da Redação: Não existem pombas completamente brancas na natureza. Estas aves resultam de centenas de anos de reprodução em cativeiro para servirem aos humanos como animais domésticos e também para serem soltas em cerimônias de casamento e outros eventos. Além do Papa Francisco parar de soltar as pombas da janela, ele deveria se pronunciar contra a comercialização e criação desses animais, já que a única utilidade disso é a exploração humana. Este sim seria um ato que simbolizaria a paz, vindo de um Papa que homenageia em seu nome o santo patrono dos animais e do meio ambiente.

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
28 de Janeiro de 2014

Acampamento nacional pelos animais em fevereiro

internet Destaque

 CONVOCAMOS os defensores, protetores e simpatizantes da CAUSA ANIMAL do Recife E DA REGIÃO ( JOÃO PESSOA- NATAL- FORTALEZA- MACEIÓ) para participar do Acampamento Nacional Pelos Direitos Animais , que sera em Brasilia de 17 a 20 de fevereiro.

O Acampamento Nacional pelos Animais é a primeira ação nacional coordenada pela aprovação de uma pauta de projetos delei e a instalação de uma CPI dos Maus-Tratos, que são a prioridade da causa nacional em Brasília. Agendado entre 17 e 20 de fevereiro no gramadão do Congresso, o Acampamento ficará em vigília pressionando a votação dos itens já exaustivamente negociados com os líderes e acordados com o presidente da Câmara Federal desde outubro, mas que precisa da pressão externa para finalmente ser votados.

TEMOS DOIS ÔNIBUS SAINDO DO RECIFE NO DIA 15/02 COM RETORNO DIA 22/02. – GRATUITO !!!!!!!!!

AINDA TEMOS VAGAS

INFORMAÇÕES NO EVENTO DO FACEBOOK

NOVA PAUTA DE REIVINDICAÇÃO:

• ESTERILIZAÇÃO NACIONAL GRATUITA DE CÃES E GATOS PARA CONTROLE SANITÁRIO E DE NATALIDADE (PLC 1376/2003), APENSADA, PROIBIÇÃO DE ASSASSINATO DE CÃES E GATOS NO CENTROS DE ZOONOSES DO PAÍS SEM CRITÉRIO DE SAÚDE (3490/2012)

• INSTALAÇÃO DA CPI DOS MAUS-TRATOS (PRC 204/2013), VAI INVESTIGAR CASOS DE CRUELDADE NO PAÍS

• AUMENTO DA PENA PARA MAUS-TRATOS/CRUELDADE (PLC 2833/2011)

• PROIBIÇÃO DE ANIMAIS EM CIRCOS EM TODO O PAÍS, NOVE ESTADOS JÁ PROIBIRAM (PL 7291/2006)

• PROIBIÇÃO FEDERAL DE TESTE EM ANIMAIS PARA FINS COSMÉTICOS E DE HIGIENE (PL 6602/2013)

• INCLUI O MÉTODO SUBSTITUTIVO QUE PERMITE A COMERCIALIZAÇÃO DA PELE HUMANA PARA SUBSTITUIÇÃO DE ANIMAIS EM TESTES (PL 6800)

• CRIMINALIZAR USO DE ANIMAIS EM FILMES PORNOGRÁFICOS
(PL 6167/2013)

• ALTERA NO CÓDIGO CIVIL A NATUREZA JURÍDICA DOS ANIMAIS QUE PASSAM DE OBJETOS A SERES SENCIENTES (PL 6799/2013)

• CRIAÇÃO DO SELO DE INCENTIVO A PRODUTOS LIVRES DE CRUELDADE (PL 4586/2012)

G-Mail Micropar
micwbcropar@gmail.com

Fonte: anda.jor.br ( internet )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
28 de Janeiro de 2014

Boi é resgatado após cair em fossa

Alexandre Lima Destaque

Um boi com aproximadamente 300 kg caiu em uma fossa séptica de uma residência no bairro José Moreira, no município de Brasiléia, na manhã de sábado (25). Foi necessária uma equipe de oito bombeiros para realizar o resgate do animal.

De acordo com o cabo Adarci Vivan, do 5º batalhão do Corpo de Bombeiros do município, que participou da operação e é irmão da dona do terreno onde aconteceu o acidente, o boi se aproveitou de um descuido dos moradores que deixaram o portão aberto.

Ainda segundo Vivan, as primeiras tentativas de retirar o animal por cima com a ajuda de cordas falharam. “Nós improvisamos algumas amarrações e no início estava tranquilo. Mas depois vimos que com o material não havia possibilidade de a gente resgatar pela parte de cima, devido ao peso do boi”, explica.

Com o auxílio de uma retroescavadeira, a lateral da fossa teve que ser retirada e o animal foi removido sem ferimento. “Conversamos com a proprietária sobre a necessidade de arrombar um lado da fossa. Somente assim conseguimos concluir a operação com sucesso”.

Fonte: G1.( foto: Alexandre Lima )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
28 de Janeiro de 2014

Cadela enterrada viva é resgatada mas não sobrevive

GCM de Botucatu/divulgação Destaque

Uma cadela foi encontrada dentro de um buraco após ser enterrada viva, no Jardim Eldorado, em Botucatu (SP), no último domingo (26). De acordo com informações da Guarda Civil Municipal (GCM), vizinhos entraram em contato depois de observarem uma mulher cavando um buraco no quintal.

Em seguida, os vizinhos informaram que a cadela vira-lata, com pouco mais de oito quilos, estava dentro do buraco viva e bastante debilitada. Ainda segundo a GCM, o animal pertencia a uma mulher de 27 anos, que teria cavado o buraco.

Uma equipe do Centro de Zoonoses foi acionada e resgatou o animal. Encaminhado para o Canil Municipal, os profissionais do local tentaram reanimá-la. No entanto, a cadela não resistiu e morreu. O corpo do animal foi levado para Bauru para ser incinerado.

Para a polícia, a mulher negou que havia enterrado a cadela viva. Ela disse que colocou o animal no buraco após acreditar que ele estava morto. Segundo ainda a mulher durante depoimento, a cadela estava doente. Um boletim de ocorrência de maus-tratos a animais foi registrado na polícia, que deverá apurar o caso nos próximos dias.

Fonte: globo.com ( foto: GCM de Botucatu/divulgação )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
27 de Janeiro de 2014

A linda amizade de uma cadela e uma lontra

divulgação Destaque

 Existem alguns clichês com os quais todo mundo já está meio acostumado: cães não gostam de gatos, que, por sua vez, caçam ratos. Os animais agem assim naturalmente e nós, humanos, apenas aprendemos a lidar com isso. Agora, o que acontece quando se encontram um cão e uma lontra?

Se depender de Chu e Chi, a resposta a esta pergunta é óbvia: uma enorme amizade!

As duas se conheceram por acaso em um paraíso natural na cidade de Bertioga, litoral de São Paulo e desde então não se desgrudam mais, por mais improvável que pareça. Várias pessoas — e até mesmo outros animais — estranham o relacionamento entre as duas.

Fonte: R7 ( foto: reprodução  )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
27 de Janeiro de 2014

Touros são torturados em festival indiano

the hindu Destaque

A ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) da Índia declarou que irá mover uma ação no Tribunal de Madras na próxima semana, afirmando que as orientações do Supremo Tribunal Federal e do Tribunal Superior foram desconsideradas durante o jallikattu deste ano. A organização também vai buscar uma proibição desta prática.

Sunil Havaldar, secretário de Bem-Estar Animal para o jallikattu em Madurai e em Salem, nomeado pelo Animal Welfare Board da Índia (AWBI), deu uma entrevista ao The Hindu após observar atrocidades aos touros em Koolamedu, na sexta-feira.

Um investigador da PETA disse que “foram registradas denúncias contra 21 pessoas na polícia de Attur, por terem infligido sofrimento aos animais no evento na sexta-feira. A polícia também confirmou que os casos foram arquivados”.

Os acusados, incluindo tutores de animais, foram presos por desobediência à Lei de Prevenção à Crueldade aos Animais de 1960, mas foram liberados mais tarde sob pagamento de fiança. Segundo a reportagem, 22 casos semelhantes foram registrados pela polícia durante o jallikattu em Palamedu, Alanganallur e Avaniapuram, no início da semana passada. O diretor de assuntos veterinários da PETA na Índia, Manilal Valliyate, disse ao The Hindu por telefone que os touros foram obrigados a submeter-se à dor e agonia mental.

Sunil Havaldar afirmou que “organizadores e tutores de animais aplicaram pimenta em pó e produtos químicos nos olhos e no nariz dos touros, feriram as suas caudas e até mesmo quebraram-nas, agrediram os animais com faca e outros objetos pontiagudos para irritá-los e deixá-los mais ferozes na arena”. Ele acrescentou: “nós temos evidências para as alegações e iremos apresentá-las perante o tribunal. Tais incidentes são prova de que o jallikattu é realizado sob condições de crueldade aos animais. Além do caso no Supremo Tribunal, um relatório detalhado deverá ser submetido à AWBI”.

A prática é uma tradição antiga na Índia, estima-se que ocorra há mais de 2 mil anos e foi representada na arte rupestre datada do ano III a.C. Acontece de janeiro a julho na região de Tamil Nadu, como parte das comemorações do festival de Pongal, em que é celebrado o período das colheitas. Uma raça específica de touros é criada para esse propósito, chamada Jellicut.

Considerado um “esporte”, é descrito como baseado no conceito de “fuga ou luta”, onde os participantes tentam saltar sobre o touro e cometem contra ele todo tipo de agressões. Algumas vezes, são amarrados sacos de dinheiro nos chifres do animal e os participantes tentam alcançar. O jallikattu assemelha-se à “farra do boi” que acontece em Santa Catarina, no Brasil.

Muitas organizações já tentaram fazer com que a Índia banisse tal atrocidade, e em 2008 o evento chegou a ser proibido, mas a proibição foi removida logo em seguida mediante a alegação de que seria supervisionada por veterinários.

Fonte: anda.jor.br ( foto: the hndu )

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
27 de Janeiro de 2014

Cachorro é queimado vivo em Icó no CE

divulgação Destaque

A população de Icó está revoltada com a atitude covarde de alguns elementos que atearam fogo num cachorro ainda vivo. O animal não resistiu e morreu. A polícia de Icó está tentando identificar o autor ou autores dos maus-tratos.

Fonte: Icó na rede  ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
26 de Janeiro de 2014

Cachorro comove população de Salvador

divulgação Destaque

A situação de um cachorro que vivia abandonado nas ruas do bairro de Fazenda Coutos 3, no Subúrbio de Salvador, comoveu moradores da região e mobilizou internautas através das redes sociais. Extremamente debilitado, quase sem a pelagem por conta de uma sarna avançada, orelhas comidas por bicheiras, com forte odor, desnutrido e desidratado, mancando, além de sofrer com um tumor na barriga, o animal sem raça definida foi resgatado pela equipe SOS Animais do vereador e protetor Marcell Moraes, que foi acionada pelo Facebook e diversas ligações de ativistas.

O cachorro foi socorrido às pressas para a clínica veterinária Petlândia, na Pituba, onde está em observação e receberá toda a assistência médica necessária. “Esse foi um caso de resgate que foi concluído, mas infelizmente não é algo isolado. Assim como esse cão, há outros milhares nas ruas da cidade, por isso que venho repetindo sobre a importância de implementar políticas públicas de controle populacional de animais. Esse resgate pode ter salvado a vida desse cão, mas é apenas uma medida paliativa, que não resolve a situação geral do município, pois não podemos estar em todos os cantos de Salvador”, declara o vereador Marcell.

Fonte: Teia de Notícias ( foto: divulgação )

 

Imprimir Comentar

Comentar

Anuncie aqui!
26 de Janeiro de 2014

Pamela Anderson em defesa dos animais

divulgação Destaque

Segundo informações do The Jerusalem Post, a celebridade Pamela Anderson, que está em Israel como jurada da versão local do programa “Dança dos Famosos”, quer convencer os líderes religiosos a proibirem o uso de artigos de pele no país. O pedido da ativista gera controvérsias, uma vez que faz parte da tradição dos ortodoxos usar um chapéu feito de pele animal em feriados e outras datas festivas.

Durante coletiva de imprensa em Tel Aviv, Pamela disse ter enviado uma carta oficial ao ministro de assuntos religiosos Yakov Margi. ”Escrevo para pedir que faça tudo ao seu alcance para ajudar a passar esta lei histórica, que foi assinada por 40 membros do Knesset (parlamento de Israel). Estou especialmente emocionada ao saber que o seu país está considerando um projeto de lei para proibir a venda de pele, semelhante à legislação aprovada em West Hollywood, Califórnia”, escreveu Pamela.

O projeto de lei em questão, apresentado pelo MKs Ruth Calderon (Yesh Atid) e Nitzan Horowitz (Meretz) em junho, propõe acrescentar à Lei de Bem-Estar Animal, um regulamento que proíbe a venda de produtos de peles, com uma exceção feita para artigos religiosos como streimels (chapéus). A aprovação do projeto pode ser um importante passo para o fim da exploração total de peles no país.

O projeto de Calderón e Horowitz discute como centenas de milhões de animais morrem a cada ano devido à indústria de pele, em métodos qu